A importância de um ecossistema de dados numa organização

Um ecossistema de dados deve ser entendido e colocado ao serviço das empresas e convertido na expansão e bons resultados de um negócio

A importância de um ecossistema de dados numa organização

O i-Data Meeting ocorreu pela primeira vez de forma completamente digital. O primeiro dos três dias de conferências contou com diversos oradores que contaram na primeira pessoa a sua experiência com dados, partilhando também conhecimentos e boas práticas, num cenário de produção e utilização de dados.

O ambiente digital sustenta a rede entre pessoas, empresas, consumidores e mercados. Um ecossistema de dados deve ser entendido e colocado ao serviço das empresas e convertido na expansão e bons resultados de um negócio.

Flávio Guerreiro é Country Manager da LPR, uma empresa no setor da logística de embalagens, e mostra como é importante colocar a captação e análise de dados ao serviço de toda a empresa. A LPR conta com 2.600 pontos de recolha e 335 clientes que movimentam 17 milhões de paletes por ano. Dada a dimensão do negócio, quiserem otimizar a sua rede logística nos centros opostos de pais e  encontrar uma localização para um armazém que otimizasse as distâncias dos pontos de entrega e recolha, assegurando o nível de serviço e reduzindo os custos logísticos de transporte e armazenagem.

Muitas das vezes a empresa tem a informação, mas não as ferramentas necessárias para trabalhar essa informação. Na LPR temos uma base de dados, mas não temos a capacidade de trabalhar os dados em detalhe”, explica Flávio Guerreiro.

Uma parceria com uma empresa especializada em dados pode muitas das vezes captar e analisar toda a informação disponível em sistema e neste caso, começar a fazer o mapeamento dos custos

Percebemos que o grande peso dos nossos clientes, o que nada tem a ver com a quantidade ou dimensão se encontrava no Norte do país. Graças aos dados conseguimos não só melhorar os nossos indicadores, bem como melhorar a nossa rentabilidade”, garante o Country Manager da LPR.

Na perspetiva de Cândido Martins, Executive and Innovation Manager da Cachapuz, a revolução industrial tem como base a digitalização das empresas. o que também tem um grande impacto nos negócios das empresas.

A pandemia veio acelerar a digitalização e conectividade das empresas através de alterações que se traduzem em tendências tecnológicas como os pagamentos digitais ou o trabalho remoto”, afirma.

A Cachapuz apresenta soluções logísticas inteligentes que assentam sobre uma plataforma de software e automação. Uma solução que monitoriza todos os passos da operação do desempenho da própria fabrica e que aposta na integração, uma vez que pretende ser uma solução vertical às unidades industriais e fornece um conjunto de ferramentas de análises operacionais.

Esta solução tem como base quatro vetores: o tempo, o custo, a automatização dos serviço e a segurança. Trabalhamos no sentido da conetividade e da partilha de dados entre todos os intervenientes da cadeia de abastecimento”, afirma Cândido Martins.

Para que os desafios de logística sejam bem sucedidos, a Cachapuz acredita que é importante fazer uma recolha de dados, armazená-los em plataformas cloud, distribuí-los e conceder acesso aos diferentes intervenientes.

A nossa visão passa por recentrar toda a operação na fábrica visto que estamos a digitalizar unidades indústrias, utilizando tecnologias como o IoT, Big Data ou AI, de forma a criar uma cadeia logística resiliente. Trabalhamos para que os dados que são disponibilizados possam ser analisados de uma forma corporativa e agregada”, garante.

Já numa perspetiva uma pouco diferente, Miguel Serrano, responsável pela engenharia de dados da Dott, explica que “o nosso ecossistema de dados é algo complexo”.

Tendo pouco mais de um ano de existência, a Dott ainda é uma start-up, o que faz com que tenham de alavancar serviços fornecidos por terceiros e acabem por ter dados espalhados por diversos fornecedores.

Um desafio que tentamos solucionar através do uso de uma framework de gestão de workflows: a Workflow”, explica Miguel Serrano.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.