Competitividade europeia está vulnerável

De dez tecnologias transversais que se espalham pela maioria das indústrias, a Europa lidera em apenas duas

Competitividade europeia está vulnerável

A Europa tem muitas empresas de alto desempenho, mas, no geral, as suas empresas estão a crescer mais lentamente, gerando rendimentos mais baixos, e investindo menos em investigação e desenvolvimento (I&D) do que as suas homólogas americanas, em grande parte porque estão tecnologicamente atrasadas. Esta é uma das principais conclusões da nova investigação do McKinsey Global Institute (MGI), “Securing Europe's future beyond energy: Addressing its corporate and technology gap”, que indica que de dez tecnologias transversais que se espalham pela maioria das indústrias, a Europa lidera em apenas duas. 

À medida que a tecnologia se espalha pelos setores, determinando cada vez mais a dinâmica competitiva, os intervenientes europeus parecem cada vez mais vulneráveis, mesmo nos bastiões tradicionais como o setor automóvel, reflete o relatório. Se não for resolvida, a crise poderá prejudicar a Europa em muitas dimensões, incluindo o crescimento, inclusão e sustentabilidade, e a sua autonomia estratégica e voz no mundo.

"Os líderes europeus demonstraram grande determinação na sua resposta inicial em escala e velocidade à guerra na Ucrânia. Precisarão de construir a mesma dinâmica para enfrentar a crise empresarial e tecnológica da região e sustentar a prosperidade futura e a autonomia estratégica", afirma a Sven Smit, presidente do MGI.

Já Magnus Tyreman, managing partner da McKinsey na Europa, afirma que “há uma grande oportunidade e necessidade para a Europa enfrentar as suas lacunas de desempenho empresarial e inovação" e que “nas conversas com os CEO, há muito entusiasmo e empenho pela Europa, mas também uma preocupação crescente de que estamos a ficar para trás em algumas das áreas tecnológicas que irão moldar as nossas indústrias e sociedades para as próximas décadas".

O relatório indica que a Europa tem tido um forte historial de sustentabilidade e inclusão. Tem emissões de carbono per capita inferiores às dos Estados Unidos e da China, e as emissões estão a diminuir entre 30% a 50% mais rapidamente do que estas potências. A desigualdade de rendimentos, medida pelo índice de Gini, é de 30, em comparação com 41 nos EUA. Todos os dez países do topo do Índice de Mobilidade Social publicado pelo Fórum Económico Mundial são europeus. A Europa acompanhou o lento crescimento do PIB per capita de outras economias avançadas entre 2000 e 2019, mas o PIB per capita da Europa é cerca de 30% mais baixo do que o dos Estados Unidos. 

A Europa tem muitos pontos fortes sobre os quais pode trabalhar, comenta o McKinsey Global Institute. "Contudo, se as empresas quiserem jogar à escala e velocidade necessárias para competir num mundo em que a rutura tecnológica se está a disseminar por todo o lado, os decisores terão de reavaliar o status quo e fazer novos compromissos” afirma Duarte Braga, sócio senior e Office Manager dos escritórios da McKinsey na Península Ibérica. 

Mais, acrescenta que “um conjunto de iniciativas para os decisores privados e públicos que enfatiza a escala europeia e regras mais favoráveis à inovação poderia conseguir isso, ajudando-os a assegurar que a alta qualidade de vida atual para muitos dos cidadãos da Europa seja preservada a longo prazo".

Além disso, o relatório assevera que a competitividade futura da Europa está em risco devido a um grande e crescente desafio de desempenho empresarial. Entre 2014 e 2019, as grandes empresas europeias aumentaram as receitas 40% mais lentamente do que as suas congéneres nos Estados Unidos, investiram 8% menos (despesas de capital em relação ao stock de capital investido), e gastaram 40% menos em I&D do que as empresas americanas da amostra. As tecnologias de informação e comunicação (TIC) e os produtos farmacêuticos representam 80% da lacuna de investimento, 60% da lacuna de crescimento, e 75% da lacuna de I&D.

Mais, à medida que a tecnologia permeia todos os setores, a Europa está a ficar para trás em oito de dez tecnologias transversais. Dez tecnologias transversais estão a permear praticamente todas as indústrias, sete das quais ligadas às TIC. As dinâmicas e efeitos de rede das fortes empresas winner-take-most estão a espalhar-se. 

A Europa não acompanhou o ritmo dos Estados Unidos na onda tecnológica da Internet para o consumidor, e está agora numa posição enfraquecida em oito das dez tendências da próxima onda. Por exemplo, as dez maiores empresas a investir em computação quântica estão todas nos Estados Unidos ou na China. 

No 5G, a China capta quase 60% do financiamento externo, os Estados Unidos 27%, e a Europa 11%. A cleantech é considerada como um bastião europeu, e de facto a região continua à frente em patentes, financiamento de capital de risco, e capacidade instalada em tecnologias maduras. Mas a China lidera a produção de cleantech em quase todas as áreas, e os Estados Unidos lideram na maioria das tecnologias de ponta. Em termos de mobilidade, os fabricantes americanos representam cerca de 70% de todos os quilómetros feitos por veículos L4 totalmente autónomos.

Os riscos são elevados não só para o crescimento, mas também para a autonomia estratégica, diz o relatório. Nestas dez tecnologias transversais, o valor acrescentado corporativo de 2 a 4 biliões de euros por ano poderá estar em risco até 2040. Isto equivale a 30% a 70% do crescimento previsto do PIB europeu entre 2019 e 2040, ou um ponto percentual de crescimento por ano; seis vezes o montante necessário para atingir as zero emissões líquidas até 2050; ou cerca de 90% de todas as despesas sociais europeias atuais ou um rendimento mensal universal de 500 euros para cada cidadão europeu. Além disso, num ambiente geopolítico cada vez mais polarizado, a autonomia estratégica e a voz da Europa no mundo estão em jogo.

Os decisores e as empresas europeias precisam de entrar na ofensiva para uma mudança radical nas capacidades tecnológicas e na competitividade. A Europa precisa de jogar em maior escala e velocidade e nivelar o campo de jogo para que as suas empresas possam competir.  O McKinsey Global Institute aponta algumas ideias para os decisores públicos que poderiam ajudar neste sentido. Uma delas seria passar para as aquisições conjuntas em áreas relacionadas com a inovação, da defesa aos cuidados de saúde; atualmente, a Europa reúne apenas 0,2% do total das suas aquisições públicas a nível europeu, em comparação com 45% a nível federal dos EUA.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 37 maio 2022

IT INSIGHT Nº 37 maio 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.