Modernização de aplicações é o principal objetivo das organizações

As empresas estão focadas em ambientes cloud e de SaaS, incorporando estratégias relacionadas com o edge e procurando tecnologias de segurança e entrega de aplicações simples para implementar

Modernização de aplicações é o principal objetivo das organizações

A crise COVID-19 tem impulsionado os processos de transformação digital de organizações em todo o mundo, procurando melhorar a conectividade, reduzir a latência, garantir a segurança e alavancar a informação baseada em dados. De acordo com a sétima edição do Relatório de Estratégia do Estado de Aplicação 2021 (SOAS), elaborado pela F5, cada vez mais organizações modernizam e distribuíram aplicações mais próximas dos utilizadores, juntamente com as soluções de entrega de tecnologia e segurança que os suportam.

De acordo com o relatório F5, os processos de transformação digital são desenvolvidos em três fases diferentes: automação de tarefas, expansão digital e empresas assistidas por IA. Se as organizações estiveram focadas nas duas primeiras fases do ano passado, 2021 irá ser destacado pelo avanço na taxa de adoção de IA e ferramentas de machine learning. Desta forma, enquanto na edição de 2020 do relatório apenas 17% dos profissionais inquiridos afirmaram que a sua organização já tinha adotado soluções de inteligência artificial e machine learning, um ano depois, essa percentagem triplicou.

Ao mesmo tempo, outros 57% dizem que continuam a avançar na fase de expansão digital, o que significa um foco na automatização de processos empresariais, orquestração e fluxos de trabalho digitais, combinando aplicações díspares e usando APIs. 77% dizem estar a trabalhar para modernizar as suas aplicações internas e externas, um aumento de 133% em relação ao ano anterior.

As aplicações destinadas a melhorar a produtividade dos colaboradores e as que proporcionam uma excelente experiência ao cliente são uma prioridade neste processo de modernização. De um modo geral, 58% dizem que estão a adicionar uma camada de APIs para permitir interfaces de utilizador modernas; 51% estão a adicionar componentes de aplicação, como kubernetes; 47% estão a modificar o código da aplicação e 40% estão a mover-se para a cloud pública.

Uma grande maioria das organizações continuará a gerir aplicações e arquiteturas tradicionais e modernas. Esta expectativa é apoiada por 87% dos inquiridos, que dizem já estar a equilibrar ambos, o que significa um aumento de 11 pontos em relação a 2020. Quase metade de todas as organizações (48%) afirma que está a gerir pelo menos cinco arquiteturas diferentes. De acordo com o relatório, este nível de complexidade tem implicações importantes, não só em termos de ferramentas de IT, mas também na forma como a segurança e o desempenho das aplicações acolhidas em diferentes ambientes são assegurados.

A pandemia tem sido o principal fator de aceleração das implantações nos modelos publico e SaaS (49% e 46% dos inquiridos, respectivamente). Mais de dois terços (68%) já hospedaram algumas das suas tecnologias de entrega de aplicações em cloud e tecnologias de segurança. Ao mesmo tempo, as organizações posicionam-se para abordar a complexidade arquitetónica de adicionar soluções SaaS e Edge, ambientes multi-clouds e modernização de aplicações.

Por outro lado, 76% dos profissionais dizem ter implementado ou estão a planear implementações para o Edge, com melhor desempenho da aplicação e capacitação de recolha/análise de dados como principais impulsionadores. 39% acreditam que a computação no Edge será de importância estratégica nos próximos anos, e 15% já estão a acolher tecnologias de segurança e entrega de aplicações no Edge.

59% dos inquiridos acreditam que já têm as ferramentas necessárias para recolher dados sobre a saúde das suas aplicações. O que falta são conjuntos de competências relacionados com eles, bem como consensos sobre para que os dados devem ser usados, quando e por quem.

Esta situação faz com que 95% dos inquiridos digam que estão a perder informação sobre desempenho, segurança e disponibilidade das suas soluções de análise e monitorização existentes.

Os profissionais concordam que os dados recolhidos pelas suas ferramentas são usados principalmente para a resolução de incidentes. Preocupantemente, apenas 12% usam estes dados para reportar às unidades de negócio e menos de 24% para observar potenciais degradações de desempenho.

Conscientes da necessidade de melhorar, mais de 80% dos inquiridos dizem que os dados e a telemetria são "muito importantes" para os seus planos de segurança, e mais de metade está "ansiosa" por ver os impactos benéficos da IA. As organizações também apontam plataformas que combinam big data e machine learning (também conhecida como AIOps) como a segunda tendência mais estratégica nos próximos dois a cinco anos

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.