Resiliência da cadeia de valor é uma das áreas de investimento prioritárias em 2023

Novo estudo indica que os 89% dos decisores considera que as disrupções nas cadeias de valor são o principal risco para o crescimento dos negócios, pelo que a resiliência das cadeias de valor é uma das principais prioridades de investimento

Resiliência da cadeia de valor é uma das áreas de investimento prioritárias em 2023

A atual situação de instabilidade económica está a fazer com que as empresas tenham uma abordagem cautelosa em relação aos investimentos a realizar. De acordo com um novo estudo do Capgemini Research Institute - Advancing through headwinds: Where are organizations investing? -, que inquiriu responsáveis de duas mil empresas líderes de mercado com mais de mil milhões de dólares de receitas anuais, a maioria (89%) considera que as disrupções nas cadeias de valor são o principal risco para o crescimento dos negócios, maior do que o aumento dos preços das matérias-primas (67%) e a crise energética (64%).

Nesse sentido, a resiliência das cadeias de valor é uma das principais prioridades e 43% das empresas tenciona ampliar os seus investimentos nesta área. A outra área para onde serão canalizados os investimentos é a tecnologia (39%), de modo a permitir que as empresas reduzam custos e apoiem assim as suas estratégias de transformação digital.

Estes responsáveis planeiam direcionar os investimentos para a melhoria das tecnologias aplicadas às cadeias de valor (para alcançarem níveis acrescidos de agilidade, transparência e visibilidade das cadeias de valor) e à diversificação (bases de fornecedores, produção e parceiros de transporte).

As iniciativas eleitas para alcançar a diversificação das cadeias de valor incluem o onshoring ou o near-shoring, de modo a permitir aproximar os centros de produção da procura, regionalizar as bases de fornecedores e diversificar os centros de produção e, assim, reduzir a dependência de uma única região geográfica. Os países da Europa Ocidental planeiam investir mais na diversificação das cadeias de valor, enquanto os países da região da APAC (Ásia e Pacífico) planeiam investir mais em tecnologias para as otimizarem.

O investimento em tecnologia tem como objetivo reduzir custos e acelerar os tempos da tomada de decisões apoiando-se para tal na cloud, nos dados e na análise. A fim de protegerem ainda mais os seus negócios no próximo ano, quase metade dos gestores inquiridos pelo estudo, revelou que também planeia aumentar os seus investimentos em cibersegurança.

No âmbito da investigação, Aiman Ezzat, CEO do Grupo Capgemini afirma que os “líderes empresariais em todo o mundo estão a concentrar os seus investimentos nas áreas que podem continuar a impulsionar a transformação dos seus negócios. Neste sentido, devem aproveitar as oportunidades que a tecnologia oferece, não só para tornar os seus negócios mais eficientes, sustentáveis e resilientes, mas, mais importante do que isso, para permitir que as suas empresas possam crescer a longo prazo”.

Segundo o estudo, nos últimos 12 a 18 meses, devido às condições adversas do mercado, mais de metade das organizações já reduziram os seus investimentos na área da sustentabilidade ambiental. Apenas 33% estão a considerar aumentá-los nos próximos 12-18 meses, embora se trate de valores muito pequenos no bolo total dos investimentos. Consequentemente, menos de um terço das empresas estão no caminho certo para alcançarem os seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 

Contudo, as empresas dos EUA e da China estão a considerar aumentar os seus investimentos (41% e 53% respetivamente) nos próximos 18 meses, o que deverá atenuar o decréscimo registado no ano passado nestas regiões. A pressão crescente sobre os investimentos em desenvolvimento sustentável pode, em parte, ser explicada pelo facto de a maioria dos gestores em todo o mundo o considerar como uma obrigação dispendiosa e não como um investimento no futuro. 
Além disso, 74% dos gestores inquiridos no âmbito do estudo revelaram que a procura de produtos e serviços sustentáveis diminuiu e que muitos clientes não estão agora disponíveis para pagar mais por estes produtos e serviços no atual contexto macroeconómico.

O estudo revela também que em 2023 os gestores tencionam direcionar a maior parte dos seus investimentos na área do talento para as estratégias e políticas relacionadas com os modelos de trabalho híbrido e remoto e com formas de promoverem os níveis de flexibilidade e de equilíbrio crescentes que os seus colaboradores cada vez mais procuram no dia a dia. De facto, 65% dos gestores inquiridos revelaram que planeiam investir e implementar opções de trabalho híbrido para os seus colaboradores, e 61% em opções permanentes de modelos de trabalho remoto para as funções que exigem menos supervisão e menos trabalho em equipa.

No entanto, de acordo com o estudo, as empresas preveem reduzir o investimento em áreas críticas tais como a experiência dos colaboradores (39%), a formação (36%) e a diversidade (35%) nos próximos 12 a 18 meses. Porém, as marcas que pretendem manter-se atrativas na captação de talento, e face à forte concorrência e escassez que se faz sentir no mercado e que limita as perspetivas de crescimento das empresas, têm todo o interesse em manter e aumentar os seus esforços nestas áreas. 

Assim, “é também essencial investir no talento que será capaz de concretizar estas transformações dos modelos de negócio e das cadeias de valor, sem sacrificar a experiência dos colaboradores. Estas áreas de investimento são vitais para as organizações não só resistirem ao ambiente incerto que vivemos, mas também para se tornarem mais fortes e resilientes no futuro”, completa o CEO do Grupo Capgemini.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.