Gestores acreditam que colaboradores estão mais satisfeitos com o seu trabalho do que verdadeiramente estão

Estudo da Capgemini revela que empresas precisam de melhorar nível de trabalho para reter mais trabalhadores

Gestores acreditam que colaboradores estão mais satisfeitos com o seu trabalho do que verdadeiramente estão

O estudo mais recente do Capgemini Research Institute“People Experience Advantage: How companies can make life better for their most importante assets” – revela que 80% dos gestores acreditam que os seus colaboradores estão satisfeitos, ao contrário de 28% dos trabalhadores, que não desempenham funções de gestão. 

Do estudo fizeram parte empresas de vários setores de atividade de dez países, no total de 2250 pessoas inquiridas, incluindo 750 gestores e 1500 colaboradores em 750 organizações com volume anual de receitas superior a mil milhões de dólares. 

Os desafios sobre a progressão na carreira e no desenvolvimento de competências, as relações com os gestores, o reconhecimento e compensação e os dados e tecnologia são identificados no estudo como os principais obstáculos quando se fala em satisfação dos colaboradores.

34% dos trabalhadores inquiridos revelou que planeia deixar a empresa onde estão dentro de um ano. A maioria (66%), quer mesmo fazê-lo nos próximos três a nove meses. Quando questionados sobre uma proposta para o mesmo cargo, noutra empresa e com o mesmo ordenado, 52% dos inquiridos afirmou que continuaria a abandonar o atual emprego.

As experiências positivas, comprovou o estudo, são fundamentais não só para os funcionários, mas também para as empresas. 97% dos trabalhadores com experiências positivas manifestaram a intenção de continuar na mesma empresa no próximo ano, com 96% a considerarem-se enquadrados e motivados. 

O equilíbrio entre vida pessoal e profissional
92% dos gestores inquiridos acredita que as equipas estão felizes no trabalho. No entanto, apenas 30% dos trabalhadores partilham desta opinião, com o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional a ser apontado como uma das maiores preocupações dos colaboradores – 65% dos trabalhadores apontam este aspeto como um dos mais importantes, assim como 61% dos gestores. Apenas 28% afirma que tem um horário de trabalho suficientemente flexível para conciliar o trabalho e a vida pessoal.

De acordo com o estudo, os colaboradores deverão compreender concretamente quais as funções que deverão desempenhar, assim como as perspetivas de progressão e crescimento profissional, sendo que três quartos dos inquiridos considera este o aspeto mais importante de toda a sua experiência profissional.

No entanto, apenas 28% dos inquiridos revela que o trabalho lhe permite adquirir novas competências, outro aspeto considerado pelos trabalhadores como importante.

O desafio do trabalho remoto

O modelo do trabalho remoto e presencial tornou-se importante em termos de flexibilidade laboral. 48% dos trabalhadores, assim como 87% dos gestores inquiridos, revelam estar satisfeitos com a possibilidade trabalharem remotamente.

Como podem as empresas agir?

O estudo desenvolvido aconselha as empresas a desenvolverem uma estratégia de Recursos Humanos interfuncional para proporcionarem uma experiência inclusiva aos seus colaboradores, destacando dez medidas que empresas e gestores podem usar para colmatar a sua própria perceção e o nível de satisfação dos colaboradores.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.