Maioria das organizações considera low-code um fator crítico de sucesso

Estudo revela que número de empresas europeias que usam low-code como componente chave da sua estratégia de desenvolvimento aumento 12% face ao ano anterior

Maioria das organizações considera low-code um fator crítico de sucesso

A grande maioria das empresas (81%) consideram o low-code um fator-chave para acelerar o seu desenvolvimento e apontam o aumento da eficiência dos processos (53%) e da produtividade dos colaboradores (51%) como principais benefícios para a implementação desta tecnologia. Estas são algumas das conclusões do estudo “Low-Code Adoption as a Driver for Digital Transformation”, realizado pela KPMG, que analisa os níveis de adoção de plataformas de low-code, junto de duas mil empresas provenientes de várias regiões do globo, incluindo Portugal.

Há uma cada vez maior adoção desta tecnologia junto das empresas europeias, com 31% das organizações a afirmar que utilizam o low-code como uma componente crítica para a sua estratégia de desenvolvimento de software, o que representa um aumento de 12% em comparação com o estudo do ano passado. De acordo com este estudo, o incremento da procura da plataforma deve-se a uma combinação de dois fatores: a significativa redução do tempo para cumprimento de objetivos e os baixos custos de desenvolvimento, em comparação com outras plataformas de desenvolvimento de aplicações.

Rui Gonçalves, Partner e Head of Technology Consulting da KPMG Portugal, refere, em comunicado, que “na Europa há muitas empresas com sistemas que necessitam de modernização e as plataformas low-code permitem desenvolver rapidamente aplicações que podem ser integradas nos sistemas já existentes, facilitando o processo de modernização. Além disso, como algumas plataformas de low-code incorporam funcionalidades de compliance, permitem às equipas de desenvolvimento endereçar requisitos de regulamentações europeias específicas de proteção de dados e segurança, tais como o RGPD ou o DORA”.

Outra das conclusões do estudo da KPMG revela que 51% das empresas inquiridas possuem programas de formação intensos em tecnologia low-code, mas um dos desafios identificados refere-se ainda à falta de skills dos colaboradores fora da área de IT. Além disso, também as questões de segurança e a complexidade de manutenção e implementação são vistas pelas empresas como aspetos desafiantes na implementação de low-code.

As questões de governance têm vindo a assumir um papel muito importante, com 47% dos inquiridos a dizer que já tem ou planeia ter um modelo de governance definido para esta tecnologia.

Na opinião de Rui Gonçalves, “os resultados apresentados tornam claro que o low-code é um suporte importante para as estratégias das empresas. Esta tecnologia é cada vez mais considerada como um facilitador da jornada de transformação digital em escala, ao introduzir o low-code, este estudo revela-nos que é essencial implementar políticas e estruturas de governance para garantir que as aplicações desenvolvidas são seguras e cumprem as normas da empresa. Adicionalmente, investir na formação das equipas de TI pode facilitar a transição para esta tecnologia e aumentar a eficiência. Tendo em conta a importância crescente dos aspetos de segurança, é essencial que as empresas se concentrem mais em garantir esta componente”.

Relativamente à interação do low-code com outras ferramentas de IT, o estudo da KPMG revela-nos que mais de metade das empresas inquiridas (54%), utilizam a IA (inteligência artificial) em combinação com o low-code, nomeadamente pelo facto da nova IA generativa poder produzir código complexo em milissegundos. Nesse sentido, a barreira para o desenvolvimento de software nunca foi tão baixa: a IA e o low-code podem coexistir e crescer juntos, por um lado, o código gerado por IA não substitui ainda o desenvolvimento visual de ferramentas de low-code, por outro, a utilização de TuringBots aumentará drasticamente a adoção de low-code.

No que diz respeito às diferenças geográficas entre a Europa e os Estados Unidos da América (EUA), 43% dos europeus percecionam como um desafio as poucas opções de customização da plataforma de low-code, ao passo que apenas 32% nos EUA partilham da mesma opinião. Mais de metade (55%) das empresas inquiridas na Europa afirmam que têm orientações e uma estratégia específica sobre que aplicações deverão ser desenvolvidas em low-code, comparativamente aos 47% constatados nos EUA. No entanto a tendência é para estes números crescerem.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.