Cloud está a apoiar um novo modelo híbrido de aprendizagem

A pandemia coronavírus levou o setor do ensino a apostar em processos de transformação digital e aprendizagem online

Cloud está a apoiar um novo modelo híbrido de aprendizagem

Na sua mais recente pesquisa, Richard Garrett, diretor do Observatório do Ensino Superior Sem Fronteiras sugeriu que a educação electrónica não era compatível com a imersão e o networking disponível nas salas de aula tradicionais.

No entanto, menos de 18 meses depois, as perspetivas de aprendizagem online mudaram radicalmente. A pandemia e o rápido processo de transformação digital levaram as universidades de todo o mundo – ainda que inicialmente relutantemente – a abraçarem o potencial da aprendizagem online como nunca antes.

A história da rápida transformação digital da London School of Economics (LSE) é familiar aos líderes tecnológicos de outras organizações em todo o mundo: em questão de dias, Laura Dawson, a atual CIO e os seus colegas de IT garantiram ligações remotas, enviaram computadores portáteis windows 10 e estabeleceram serviços baseados em cloud, como o Zoom, para a oferta de educação online.

Os serviços baseados na cloud provaram o seu valor e estão a ajudar instituições como a LSE a conectarem-se com estudantes de todo o mundo.

Esta positividade recém-descoberta contrasta fortemente com alguns especialistas do ano passado, que receavam que as instituições académicas e as suas infraestruturas de IT estariam mal preparadas para a rápida mudança para a aprendizagem online.

Embora ainda haja trabalho a fazer na refinação da experiência do utilizador online, a maioria dos especialistas concorda que as escolas estabeleceram as bases para um novo modelo híbrido, onde uma mistura de ensino online e offline define o futuro da educação.

"Acho que vai haver um desejo ou uma necessidade, particularmente para coisas como a educação executiva, porque nem sempre é o ensino na sala que é o diferenciador chave. É o networking e a colaboração que faz a diferença", afirma Laura Dawson.

A CIO da LSE acrescenta ainda que alguns elementos desta interação colaborativa podem ocorrer através de uma mistura híbrida de métodos offline e online, mas as condições principais devem ser cumpridas. Qualquer forma de ensino híbrido deve garantir que as pessoas dentro e fora da sala de aula tenham uma experiência equitativa.

As instituições académicas terão, portanto, de garantir que se concentram na refinação da forma como a tecnologia é utilizada como parte da experiência do cliente que proporcionam aos alunos, quer estejam na sala de aula, em casa, ou em videoconferência a partir do estrangeiro.

"Uma das principais razões pelas quais temos lutado no passado para que esses assuntos estejam online é a capacidade de recriar a fórmula de escrita no ecrã de uma forma que pode ser lida por qualquer um porque muitas vezes é imperceptível", diz.

No entanto, Dawson afirma que é importante reconhecer até que ponto a mudança para a aprendizagem online durante a pandemia de coronavírus ajudou a impulsionar a experiência educativa eletrónica, particularmente no caso do ensino assíncronos, onde os materiais pedagógicos são colocados online e os alunos trabalham através deles no seu próprio tempo.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.