Maioria das empresas de IT e telecomunicações quer crescer com contratação de colaboradores

Estudo da Mercer apresenta o retrato do setor de IT em Portugal relativamente a políticas e práticas de compensação e benefícios

Maioria das empresas de IT e telecomunicações quer crescer com contratação de colaboradores

As empresas do setor das TI e Telecomunicações encaram 2022 como um ano para o crescimento das suas operações. 67% das empresas têm intenção de crescer durante o presente ano e querem reforçar as suas equipas com mais colaboradores. Alinhado às perspetivas de crescimento, o crescente dinamismo do mercado de recrutamento é um desafio e a capacidade de atração e de retenção são temas no topo da agenda das organizações. Estas são algumas das conclusões do estudo “Total Compensation – Setor TI e Telecomunicações”, desenvolvido pela Mercer, junto de 68 entidades, que identifica as tendências dos pacotes de benefícios extrassalariais atribuídos pelas empresas do setor 

De acordo com os dados recolhidos pelo estudo, 67% das empresas indicam realizar revisões salariais pelo menos uma vez por ano, com o mês de janeiro a ser o mês preferido para essa atualização (33%). A percentagem de aumento salarial atribuída aos colaboradores é determinada por uma série de fatores, prevalecendo o desempenho individual (90%) e o nível da função (74%) e posicionamento face ao mercado (59%). A antiguidade (10%) é considerada como o fator menos influente na ponderação dos aumentos salariais

Com o mercado de recrutamento muito ativo em Portugal, particularmente para as funções do segmento TI, as empresas estão cada vez mais focadas em manter-se competitivas e em conhecer as práticas de mercado. Além das componentes tradicionais de compensação e de benefícios - que se mantém como fatores de topo para a tomada de decisão dos colaboradores - as organizações procuram cada vez mais diferenciar-se e colocar outros fatores na equação (tais como flexibilidade, bem-estar ou cultura, por exemplo), numa ótica de Employee Value Proposition”, afirma Marta Dias Gonçalves, Rewards Leader da Mercer.

Outro ponto relevante sobre o capital humano do setor das TI e Telecomunicações diz respeito à rotatividade de colaboradores. De acordo com o estudo, as saídas voluntárias das empresas foram, em média, de 11,4% nos níveis técnicos, sendo que a taxa de novos colaboradores atinge cerca de 23%. Neste sentido, o indicador anual de renovação da força de trabalho neste setor ascende atualmente a cerca de 34% (dados com base na plataforma Comptryx da Mercer, relativos ao primeiro trimestre de 2022).

Segundo o estudo “Total Compensation – Setor TI e Telecomunicações” cerca de 85% das organizações inquiridas atribuem incentivos de curto prazo e 31% atribuem incentivos de longo prazo. 

No que concerne a incentivos de curto prazo, a remuneração variável/atribuição de bónus é um benefício atribuído a toda ou a parte da estrutura das empresas inquiridas, sendo o potencial de ganho associado ao bónus alinhado com o nível de responsabilidade da função. Para todos os níveis de carreira a maioria das empresas baseia a atribuição de bónus no desempenho individual e nos resultados da organização. 

Incentivos de vendas (59%) e partilha de lucros (18%) são outros incentivos de curto prazo referidos pelas empresas participantes no estudo.

Quanto a incentivos de longo prazo, a sua atribuição ainda não é uma prática generalizada na amostra analisada. Embora este tipo de benefícios seja mais frequente em níveis de carreira mais elevados, neste sector observa-se que a elegibilidade para este tipo de incentivo é superior a 50%, mesmo em níveis técnicos. Entre as tipologias de planos mais frequentemente considerados destacam-se Performance Shares(37%), Restricted Shares (32%), Share Options (21%) e  Long Term Cash (21%).

De acordo com as conclusões do estudo da Mercer, a atribuição de plano de saúde, de automóvel e seguro de vida são os benefícios com maior evidência nas organizações, atribuídos em 95%, 85% e 69% da amostra, respetivamente.

Relativamente à atribuição de plano de saúde, 70% das empresas analisadas indicam que este benefício atribui cobertura não só ao colaborador, como também ao cônjuge e filhos. 

A atribuição de automóvel da empresa é um benefício atribuído por 85% das empresas inquiridas, particularmente para níveis acima de Manager. Na maioria das empresas é atribuído para uso profissional e pessoal, sendo que na maioria das empresas a viatura é maioritariamente atribuída de acordo com o estatuto ou antiguidade. O número de anos para substituição da viatura na maioria das empresas é igual ou superior quatro anos em todos os níveis de funções elegíveis.

Quanto ao seguro de vida, do universo de empresas que atribuem este benefício 91% cobre também situações de incapacidade, 100% tem cobertura para morte acidental, 73% cobre incapacidade acidental, 46% cobre também a morte por acidente e 18% a incapacidade por acidente de viação. 

Nota ainda para o facto de 37% das empresas inquiridas indicarem que atribuem Plano de Pensões como benefício. Dentro deste grupo, 88% tem pelo menos um plano de contribuição definida 

Os planos de benefícios flexíveis já se encontram implementados em pelo menos 25% das organizações inquiridas, sendo que os benefícios mais frequentemente abrangidos incluem programas de transporte (100%), educação de dependentes (100%), benefícios de saúde (75%), ou soluções reforma (50%).

O estudo traça ainda o perfil das empresas participantes, permitindo ter um retrato da realidade do setor das TI e das Telecomunicações. 63% das inquiridas são multinacionais e têm a sua sede predominantemente na Alemanha, EUA e Países Baixos; 33% das empresas inquiridas têm menos de cem colaboradores. Cerca de 60% dos colaboradores são do género masculino e ocupam cerca de 75% das posições de topo nas organizações. Aproximadamente 34% dos colaboradores têm menos de 35 anos de idade e cerca de 38% têm menos de três anos de antiguidade. Quanto a habilitações literárias, a informação recolhida indica que 61% dos colaboradores têm pelo menos o grau de licenciatura.

O estudo “Total Compensation – Setor TI e Telecomunicações”, desenvolvido pela Mercer, é o estudo de referência sobre tendências de compensação e benefícios do mercado português no setor, fornecendo aconselhamento estratégico e tático, sendo uma ferramenta crucial no suporte à tomada de decisões informadas e eficazes das organizações portuguesas.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 38 Julho 2022

IT INSIGHT Nº 38 Julho 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.