Maioria dos bancos está a migrar mainframes para a cloud

De acordo com um estudo da Accenture, 80% dos bancos planeiam – ou já estão mesmo a migrar – os mainframes para a cloud

Maioria dos bancos está a migrar mainframes para a cloud

Os bancos estão a reduzir a sua longa dependência de tecnologias de legacy mainframes e a planear mover uma parte significativa das suas funções core de negócio para a cloud para lançar novos produtos mais rapidamente e manter-se competitivos, de acordo com um novo estudo da Accenture.

Intitulado “The great cloud mainframe migration: what banks need to know”, o estudo é baseado numa investigação global com 150 executivos bancários cujas instituições estão a planear ou já começaram a migrar os seus mainframes para a cloud.

O estudo mostrou que cerca de quatro em cada cinco inquiridos (82%) planeiam mover mais de metade dos workloads para a cloud – incluindo quase um em cada quatro (22%) que pretende mover mais de três quartos.

A maior parte dos bancos começou a migrar determinadas aplicações para a cloud, mas ainda conta com a tecnologia de mainframe para a maioria das funções core do negócio, incluindo registos de clientes, pagamentos, investimentos, risco e compliance. 

Embora muitos bancos tenham adotado a cloud para sistemas voltados para o cliente, como serviços bancários mobile e online e ferramentas para colaboradores, como email e videoconferência, ainda contam com a tecnologia de mainframe mais antiga para as funções core do negócio”, afirmou Luís Pedro Duarte, Vice-presidente, responsável pela área de Serviços Financeiros da Accenture em Portugal. “Avançaram até onde puderam e estão na mesa necessidades de transformação importantes para atacar e um agudizar da capacidade de atrair talento que não vê carreira em tecnologias com mais de 30 anos. Perante o aumento das taxas de juros, da concorrência das fintechs e do aumento da concorrência em produtos e canais digitais, os bancos precisam da cloud para os ajudar a impulsionar rapidamente a inovação de produtos e serviços bancários. Apenas lá vão encontrar evolução tecnológica para os desafogar das amarras que os limitam hoje”.

O estudo observa que estes bancos veem fortes argumentos para a migração de mainframe, como a velocidade e agilidade; a segurança; e a capacidade de escalar recursos como fortes motivadores da migração (referido por 43%, 41% e 37% dos inquiridos, respetivamente). 

Entre os principais desafios ou barreiras relacionados com a migração de mainframe para a cloud estão o risco de disrupção dos negócios; falta de conhecimento sobre como o código funciona; a capacidade de atrair e reter o talento tecnológico certo; e a regulação de riscos de segurança e compliance.

Os bancos são bons a recrutar e investir em jovens talentos, mas a retenção é um desafio”, disse Luís Pedro Duarte. “Os bancos de sucesso estão a reformular as suas culturas ao criar roadmaps para as skills que precisam no futuro, desenvolver estratégias para contratar novas pools de talento e requalificar a sua força de trabalho. Alguns também estão a aumentar drasticamente o uso de pools de talento externas e a adotar forças de trabalho remotas e híbridas. Enfrentar os desafios de talento será crucial para os bancos alcançarem as suas metas de migração de mainframe nos próximos anos”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 39 Setembro 2022

IT INSIGHT Nº 39 Setembro 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.