64% dos marketeers B2B não confiam nas métricas de marketing da sua organização

Segundo um inquérito da Forrester, 71% dos líderes de marketing B2B não acreditam que as suas métricas estão alinhadas com os objetivos da organização

64% dos marketeers B2B não confiam nas métricas de marketing da sua organização

De acordo com o Marketing Survey de 2024 da Forrester, 64% dos líderes de marketing B2B revelaram que não confiam nas métricas de marketing da sua empresa para a tomada de decisões.

Para Ross Graber, VP, Principal Analyst da Forrester, o marketing é “uma disciplina com credibilidade que depende de dados, factos e insights, e os líderes de marketing sabem disso”. De facto, o inquérito demonstra que uma das principais necessidades das organizações de marketing, no apoio às suas prioridades de negócios, é a melhoria do uso de análises para medir a contribuição do marketing e melhorar a tomada de decisões. “Mas quase dois em cada três líderes de marketing não confiam nas suas métricas. É motivo de alarme”, adverte.

Os dados da Forrester indicam que existem “múltiplas falhas” que estão a prejudicar esta confiança, nomeadamente dados pobres, tecnologia inadequada e níveis inadequados de apoio ao utilizador. “No entanto, a falha que mais me chama a atenção é a falta de alinhamento”, diz o analista, referindo que 71% dos inquiridos reconheceram que não acreditam que as suas métricas e análises estejam bem alinhadas com os objetivos organizacionais e/ou estratégias de crescimento.

Segundo Graber, a razão pela qual as análises dos profissionais de marketing não estão alinhadas com as metas de uma organização prende-se, numa primeira instância, com a origem das receitas B2B, 73% das quais vêm de novos negócios. “Embora o crescimento líquido de novos clientes não seja insignificante, a maior parte das receitas B2B vem de uma base de clientes existente”, explica.

Atualmente, as medições das organizações de marketing continuam a concentrar-se no sourcing – “ou em mostrar que o marketing originou o pipeline e as receitas associadas a (em grande parte) novos negócios”, esclarece Graber. Esta é uma das métricas mais comumente usadas que constam nos painéis de liderança de marketing, tendo em conta que, no início de 2024, 59% dos painéis do CMO fizeram o rastreio de algum tipo de métrica de sourcing (pipeline ou receita).

“Escrevi extensivamente sobre porque é que está na hora de os profissionais de marketing B2B abandonarem as métricas de sourcing – argumentando que elas não refletem adequadamente aquilo que os líderes empresariais esperam que o marketing alcance, não mostram com precisão a forma como a procura foi originada e não se alinham com a realidade de como funciona a compra B2B”, afirma o analista. “E mesmo que a sua organização exija que o marketing concentre a maior parte da sua atenção no crescimento de novos negócios, o ato de estabelecer o primeiro ponto de contacto com um membro do grupo de compras representa apenas a menor parte de ajudar esse grupo de compras a comprar – os compradores dizem-nos que, em média, consideraram valiosas 18 interações de compra quando fizeram a sua última compra bem-sucedida”.

Graber acrescenta ainda que, “quando perdemos o nosso foco de medição, isso obriga-nos a concentrar-nos em melhorar as coisas erradas e a investir nas coisas erradas. E não é surpreendente que, quando os profissionais de marketing perdem o foco, mesmo que avancemos no aumento das nossas métricas de sourcing, o desempenho dos negócios não melhore. Em última análise, isso mina a confiança que nós, profissionais de marketing, temos nas nossas medições”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.