Nações assinam declaração para garantir Internet democrática e livre

A Declaration for the Future of the Internet foi assinada por mais de 60 países, que não incluem a Rússia ou a China

Nações assinam declaração para garantir Internet democrática e livre

Mais de 60 nações assinaram a Declaration for the Future of the Internet, tendo em vista a salvaguarda de uma Internet livre e aberta, sustentada pelos valores democráticos. Procura proteger os direitos humanos, promover o livre fluxo de informação, proteger a privacidade dos utilizadores e estabelecer regras para uma economia digital global em crescimento.

A declaração representa um compromisso político entre os signatários "para promover uma visão positiva para a Internet e para as tecnologias digitais”. Assim, “reafirma e volta a comprometer os seus parceiros com uma Internet global única, que é verdadeiramente aberta e fomenta a concorrência, a privacidade e o respeito pelos direitos humanos".

Entre as nações envolvidas estão presentes os EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Finlândia, Suécia, Taiwan, Japão, Países Baixos e Ucrânia, e, ainda, a União Europeia. Entre os signatários, foi de notar a ausência da Rússia ou da China, num momento em que a Rússia avança sobre o território ucraniano, com ciberataques direcionados ao país. 

A declaração política surge como uma versão modificada dos esforços que a Casa Branca desenvolveu no ano passado para criar uma coligação centrada nesta visão da Internet. O compromisso refere que a Internet oferece "oportunidades sem precedentes para as pessoas em todo o mundo se conectarem e se expressarem, e continuar a transformar a economia global, permitindo oportunidades económicas para milhares de milhões de pessoas".

Contudo, nota, também, que cria sérios desafios políticos pelo que “estamos a assistir a uma tendência crescente de autoritarismo digital em que alguns Estados agem para reprimir a liberdade de expressão, censurar sites de notícias independentes, interferir nas eleições, promover a desinformação e negar aos seus cidadãos outros direitos humanos".

A declaração inclui compromissos como a proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais de todos; a promoção de uma Internet global que avance o livre fluxo de informação; promover uma conetividade inclusiva e acessível para que todas as pessoas possam beneficiar da economia digital; a promoção da confiança no ecossistema digital global, incluindo através da proteção da privacidade; e a proteção e reforço de uma abordagem de governação que mantém a Internet a funcionar em benefício de todos.

No âmbito da declaração, Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirmou que “a Internet aproximou a humanidade como nunca na história. Hoje, pela primeira vez, países em todo o mundo que pensam da mesma forma estão a estabelecer uma visão partilhada para o futuro da Internet, para garantir que os valores que mantemos verdadeiros offline também sejam protegidos online, para tornar a Internet um lugar seguro e um espaço de confiança para todos, e para garantir que a Internet serve a nossa liberdade individual. Porque o futuro da Internet é também o futuro da democracia, da humanidade”.

 

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 38 Julho 2022

IT INSIGHT Nº 38 Julho 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.