Menos de metade dos trabalhadores está a apresentar o desempenho ideal das suas funções

O inquérito da Gartner, que contou com a participação de mais de 130 líderes de Recursos Humanos, revela que 29% destes líderes estão confiantes nos processos atuais da sua organização e na sua eficácia para ajudarem os trabalhadores a alcançarem o melhor desempenho possível

Menos de metade dos trabalhadores está a apresentar o desempenho ideal das suas funções

Não é novidade que a pandemia da Covid-19 veio mudar a forma de trabalhar ao fazer desaparecer em muitos casos as restrições sobre o quando, onde e como deve ser feito o trabalho. 

De acordo com um estudo da Gartner, apenas 41% dos trabalhadores estão a apresentar um desempenho ideal das suas funções, de forma consistente, dando o seu melhor no trabalho.

O inquérito, realizado em março de 2023 e que contou com 139 líderes da área de Recursos Humanos, revelou que quase a totalidade dos inquiridos (96%) afirma ter atingido ou excedido as suas metas de desempenho de funcionários para 2022, mas apenas 58% mostra-se confiante de que pode atingir essas mesmas metas em 2023.

“Os líderes de RH estão preocupados com os funcionários que não estão a dar o seu melhor no trabalho, estão a lutar para sustentar os seus esforços, ou ambos, deixando-os preocupados com o desempenho futuro da sua organização”, explica Kayla Velnoskey, Senior Research na área de Recursos Humanos da Gartner.

Entre estes dados, a pesquisa permitiu apurar ainda que 29% dos líderes de RH estão confiantes de que os processos atuais da sua organização são eficazes para ajudar os funcionários a alcançar e a manterem o melhor desempenho possível.

Outro inquérito realizado pela Gartner em fevereiro deste ano, e que contou com a participação de 2.280 trabalhadores com capacidade de trabalho remoto, revelou que 24% dos funcionários estão a dar o seu melhor no trabalho de forma consistente, mas não estão confiantes sobre se poderão manter-se assim no próximo ano.

Nos casos em que os trabalhadores não estão a ter o desempenho ideal contribuem com até 25% menos valor para a organização e têm menos 14% de hipóteses e permanecer na organização.

Aos dias de hoje, os departamentos de Recursos Humanos contam com as designadas ‘employee agency’, que permite que os trabalhadores e equipas possam assumir o seu próprio desempenho.

De acordo com Kayla Velnoskey, “muitos líderes de RH estão a enfrentar pressão para trazerem de volta as restrições do passado, visto que as organizações temem que esta seja a única outra abordagem para lidar com estes encargos”.

Segundo a Gartner, as empresas devem orientar a ‘employee agency’, fornecendo dicas de desempenho relacionadas com caminho, ritmo e progresso.

  • Path Cue: As organizações permitem que os funcionários tenham autonomia para tomarem decisões sobre o seu trabalho e esclarecerem esse mesmo contexto. Esta forma de trabalhar pode ajudar os funcionários a escolherem os caminhos que os levarão ao sucesso. Permitir esta autonomia e dar o contexto das decisões reduz o gasto e o esforço até 9%;
  • Pace Cue: As organizações líderes estão a incorporar o bem-estar no trabalho de forma que os trabalhadores o vejam como parte integrante do que são. Assim, os trabalhadores conseguem escolher mais facilmente um ritmo sustentável e adaptado às suas características. O incentivo a cuidar do bem-estar reduz até 41% a fadiga e permite aos trabalhadores terem 2,8 vezes mais hipóteses de alcançar o desempenho ideal;
  • Progress Cue: O reconhecimento de ações de alto desempenho impulsiona o progresso da organizando, permitindo sinalizar os funcionários que devem continuar a executar determinadas tarefas. Esta medida permite que os funcionários atinjam o desempenho ideal em 5,7 vezes.
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.