Apenas 13% dos colaboradores receberam formação em IA no último ano

Mais de 50% dos profissionais acreditam nos conhecimentos da inteligência artificial para a sua função, mas apenas um em cada dez recebeu formação sobre esta tecnologia no último ano, diz a Randstad

Apenas 13% dos colaboradores receberam formação em IA no último ano

Um estudo recente da Randstad, Workmonitor Pulse Survey, baseou-se nos testemunhos de mais de sete mil profissionais numa escala mundial e em informações de anúncios de emprego para pintar o cenário laboral atual, tendo em conta particularmente a integração da Inteligência Artificial (IA) no local de trabalho. Segundo a investigação, mais de metade dos inquiridos (52%) considera que a IA vai proporcionar melhores perspetivas de progressão de carreira.

Perto da maioria dos profissionais (47%) mostram-se entusiasmados com a implementação de IA nos seus setores e funções, sendo que 53% consideram que a IA tem um impacto nos seus locais de trabalho. Esta é uma posição mais comum do que a preocupação, manifestada por dois em cada cinco colaboradores (39%). 

“Percebemos que cada vez mais os empregadores procuram talento com competências em IA – a nossa própria análise dos anúncios de emprego revela um aumento de 2000% desde o primeiro trimestre”, destaca Isabel Roseiro, diretora de marketing e comunicação da Randstad Portugal. 
No entanto, a Randstad considera que existe uma lacuna na formação e desenvolvimento da IA: apenas um em cada dez trabalhadores (13%) receberam uma formação sobre esta tecnologia no último ano, apesar de 33% já utilizarem a IA nas suas funções quotidianas.

Mais de metade dos inquiridos (55%) têm consciência de que o futuro da sua carreira passa em parte pela aprendizagem e pelo desenvolvimento. A Randstad identificou também uma lacuna substancial entre a formação recebida e desejada pelos profissionais, sendo que 22% gostariam que lhes fosse oferecida formação em IA no próximo ano. Esta é a terceira oportunidade mais desejada, para além de competências de liderança (24%) e de bem-estar e mindfulness (23%). 

Quase 25% dos trabalhadores afirmam não ter recebido quaisquer oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento no último ano, um número superior quando os operários (41%) são considerados. 

“A IA mostra um impacto profundo na produtividade e no desempenho geral no local de trabalho. É, no entanto, fundamental que exista um equilíbrio entre as competências exigidas pelas empresas e desejadas pelos colaboradores, por um lado, e as oportunidades de formação oferecidas, por outro”, refere Roseiro. “A IA veio para ficar e os nossos dados revelam que os profissionais estão prontos para adotar esta tecnologia também para o seu próprio benefício. As organizações bem-sucedidas serão aquelas que aproveitarem as oportunidades da IA”.

A análise às diferenças geracionais, realizada pela Randstad, permitiu concluir que a geração Z classifica a aprendizagem e o desenvolvimento (23%) como o maior motivador não financeiro no trabalho, sendo que a remuneração continua a ser a principal razão. A flexibilidade no trabalho (18%) e a cultura da empresa (16%) são fatores igualmente valorizados pelos profissionais desta faixa etária.

Neste sentido, os profissionais mais jovens estão dispostos a tomar medidas se não estiverem satisfeitos a nível de formação. O estudo revela que 41% dos inquiridos optariam por abandonar o emprego se não lhes fossem oferecidas oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento nos 12 meses seguintes.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.