Cadeia de valor deve adotar estratégia de conservação de recursos

Segundo a Gartner, este tipo de estratégia vai permitir que aos Chief Supply Chain Officers (CSCO) mitigar a inflação e a escassez de oferta

Cadeia de valor deve adotar estratégia de conservação de recursos

Com a escassez de oferta e a inflação a subir, os Chief Supply Chain Officers (CSCO) devem adotar estratégias de conservação dos recursos, no sentido de mitigar os riscos para as organizações, afirma a Gartner. "Os CSCO calculam que os aumentos previstos da inflação e da contínua escassez de oferta vão levar a novos desafios de produção e à ineficácia das vendas", afirma Sarah Watt, senior director analyst na área de supply chain da Gartner.

Mais, explica que “estes constrangimentos não são de curto prazo, e a tendência subjacente é que a procura de bens está a aumentar, enquanto a oferta é cada vez mais escassa". Além disso, a Gartner nota que os CSCO enfrentam pressão interna e externa para tornar as suas redes mais sustentáveis. Um inquérito recente da Gartner a 983 profissionais da cadeia de valor, nota que 67% dos inquiridos estão a investir na inclusão de métricas de sustentabilidade ambiental e social como KPI para líderes da cadeia de valor.

Assim, a conservação dos recursos é, de acordo com a Gartner, um fator-chave para mitigar estes desafios. Neste âmbito, a Gartner sugere três estratégias para os CSCO. Em primeiro lugar, abrandar o consumo primário utilizando modelos de economia circular. "A economia circular oferece uma oportunidade para separar as matérias-primas do crescimento. As atividades de economia circular vão desde modelos as-a-service, a retorno incentivado e consumo colaborativo", explica Sarah Watt.

Outro aspeto importante é a propriedade de materiais “end-of-life”, especialmente se contiverem matéria-prima valiosa. Se as empresas conseguirem fechar o loop, podem tornar-se mais resilientes contra a escassez de oferta. "Essencialmente, alguns fornecedores estão a usar materiais “end-of-life” como forma de colmatar as suas preocupações com a inflação e a disponibilidade", acrescenta Sarah Watt.

Refere, ainda, que a "escolha da economia circular também pode vir com consequências inesperadas. Os CSCO precisam de definir os melhores candidatos à circularidade, ou podem acabar por criar um maior fardo ambiental em vez de reduzi-lo”.

Em segundo lugar, a Gartner recomenda que os CSCO capitalizem o potencial valor dos resíduos como um ativo, através, por exemplo, da construção de parcerias de ecossistemas com empreiteiros de resíduos, fornecedores e inovadores. A Gartner nota que os resíduos serão cada vez mais vistos como uma responsabilidade, quando poderiam, também, ser um recurso. 

Em terceiro lugar, os CSCO devem preservar o capital natural, refere a Gartner, como a geologia, o solo, o ar e a água, dos quais as organizações dependem para a produção de materiais, pelo que sem o capital natural, as cadeias de valor não funcionariam. De acordo com a Gartmer, os CSCO devem mudar as suas relações com o capital natural e concentrar-se em atividades como a redução da perda de biodiversidade, o combate à desflorestação ou a exploração da agricultura regenerativa. "O risco hoje em dia é que os CSCO estão a gastar as matérias-primas mais rapidamente do que podem regenerar-se, e as cadeias de valor devem garantir que não destroem a própria base do seu negócio", concluiu Sarah Watt.

 

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 37 maio 2022

IT INSIGHT Nº 37 maio 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.