Para onde caminhamos em 2018?

Este será o ano em que continuaremos um caminho de externalização da prestação de serviços de IT

Para onde caminhamos em 2018?

De uma forma geral, o ano de 2018 será, em Portugal, o primeiro em que os orçamentos de IT foram pensados numa perspectiva de investimento e desenvolvimento de negócio e não numa perspectiva defensiva e de curto- -prazo, de mera optimização de custos, como aconteceu com a maioria das empresas portuguesas nos anos anteriores. É o que sentimos no diálogo com os nossos principais clientes. Apesar de não termos dados concretos, acreditamos que os orçamentos de IT crescerão, sobretudo no sector privado, em 2018.

Este será o ano em que continuaremos um caminho de aproximação face a outros mercados mais desenvolvidos, no sentido de externalizar a prestação de serviços de IT. O orçamento de IT para investimento on-premises e na aquisição e operação de infraestruturas e recursos próprios reduzir-se-á e, inversamente, o orçamento para a contratação de parceiros especializados de serviços e utilização de infraestruturas de cloud crescerá. Este é o sentido da eficiência e a única forma das empresas portuguesas, pequenas à escala europeia e mundial, conseguirem competir. Somos um país demasiado pequeno, com empresas demasiado pequenas, com recursos humanos nas áreas da engenharia de TI altamente qualificados, mas escassos e bastante procurados, quer por multinacionais que estabelecem centros de operação em Portugal, quer por empresas estrangeiras, para onde os mesmos se deslocam.

O abandono da “posse” e a ênfase na “utilização” ágil é o principal obstáculo cultural que marca o nosso mercado. Embora o sector privado padeça ainda de algum atraso, é no sector público que a forma de contratação mais terá que sofrer alterações (ainda se privilegia a possa de infraestrutura, em vez de modelos mais ágeis promovidos pela Cloud). Mas a orientação à contratação pelo preço mais baixo – critério generalizado no sector público – não é garante de uma transição suave.

O modelo de relação entre um cliente e um fornecedor de serviços também evoluirá. Se na área de desenvolvimento aplicacional o desenvolvimento ágil já é uma realidade, na área das operações o modelo DevOps ainda não tem a tração necessária, por inadaptação dos fornecedores mais tradicionais de serviços, estabelecidos há mais tempo no mercado. Os fornecedores mais ágeis e novos fornecedores ganharão espaço, ao se adaptarem melhor a um modelo de parceria e partilha de responsabilidades, num mundo cloud.

Nos mercados regulados, o tratamento de dados e de aplicações está cada vez mais sujeito a regras exigentes de compliance, como é o caso do sector financeiro, para não falar na generalidade dos sectores, pela aplicação do GDPR. Antevemos que as regras de compliance continuem a ser mais restritas e se estendam a outros sectores, como o da saúde. Vivemos num novo mundo de dados e a forma como lidamos com os mesmos tem que mudar, nos sectores mais sensíveis. 2018 será ainda o ano da ciber-segurança, o primeiro em que este tema consta da lista de principais preocupações da maioria das empresas e nas quais efetivamente arrancam os primeiros projectos.

Por um lado, na Cloud a segurança já não é o principal obstáculo à adopção (é a cultura de posse), por outro lado a ciber-segurança é transversal às TI, independentemente do modelo das plataformas escolhidas. O lock-in na Cloud tem condições para deixar de ser uma preocupação, devido à utilização de soluções de containerização e de orquestração e automação. Ir para a Cloud Pública já não significa um casamento para a vida com o fornecedor de infraestruturas em questão, tal como significava (e significa) o licenciamento de software tradicional. Em paralelo à externalização, para melhor utilização dos recursos e melhores economias de escala, a eficiência tem que ser ganha também pela via da automação.

Num mundo cada vez mais DevOps a automação não é uma opção, mas uma exigência e a melhor forma de obtenção de valor, sem mais consumo, sem mais gastos. Tal requer, no entanto, investimento estratégico, que tem que ser previsto pelas empresas. O machine learning e a cada vez maior utilização de inteligência artificial vão criar ainda maior valor, em cima da automação de processos e da análise integrada de dados (big data), mas estas tendências só poderão ser seguidas, se as bases do IT estiverem sólidas, o que não é ainda a realidade da maioria das empresas em Portugal, pelas razões culturais apontadas e pela gestão “financeira” do IT nos últimos anos, em Portugal, fase que agora temos melhores condições para ultrapassar.

 

O autor não escreve ao abrigo do novo acordo ortográfico

 

 

Branded Content

Artigo produzido por MediaNext para Claranet

 

 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 14 Julho 2018

IT INSIGHT Nº 14 Julho 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.