As estratégias para impulsionar a equidade de género na tecnologia

A Experis apresentou cinco estratégias que permitem às empresas tecnológicas impulsionarem uma maior igualdade de género nas suas equipas

As estratégias para impulsionar a equidade de género na tecnologia

A área tecnológica tem crescido acentuadamente nos últimos anos, impulsionada, entre outros aspetos, pela pandemia e pela transformação digital dos diferentes setores e geografias. Contudo, a disparidade de género mantém-se. De acordo com projeções da Gartner, as mulheres constituem apenas 28% da força de trabalho desta indústria e correspondem a somente 14% dos Engenheiros de Software.

Este desequilíbrio tem vindo mesmo a resistir à crescente escassez de talento tecnológico. O estudo Talent Shortage, desenvolvido pelo ManpowerGroup, conclui que, só em Portugal, 84% dos empregadores de IT relatam não ser capazes de preencher as vagas que lançam para o mercado pela dificuldade em encontrarem as competências que procuram. Para combater esta realidade, as organizações devem considerar a aumentar a integração de mulheres nas equipas, como uma estratégia de talento e crescimento, bem como investir mais no seu desenvolvimento e progressão de carreira com vista à sua retenção e à maior equidade no setor.

Para alcançar estes objetivos, a Experis apresentou cinco estratégias que permitem às empresas tecnológicas impulsionarem uma maior igualdade de género nas suas equipas.

Criar processos de recrutamento justos e igualitários

Uma das barreiras à equidade de género nesta indústria surge precisamente no momento de recrutamento, uma vez que os preconceitos inconscientes neste processo podem limitar a contratação de mulheres. Por um lado, e de forma inconsciente, os decisores de contratação tendem a recrutar perfis similares aos próprios o que, dada a prevalência de homens no setor tecnológico, contribui para acentuar a desigualdade de género nas contratações. Por outro lado, existe ainda, em muito casos, a perceção de um menor compromisso por parte das profissionais, em virtude da necessidade de darem um maior apoio à sua família, e que vem igualmente reforçar esse desequilíbrio nas contratações. Finalmente, a menor presença de mulheres em carreiras STEM, limita também a diversidade logo na origem, na base de candidatos.

Estes preconceitos tendem a persistir no tempo, impactando, nomeadamente, a progressão e o reconhecimento das profissionais ao longo da sua carreira. Para combater a tendência, logo no momento da contratação, as empresas devem implementar estratégias como o “blind-screening” de currículos, em que são ocultos determinados aspetos sobre o candidato, como o género ou a idade. Devem ainda promover a utilização de linguagem neutra nas descrições das vagas de emprego e optar por fontes de recrutamento diversas.

Proporcionar oportunidades de desenvolvimento profissional

De acordo com o estudo The New Human Age, do ManpowerGroup, 67% das mulheres afirmam que a probabilidade de lhes ser sugerida formação na sua empresa é menor, comparativamente com os seus pares do género masculino. É necessário, por isso, contrariar esta realidade através da promoção de oportunidades de desenvolvimento profissional igualitárias, que venham ajudar as profissionais a adquirirem as competências, conhecimentos e experiência necessários para avançarem nas suas carreiras e terem as mesmas oportunidades de chegarem a posições de liderança.

Com o rápido aparecimento de novas tecnologias, este ponto é ainda mais importante no setor de IT, já que o papel dos empregadores deve passar também por promover a requalificação e contínua aquisição de aprendizagens por parte das suas profissionais, de forma a acompanharem a evolução do setor. Proporcionar formação, mentoria e oportunidades de networking são alguns exemplos de estratégias a adotar.

Promover o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal

Uma em cada três mulheres querem que o seu trabalho seja mais realizado no escritório, de forma a estabelecerem limites mais claros entre a sua vida profissional e pessoal, de acordo com o estudo The New Human Age.

A indústria tecnológica é conhecida pela sua longa jornada de trabalho e cultura de trabalho intenso, o que pode tornar desafiante, tanto para as mulheres como para os homens, equilibrar as responsabilidades profissionais e familiares. Entre as várias estratégias que podem ajudar a contornar este desafio, a adoção de modelos de trabalho flexíveis, como o híbrido e remoto, ou regimes a tempo parcial ou com horário reduzido são algumas a serem consideradas. A estas aliam-se ainda medidas direcionadas às famílias, como políticas mais generosas de licenças parentais.

Fomentar a equidade salarial entre géneros

Sendo o fosso salarial entre homens e mulheres um problema constante na indústria tecnológica, é importante que as empresas desenvolvam planos para combatê-lo, promovendo a igualdade.

A realização de auditorias salariais regulares é um primeiro passo. Por outro lado, as empresas devem ser transparentes em torno dos salários e das promoções que realizam, bem como fornecerem orientações claras sobre a forma como estas decisões são tomadas.

Aumentar a diversidade através do acesso à tecnologia

Apesar da tecnologia estar cada vez mais presente na vida da maioria da população mundial, nos países em desenvolvimento e nas comunidades de menores recursos de países desenvolvidos, o acesso à internet e a dispositivos tecnológicos é ainda dificultado. Como resultado, a população destas áreas, e nomeadamente as mulheres mais jovens, têm um menor contacto com a tecnologia, o que vem limitar as suas oportunidades de educação, nomeadamente o interesse e a possibilidade de ingressarem em formações desta área e, mais tarde, no mercado de trabalho como profissionais qualificadas. A promoção de um acesso mais democrático à tecnologia desde a infância, a introdução de ferramentas tecnológicas nas escolas e a criação de mais formações em áreas STEM, que possam promover a criação de mais talento qualificado, permitirão contornar esta realidade e impulsionar a diversidade no setor, promovendo ainda o crescimento económico destes coletivos.

Estas são algumas das estratégias que as empresas de IT devem desenvolver, de forma a promoverem uma maior diversidade e equidade de género nas suas equipas. Com um longo caminho ainda para percorrer, os líderes devem agir para criar uma cultura mais inclusiva e acolhedora, proporcionando acesso à educação e formação, e capacitando as mulheres para se tornarem líderes na indústria. Ao fazê-lo, não só estarão a ajudar as mulheres a progredir, como também contribuirão para melhorar a indústria tecnológica, tornando-a mais justa, equitativa, e sustentável ao mesmo tempo.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 47 Janeiro 2024

IT INSIGHT Nº 47 Janeiro 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.