Indústria 4.0: a gestão como palavra-chave

O “Morning Insights on Industry 4.0” foi organizado pela DSPA com a colaboração do SAS e da Closer. Tendo como objetivo “a desmistificação do tema” da Indústria 4.0 através do debate e da apresentação de casos de estudo, o encontro dirigiu-se a profissionais C-Level e Cross Industry, mais especificamente aos diretores de fábricas, responsáveis de produção, planeamento, supply chain, qualidade ou manutenção

Indústria 4.0: a gestão como palavra-chave

Jorge Portugal, General Manager da COTEC Portugal, foi o primeiro orador convidado a subir ao palco, refletindo sobre “O que a Decisão Automática pode e (ainda) não pode fazer pelo negócio”. Partindo da premissa que o objetivo dos negócios hoje deve ser “fundamentalmente reduzir o custo da previsão”, Jorge Portugal crê que “melhorar a decisão automática é o aspeto mais importante” da transformação trazida pela quarta revolução industrial.

Na indústria 4.0 “a velocidade é essencial”, diz, e há certos projetos em que um processo bem sucedido pressupõe que “não pode haver interação humana” - no processo de distribuição da Amazon, por exemplo -, e “mudar toda a cadeia de fornecimento”, adaptando-se aos novos modelos analíticos e preditivos, é um objetivo a cumprir.

Mas existem desafios difíceis de contornar – da logística à ética. A rotulação de dados é um dos problemas, sendo que “90% dos algoritmos” são desta natureza, e ainda não são perfeitos, podendo revelar-se errados e até mesmo preconceituosos – junta-se aqui também o desafio social e político. “Vamos assistir a uma necessidade de certificar algoritmos”, assinalou o General Manager da COTEC, que acredita que à semelhança de outros organismos regulatórios poderá haver uma entidade certificadora dos mesmos.

Por outro lado, o Regulamento Geral de Proteção de Dados, e em especial o artigo 22, diretriz das “decisões individuais automatizadas”, é encarado por muitos como “o principal obstáculo na Europa para a progressão” de tecnologias preditivas, afirma Jorge Portugal.

O responsável resume, no entanto, que o obstáculo, de uma forma holística, “é um problema de gestão”, mais do que um problema técnico. Já que “não vai haver ninguém que fique de fora desta transformação”, o importante é pensar a gestão incluindo “balizas jurídicas” e outras que se atravessem no caminho da transformação digital e da automatização plena dos processos industriais.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 22 novembro 2019

IT INSIGHT Nº 22 novembro 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.