Consumidores otimistas face às novas tecnologias possibilitadas pelo 5G

Um estudo da National Research Group dos EUA determinou que a atitude dos consumidores face a experiências potenciadas pelo 5G era de "otimismo cauteloso", com particular interesse na interatividade, colaboração e aprendizagem

Consumidores otimistas face às novas tecnologias possibilitadas pelo 5G

O estudo "Me & The Machine: Enter A New Reality in Our Unreal Times" foi levado a cabo pelo National Research Group (NRG), com o apoio de consultoria da Verizon e a RLab, e baseia-se num inquérito quantitativo a 1.500 consumidores norte-americanos entre os 13 e os 54 anos – com entrevistas a mais de 20 especialistas da indústria – relativamente à sua perspetiva sobre o 5G e novas tecnologias como realidade virtual, aumentada e mista, wearables, entre outros.

Há quase uma década, o 4G trouxe consigo um novo paradigma móvel, permitindo-nos partilhar e consumir conteúdos a uma velocidade sem precedentes. É fácil esquecer-mo-nos que houve uma altura em que o live streaming de vídeo não era simplesmente uma funcionalidade comum de aplicações de mensagens e social media.

Mas este novo mundo de partilha instantânea de dados veio também a exacerbar certos sentimentos comuns sobre a tecnologia, como o isolamento social e falta de privacidade.

Dito isto, como é que os consumidores se sentem sobre a ascenção do 5G na próxima década, e sobre as inúmeras tecnologias a emergir em paralelo, que prometem ampliar exponencialmente o domínio do digital?

É exatamente esta questão que novo estudo "Me & The Machine: Enter A New Reality in Our Unreal Times" aborda, indicando oportunidades para experiências de última geração ao descobrir necessidades da indústria e barreiras à adoção.

“O 5G vai potenciar toda uma nova era de experiências de consumidor, tomando partido da sua alta velocidade, largura de banda e baixa latência”, refere Frank Boulben, SVP of marketing and products da Verizon Consumer Group.

Apesar de expressarem preocupações relativamente à privacidade num mundo conectado, a atitude geral foi de “otimismo cauteloso” face a tal realidade. 

“Os consumidores estão prontos para experiências imersivas que possam transcender os males da era da internet e deixar-los criar a sua própria realidade, na qual a descoberta e crescimento pessoal têm primazia sobre o consumo”, assegurou Jon Penn, CEO do NRG, no estudo.

O estudo revelou que as experiências de consumidor mais interessantes e úteis que estas novas tecnologias permitem são do foro da aprendizagem interativa, identificado, no entanto, quatro preocupações prevalecentes face à proliferação destas tecnologias:

  1. Registo de dados pessoais sem consentimento (40%)
  2. Falta de privacidade (35%)
  3. Sensação de estar a ser “observado” pela tecnologia (33%)
  4. Excesso de publicidade / conteúdos patrocinados (30%)

Os consumidores expressaram interesse em “soluções de comunicação e colaboração multidimensionais para lá do emitir e responder”, incluindo novas capacidades como remover barreiras de linguagem e capacidades de colaboração em tempo real. Os consumidores esperam dos criadores a produção de conteúdos interativos que suportem auto-descobre a e crescimento sem prejudicar a sua privacidade, limites e relações.

Os cinco use cases que os consumidores identificaram como mas úteis foram:

  1. Remoção de barreiras de linguagem (4.2x a procura média)
  2. Desenvolvimento de capacidades / aprendizagem interativos (2.7x a procura média)
  3. Assistentes virtuais (1.7x a procura média)
  4. “Shazam para tudo” (1.4x a procura média)
  5. Ecrãs hands-free portáteis (1.3x a procura média)

À medida que a inteligência artificial continua a proliferar e a crescer em capacidade, os consumidores começam a resistir uma vida passiva – no topo do Top 5 de use cases está “desenvolvimento de capacidades / aprendizagem interativos”. Em suma, os consumidores estão interessados em fazer em vez de simplesmente observar.

Deste Top 5, apenas esta categoría aparecei no ranking de tecnologias mais interessantes e úteis, acima. Particularmente interessante é que o Top 4 de tecnologias todas estão relacionadas com tecnologias de realidade aumentada, virtual e mista:

  1. Viajar para qualquer parte do mundo em 360º (3.5x a procura média)
  2. Cinema inerivo (2x a procura média)
  3. Comunicação halográfica (1.6x a procura média)
  4. Gaming immersive (1.5x a procura média)
  5. Desenvolvimento de capacidades / aprendizagem interativos (<1.5x a procura média)

Apesar dos ciclos de crescimentos atribulados que a realidade virtual, aumentada e mista tem vindo a experiênciar, 61% dos consumidores acreditam que tecnologias emergias terão um impacto positivo na sociedade. Apesar de todos os grupos demográficos apresarem pelo menos 50% de respostas positivas a esta questão, existe uma clara divisão: inquiridos do sexo feminino apresentaram mais respostas negativas e as gerações Z e X apresentam os resultados mais altos e baixos, respetivamente.

Quanto aos casos com uma receção menos entusiástica, os consumidores demonstram menos interesse em tecnologias que simplesmente “acrescentam uma camada” sobre o mundo à sua volta, com os seguintes use cases no fundo da ranking:

  1. Publicidade digital-out-of-home interativa
  2. Mensagens e tagging de realidade aumentada
  3. Georeferenciação 3D
Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 24 Março 2020

IT INSIGHT Nº 24 Março 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.