Apenas um quarto das organizações tem programas de inteligência artificial responsável maduros

O estudo “To Be a Responsible AI Leader, Focus on Being Responsible” do MIT Sloan Management Review (MIT SMR) e da Boston Consulting Grouppretendeu avaliar o grau em que as empresas estão a endereçar a IA responsável

Apenas um quarto das organizações tem programas de inteligência artificial responsável maduros

Um novo estudo publicado pelo MIT Sloan Management Review (MIT SMR) e pela Boston Consulting Group (BCG) em conjunto com revela que apenas 25% das empresas têm programas de inteligência artificial responsável suficientemente maduros.

Designado “To Be a Responsible AI Leader, Focus on Being Responsible”, o relatório contou com a participação de 1.093 executivos de organizações com volume de negócios anual superior a 100 milhões de dólares, de dezenas de indústrias e países, assim como conhecimentos de mais de 25 peritos em IA.

Com o objetivo de avaliar o grau em que as empresas estão a endereçar a RAI, definido pelo MIT SMR e pela BCG como “um framework com princípios, políticas, ferramentas e processos para assegurar que os sistemas de IA sejam desenvolvidos e utilizados para ter um impacto positivo nos indivíduos e na sociedade, ao mesmo tempo que se alcança um impacto empresarial transformador”, o inquérito revela que quase um quarto dos inquiridos admitiu que a sua organização já sofreu uma falha de inteligência artificial. Neste caso, a RAI procura analisar os riscos da tecnologia e endereçar o seu impacto nas pessoas. No entanto, e como já vimos, menos de um quarto das organizações têm um programa dedicado e implementado.

Dos resultados obtidos, 84% dos executivos acreditam que a IA responsável deveria ser uma prioridade nas agendas de gestão.

Entre os inquiridos, 16% adotou já uma abordagem mais estratégica face à RAI, com o investimento em tempo e recursos - 74% dos líderes revelam que a RAI faz parte da agenda de gestão de topo dentro da organização, contra 46% dos não-líderes. Estes dados refletem o compromisso neste investimento, em detrimento dos resultados. Isto porque, na sua maioria, os líderes discordam sobre a RAI ter uma abordagem de “cumprir tarefa”. No caso das organizações que olham para a RAI neste sentido, há uma maior probabilidade de sofrerem falhas ao nível de IA do que as organizações líderes.

Os entraves de RAI

Segundo o relatório do MIT SMR e da BCG de 2019, 90% das empresas inquiridas tinham realizado investimentos nesta tecnologia. No entanto, no inquérito de 2022, apenas 52% dos inquiridos afirma que tem um programa dedicado em curso. Entre os maiores entraves à implementação de RAI estão a falta de conhecimentos e talento (54%) e a falta de formação e conhecimento entre colaboradores (53%).

Os casos específicos de África e da China

A BCG e o MIT quiseram perceber a realidade específica em África e na China na abordagem da RAI. 74% dos inquiridos em África afirma que a RAI está nas suas agendas de gestão de topo e 55% revela que os esforços da RAI nas suas organizações decorrem há um ano ou menos.

Já na China, 63% dos inquiridos considera que a RAI é um tópico na agenda de gestão de topo, com a mesma percentagem a concordar que as empresas estão preparadas para abordar os regulamentos que estão a emergir relativamente à inteligência artificial.

“Da otimização de processos ao apoio às decisões de gestão, esta tecnologia pode transformar e impulsionar o crescimento dos negócios. Contudo, a sua adoção deve ser responsável, já que acarreta riscos para a comunidade interna e externa à organização, e esta mentalidade deve constar da estratégia dos líderes das organizações e não de uma lista de tarefas a cumprir quando houver oportunidade”, afirmou José Ferreira, managing director e partner da BCG.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.