Menos de 10% dos fornecedores automatizam as suas operações B2B

Segundo a Jaggaer, apenas 9% dos fornecedores automatizaram as suas operações B2B e mais de 90% mantém processos tediosos que desaceleram a cadeia de abastecimento

Menos de 10% dos fornecedores automatizam as suas operações B2B

Apenas 9% dos fornecedores, numa escala mundial, realizam as suas operações com empresas – ou B2B – de uma forma totalmente automatizada. Esta é a principal conclusão do “2022 State of the Supply Side Report”, elaborado pela Jaggaer

O estudo revela que, embora os fornecedores reconheçam o valor da automatização, a maioria não tomou medidas para otimizar os processos de alta fricção ou de contacto, o que está a atrasar a cadeia de abastecimento global. 

Os fornecedores referem as “respostas a pedidos de propostas ou RFP” (43%) e a “gestão e a cobrança de faturas" (43%) como as tarefas prioritárias a automatizar. Os desenvolvimentos parecem lentos, dado que 89% afirmam que não automatizaram as respostas às RFP, ou apenas o fizeram parcialmente. O mesmo ocorre com a gestão e com a cobrança de faturas.

As organizações de todo o mundo estão a renovar as suas cadeias de abastecimento para mitigar o risco e melhorar a sua resiliência. O nosso inquérito indica que a escassa automatização do abastecimento gera ineficiências que podem travar o progresso mais amplo e inibir o crescimento e o desempenho dos fornecedores”, referiu Georg Roesch, vice-presidente da Direct Procurement Strategy na Jaggaer. 

Para Georg Roesch, “a verdadeira transformação requer uma experiência totalmente digitalizada, e sem atritos, tanto para compradores, como para fornecedores. Fechar a lacuna do lado do fornecedor será essencial para gerar resiliência, aumentar a velocidade e reduzir os custos para ambas as partes”.

O inquérito revela que:

  • As interrupções na cadeia de abastecimento estão a afetar seriamente os fornecedores. Sete em cada dez dizem que a escassez está a ter um grande impacto nos seus negócios. Outras ameaças incluem a inflação (69%), a escassez de mão-de-obra (62%), a capacidade de produção limitada (53%) e os riscos geopolíticos (50%);
  • Os processos continuam a ser, na sua maioria, manuais. Entre os principais obstáculos citados, estão a gestão de múltiplas plataformas ao mesmo tempo (65%), bem como os processos e a comunicação com os compradores (39%);
  • Os desafios operacionais de backend estão, em grande parte, a atrasar os fornecedores. Estes admitem que poderiam avançar com os seus objetivos estratégicos: aumentar os seus negócios (74%), fortalecer as relações com os clientes (72%) e aumentar a rentabilidade e reduzir os custos (59%) com a tecnologia adequada e mais tempo;
  • Os fornecedores reconhecem o valor da automatização e da Inteligência Artificial (IA). Ter um centro centralizado com acesso a um grande universo de compradores (59%), ter dados comparativos relativamente à concorrência (57%) e fluxos de trabalho automatizados (48%) são mencionados como os três fatores que mais contribuiriam para melhorar os seus negócios.

Este é o momento para os fornecedores adotarem a automatização. A inflação, a escassez de talento e as interrupções continuarão a afetar as cadeias de abastecimento globais. Ao mesmo tempo, aumentarão as expectativas de que os fornecedores promovam iniciativas ambientais, sociais e de governação (ESG) e outras iniciativas estratégicas. A racionalização dos processos centrais irá aumentar a capacidade de abordar estas questões emergentes e outros prioridades do negócio”, acrescentou Georg Roesch.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.