Organizações apostam na resiliência digital

A IDC acredita que, para ter sucesso na economia digital, as abordagens de IT e resiliência empresarial devem ser fundidas numa nova abordagem chamada resiliência digital

Organizações apostam na resiliência digital

A COVID-19 mostrou que as organizações que investiram em tecnologias e ferramentas digitais têm sido mais resistentes. As empresas compreenderam o papel central das tecnologias digitais, não só na manutenção das operações em funcionamento, mas também na inovação e na aposta em novas necessidades, o que também acelerou a transformação digital de muitas organizações.

Os líderes empresariais necessitam de estar preparados para futuras crises. De acordo com um recente inquérito da IDC sobre o sentimento dos compradores de IT, esta é a prioridade máxima para cerca de 60% das organizações da UE em 2021.

Uma das principais lições aprendidas com a pandemia é que as abordagens tradicionais em relação ao risco informático e à recuperação das empresas não eram suficientemente boas, e muitas empresas não estavam devidamente preparadas para lidar com a crise.

Os executivos da empresa recorreram às tecnologias digitais para manter as operações, dinamizar rapidamente os seus negócios e capitalizar mudanças nas condições de mercado. E é por isso que a IDC acredita que, para ter sucesso na economia digital, as abordagens de IT e resiliência empresarial devem ser fundidas numa nova abordagem, a que a IDC chama de resiliência digital.

A resiliência digital é a capacidade de uma organização se adaptar rapidamente às perturbações do negócio, alavancando as capacidades digitais. Não só para restaurar as operações comerciais, mas também para crescer e capitalizar em condições alteradas. De acordo com a IDC, para sobreviver e prosperar na próxima normalidade, a resiliência digital deve ser alcançada dentro de cada uma destas seis dimensões organizacionais:

  • Liderança e organização. A gestão da empresa e do escritório CIO devem trabalhar em conjunto com o resto da organização, o que permitiria mitigar fraquezas em todas as dimensões, 
  • Pessoal. O objetivo é otimizar a experiência dos colaboradores em tempos de extrema incerteza, fomentando o envolvimento e produtividade dos colaboradores, bem como a retenção e embarque, competências e aprendizagem e saúde e bem-estar;
  • Clientes e ecossistemas. Inclui relações com clientes, fornecedores e parceiros. E como desenvolver, reter, renovar e otimizar estas relações numa crise;
  • Marca e reputação. Clientes, parceiros e fornecedores consideram a resposta de uma empresa a uma crise como uma medida da qualidade e integridade de uma organização. A confiança e reputação da marca de uma empresa é lentamente adquirida, mas rapidamente se perde;
  • Financeiro. Os recursos financeiros disponíveis determinam claramente a sua sobrevivência a curto prazo. Mas a resiliência financeira é mais do que isto. Também inclui a capacidade de uma organização aprender com o passado e prever potenciais ameaças financeiras futuras;
  • Operações. A resiliência operacional vai além do planeamento tradicional de continuidade de atividade. Utilizando técnicas de planeamento ágil e adaptativa para construir respostas incrementais a problemas operacionais devido a desafios internos e dinâmicas externas/ecossistemas.

Para tornar os líderes mais resilientes digitalmente, a IDC recomenda avaliar a sua situação e compará-la a situações homólogas. É importante apostar num mapa claro das áreas de melhoria e dos principais casos de utilização e investimentos tecnológicos que a organização terá de priorizar para progredir no roteiro e ser mais resiliente digitalmente. As empresas também precisam de se adaptar, antecipar cenários futuros, acelerar a inovação e criar novas oportunidades.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 30 março 2021

IT INSIGHT Nº 30 março 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.