IA pode intensificar escassez de competências se as empresas não agirem imediatamente

Um inquérito a dois mil executivos séniores revela que a maioria das empresas adota uma estratégia desequilibrada de “contratar vs. desenvolver” talento e uma abordagem à IA centrada nas pessoas poderá criar vantagem em termos de talento

IA pode intensificar escassez de competências se as empresas não agirem imediatamente

A Adecco Portugal divulgou o seu mais recente estudo “Liderar em tempos disruptivos desenvolvido em colaboração com a Oxford Economics. Um inquérito a dois mil executivos séniores no qual se concluiu que é urgente desenvolver competências para maximizar o potencial da Inteligência Artificial (IA) e garantir a empregabilidade dos trabalhadores.

De acordo com o estudo, mais de metade das empresas participantes planeia recrutar um novo talento para enfrentar a adoção massiva de IA, em vez de requalificar os trabalhadores existentes, o que leva a uma corrida por competências digitais. 66% das empresas inquiridas afirmaram que irão contratar talento com competências em IA externamente, em comparação com apenas 34% que disseram que irão desenvolver a força de trabalho existente.

37% dos líderes empresariais referiram que os salários para funções relacionadas com a inteligência artificial irão aumentar “significativamente” no próximo ano, em comparação com apenas 24% de funções white colar e 9% de funções blue collar.

No entanto, o fosso entre “contratar e desenvolver” talento é cada vez maior e está também a estender-se a outras competências digitais, com 62% dos líderes a referirem que irão contratar especialistas em literacia de dados externamente, em comparação com 36% que afirmam que irão requalificar ou melhor as competências das equipas.

Os líderes empresariais preveem perturbações significativas no mercado de trabalho mais amplo, com apenas 46% a dizer que vão redistribuir colaboradores cujos empregos sejam perdidos devido à IA. Mais à frente, 41% afirmam que vão empregar menos pessoas dentro de cinco anos decido à tecnologia.

O inquérito também descobriu que a lacuna de competências em inteligência artificial se estende até ao topo das empresas, com 57% a manifestarem falta de confiança na capacidade da própria liderança de topo para entender os “riscos e oportunidades” relacionados com a inteligência artificial. Apenas 43% deste grupo disse ter programas de formação formal em vigor para melhorar as competências em IA.

Os líderes empresariais dizem que as competências humanas continuarão a desempenhar um papel crítico no sucesso de qualquer empresa. Uma maioria de 57% refere que o “toque humano” ainda é mais influente do que a IA no local do trabalho, enquanto a criatividade e a inovação dão citadas como a principal área onde faltam competências.

"É imperativo que os líderes não só implementem urgentemente a melhoria de competências em IA, mas também garantam que esta é implementada de forma segura e responsável, mantendo as pessoas firmemente no centro desta transição. A IA deve ser uma ferramenta que apoia o potencial criativo único das pessoas e permite mais tempo para o pensamento estratégico e a resolução de problemas.”, refere Denis Machuel, Diretor Executivo do Grupo Adecco, em comunicado.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.