Maioria dos colaboradores estão preparados para uma mudança profissional

Estudo sobre transformação, competências e aprendizagem indica que 78% dos colaboradores estão preparados para considerar uma mudança profissional nas suas carreiras

Maioria dos colaboradores estão preparados para uma mudança profissional

A Cegoc divulgou os resultados do seu estudo internacional intitulado “Transformation, Skills and Learning” (Transformação, Competências e Aprendizagem). O estudo engloba 4.005 colaboradores e 377 Diretores e Gestores de RH ou Diretores e Gestores de Formação. Todos os inquiridos trabalham em organizações do setor privado e público com cinquenta ou mais colaboradores, em países como Portugal, França, Alemanha, Itália, Espanha, Singapura e Brasil.

Em comunicado, Catarina Correia, Head of Marketing & Communication da Cegoc, afirma que “vivemos tempos complexos, nos quais o tecido empresarial e, por inerência, os seus colaboradores, tem de se adaptar a circunstâncias totalmente inesperadas. Se a isto juntarmos a transformação digital que se verifica, bem como a mudança de mentalidade nos profissionais, para com a profissão e para com as organizações onde exercem as suas funções, temos uma conjuntura que exige especial atenção por parte dos gestores. Os resultados deste survey demonstram-no. Desde logo, verifica-se uma maior predisposição dos colaboradores em participar em ações de formação no interior das empresas. Mas também das equipas de recursos humanos em organizar ações que valorizem e extraiam o potencial das suas pessoas. Tudo isto, numa crescente personalização dos conteúdos, definidos de acordo com o perfil de cada um”.

As mudanças tecnológicas (mudanças nos sistemas de informação, na cibersegurança) e sociais (novas formas de trabalho, a transição ecológica) têm um grande impacto no desenvolvimento das competências dos colaboradores.

Quando questionados sobre os grandes desafios de transformação que terão o maior impacto no desenvolvimento das competências dos seus colaboradores nos próximos dois anos, os Diretores e Gestores de RH internacionais mencionam, sobretudo, a transformação digital (61%), as novas formas de trabalho (52%) e a cibersegurança (39%). Isto é consistente com o que a Cegoc está, atualmente, a observar entre os seus clientes, com um número crescente de projetos de TI (uma prova de que a transformação digital ainda não está completa em muitas organizações) e pedidos de formação ligados a mudanças nos métodos de trabalho (trabalho híbrido, aumento dos acordos de teletrabalho, métodos de trabalho ágeis etc.) Em Portugal, a evolução de sistemas de informação e Transformação Digital assume especial relevância, de acordo com 60% Diretores e Gestores de RH nacionais, ao encontro dos dados registados a nível internacional, cerca de 61%.

Perante estes grandes desafios de transformação, os Diretores e Gestores de RH parecem estar menos apreensivos do que anteriormente: segundo os mesmos, 20% dos postos de trabalho na sua organização estão em risco de se tornarem obsoletos nos próximos três anos. Isto representa uma diminuição de 25 pontos percentuais em relação a 2021. A razão para tal pode ser a experiência adquirida desde a crise na área da saúde: mudanças bem-sucedidas sob pressão têm demonstrado que as organizações têm capacidade de resistência e adaptação. Além disso, em alguns setores, os Diretores e Gestores de RH estão agora concentrados nas dificuldades de recrutamento, sendo o grande desafio atrair e reter talentos.

A transformação dos perfis das organizações é contínua, e o Planeamento Estratégico dos colaboradores continua a ser um grande desafio de RH em todo o mundo. Globalmente, esta tendência é vista mais como um criador (de empregos e novas profissões) do que como um destruidor (redução de efetivos, desaparecimento de certas profissões etc.).

Assim, os Diretores e Gestores de RH antecipam a criação de empregos (para 58%), a que se segue o aparecimento de novas profissões (54%), e, em menor grau, o desaparecimento de certas profissões (33%).  Esta observação global é confirmada pelo aumento de reskilling observado pela Cegoc especialmente em determinados setores empresariais (por exemplo, o comércio retalhista).

A fim de lidar com o impacto da mudança tecnológica nas áreas de negócio e competências da sua organização, o upskilling (aumento das competências na função que desempenha) continua a ser a principal alavanca que os Diretores e Gestores de RH planeiam utilizar (66%, uma redução de 6 pontos percentuais em relação a 2021). As abordagens de reskilling (desenvolvimento de competências com vista a mudança de funções) estão a ganhar terreno, conforme foi indicado por 60% dos Diretores e Gestores de RH (aumento de 10 pontos percentuais em relação a 2021).  Há um forte desejo por parte das organizações de aumentar a mobilidade interna. Talvez seja algo que também deva ser visto como uma alternativa às dificuldades crescentes em recrutar e reter talentos.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.