EUA podem perder o domínio da Inteligência Artificial

A Comissão de Segurança Nacional de Inteligência Artificial receia que o domínio dos EUA na IA possa ser perdido para a China dentro de dez anos se não houver um investimento em capacidades de computação

EUA podem perder o domínio da Inteligência Artificial

A Comissão de Segurança Nacional dos EUA sobre Inteligência Artificial (NSCAI) divulgou o seu relatório final sobre o estado atual do desenvolvimento da IA nos EUA e as ameaças colocadas pelas capacidades de IA em rápido desenvolvimento da China.

Como refere o relatório, "a China possui o poder, o talento e a ambição de ultrapassar os Estados Unidos como líder mundial em IA na próxima década se as tendências atuais não mudarem".

"O uso doméstico da IA pela China é um precedente arrepiante para qualquer pessoa em todo o mundo que aprecie a liberdade individual. O emprego da IA como ferramenta de repressão e vigilância – em casa e, cada vez mais, no estrangeiro – é um poderoso contraponto à forma como acreditamos que a IA deve ser utilizada", adverte o relatório.

A Comissão também está preocupada com o facto de a IA estar a aprofundar a ameaça que representa os ciberataques e campanhas de desinformação de países como a Rússia e a China.

"O uso limitado de ataques ativados pela IA até à data representam a ponta do icebergue", alerta o relatório. "Entretanto, as crises globais exemplificadas pela pandemia COVID-19 e as alterações climáticas realçam a necessidade de expandir a nossa conceção de segurança nacional e encontrar soluções inovadoras e habilitadas com IA".

O ex-CEO da Google Eric Schmidt e presidente da NSCAI delineou quatro propostas-chave que os EUA precisam de empreender, incluindo um apelo para que os EUA gastem 40 mil milhões de dólares para expandir e democratizar a investigação e desenvolvimento da IA federal.

Os 40 mil milhões de dólares recomendados para expandir e democratizar a I&D federal da AI são um "modesto pagamento de entradas em futuros avanços", refere o relatório.

A comissão propõe a criação de um conselho de competitividade tecnológica na Casa Branca e quer que o Departamento de Defesa esteja preparado para a competição de IA.

Schmidt acredita que os EUA têm um "enorme défice de talento" e que o país precisa de desenvolver novos talentos e expandir os programas existentes no governo e de de cultivar talento caseiro, disse.

O terceiro ponto-chave é o desenvolvimento de hardware e a resolução da falta de capacidades de fabrico de semicondutores dos EUA.

"Precisamos revitalizar a produção nacional de semicondutores e garantir que estamos duas gerações à frente da China", afirma Schmidt.

A quarta proposta está relacionada com a investigação em IA e a necessidade de um aumento maciço do investimento.

"A investigação da IA vai ser incrivelmente cara, por isso precisamos que o governo ajude a criar as condições para uma inovação doméstica acessível da IA".

Schmidt partilha a perspetiva de que os EUA precisam de uma infraestrutura nacional de IA.

"Precisamos de mais dinheiro. Lamento dizer, mas precisamos de mais dinheiro, particularmente em I&D da IA, para que em 2026 cheguemos aos 32 mil milhões de dólares por ano", disse.

O relatório recomenda ainda ao Pentágono que estabeleça as bases para a integração generalizada da IA até 2025. Requer a construção de uma infraestrutura digital comum, o desenvolvimento de uma mão de obra digitalmente literada e a instituição de processos de aquisição, orçamento e supervisão mais ágeis.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 31 Maio 2021

IT INSIGHT Nº 31 Maio 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.