Organizações que tiram o máximo proveito da cloud ganham vantagem competitiva

Num novo estudo, a Accenture define as organizações que olham para a cloud como um modelo operativo para a inovação como Continuum Competitors

Organizações que tiram o máximo proveito da cloud ganham vantagem competitiva

Ever-ready for Every Opportunity: How to Unleash Competitiveness on the Cloud Continuum é o nome do novo relatório da Accenture que identifica um grupo de organizações que utilizam a cloud como um novo modelo operativo para reinventar continuamente os negócios, utilizando recursos inovadores da cloud, seja pública, privada ou edge, e maximizar o valor do negócio, além da economia de custos.

O inquérito, que conta com o testemunho de quatro mil executivos C-Suite, de organizações dos setores público e privado em todo o mundo, revela porque é que olhar para a cloud como uma migração única para um destino estático – essencialmente como um data center mais barato e eficiente – é limitativo. 

Em comunicado, a empresa explica que o foco apenas na redução de custos pode colocar as organizações em desvantagem competitiva, quando comparadas com aquelas que usam a cloud de forma estratégica nas suas formas dinâmicas, incluindo cloud pública, privada e edge. “A maioria das organizações implementa uma combinação de cloud pública, privada e edge, com pouca integração entre elas”, esclarece Vanda Gonçalves, Managing Director e responsável pela área de Cloud da Accenture em Portugal. 

A pesquisa revela que, embora as organizações planeiem migrar, em média, mais de dois terços das suas workloads para a cloud, nos próximos três a cinco anos, apenas metade estará a utilizar todo o potencial da nuvem nas suas várias formas para transformar o quotidiano das operações, realizar projetos de investigação e desenvolvimento ou modernizar aplicações para responderem às necessidades do negócio. 

“Como resultado, a inovação, os dados e as melhores práticas alcançadas em algumas áreas da organização não beneficiam o todo, impedindo assim a maximização de valor. No entanto, uma pequena percentagem das organizações está a posicionar-se para tirar o máximo valor possível da cloud, olhando-a como um ‘continuum’ de tecnologias que abrange diferentes locais e tipos de propriedade, com suporte dinâmico de 5G em cloud e redes definidas por software para oferecer suporte às necessidades, em constante mudança, dos seus negócios”, completa. 

A Accenture define as organizações que lideram o caminho na cloud como Continuum Competitors – que representam cerca de 12-15% dos inquiridos, dependendo da região – destacam-se por alargarem a experiência que tiveram com a cloud pública aos seus data centers privados e, dessa forma, transformarem as suas operações. Como resultado do envolvimento contínuo na cloud, obtêm ganhos substanciais e superam os concorrentes. Segundo o estudo, os Continuum estão também muito melhor posicionados no que se refere à sua capacidade de resistência a futuras situações de instabilidade.

A Accenture dá o exemplo da multinacional dinamarquesa Carlsberg, que além da poupança em custos operacionais, cita a liberdade de inovar e experimentar como uma das principais vantagens da cloud, permitindo-lhes lançar novas iniciativas e campanhas, em horas, em vez de meses. "A futura competitividade de uma empresa depende da escolha do tipo certo de cloud para as aplicações e serviços baseados na cloud – como inteligência artificial, contact centers inteligentes, edge computing, robótica, extended reality, entre outros – e da implementação de práticas avançadas, necessárias para alavancar essas tecnologias”, indica Vanda Gonçalves. “Ao usar estratégias de cloud-first, as organizações conseguem criar melhores experiências para o cliente, processos de negócio mais inteligentes e produtos mais sustentáveis”, acrescenta.

Ao contrário das organizações que se concentram na migração única para economia de custos e eficiência, os Continuum Competitors apresentam duas a três vezes maior probabilidade de inovar, automatizar e reprojetar o trabalho de investigação e desenvolvimento. Por outro lado, alcançam reduções de custos entre 2,7x (Europa) e 1,2x (América do Norte) maiores do que as organizações focadas principalmente na migração de dados.

Além disso, visam atingir mais objetivos operacionais e financeiros, incluindo a aumentar em até 50% os KPI de negócio, como o aumento de clientes e o lançamento no mercado mais rapidamente do que seus pares. Adicionalmente, têm uma probabilidade até três vezes maior de usar a cloud para atingir pelo menos dois objetivos de sustentabilidade, como a utilização de fontes de energia verdes, projetar para um menor consumo de energia e usar servidores de forma mais eficiente para reduzir o consumo de energia.

A Accenture explica quatro abordagens de cloud vencedoras e aplicáveis a qualquer organização:

  • Saber para onde pretende que o “continuum” o conduza. Uma organização deve primeiro desenvolver uma estratégia com uma visão que estabeleça claramente os seus valores centrais e as suas aspirações, que identifique vulnerabilidades competitivas e que classifique recursos que relacionem onde a empresa está hoje com as suas aspirações. Estas estratégias devem ser desenvolvidas tendo em conta a evolução constante dos recursos da cloud em todo o “continuum”.
  • Estabelecer práticas cloud que ofereçam suporte e ampliem tecnologias. As organizações devem combinar a adoção da tecnologia com práticas que tragam disciplina e que ajudem a mudar áreas não tecnológicas à luz dos avanços computacionais. Agilidade é a característica mais importante para se ser um Continuum Competitors pois inspira a utilização de aplicações cloud-first, a requalificação do talento, a experimentação de tecnologias de informação e de computação, entre outras áreas.
  • Acelerar a inovação para proporcionar experiências excecionais. Os Continuum Competitors priorizam os seus investimentos numa área: a experiência. Usam uma combinação de human-centered design e tecnologias baseadas na cloud, como edge computing, para repensar a experiência e levá-la a um envolvimento maior com os seus clientes, parceiros e colaboradores, impulsionando uma mentalidade de experiência em toda a organização, incluindo produtos e serviços, experiência dos colaboradores e modelos de entrega.
  • Oferecer um compromisso estratégico contínuo. A liderança necessita estabelecer objetivos de negócio, definir níveis de risco apropriados e promover uma cultura de agilidade e crescimento. As organizações também devem reconhecer a natureza partilhada do desafio: todos na organização precisam ser informados acerca do potencial, cada vez maior, da cloud  e das melhores práticas.
Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.