Maioria das empresas contempla sustentabilidade na política de viagens

Dados de um estudo indicam que 99% das empresas quer apostar na sustentabilidade, mas só 36% dispõe de um departamento dedicado à implementação

Maioria das empresas contempla sustentabilidade na política de viagens

Embora 99% das empresas pretendam contemplar a sustentabilidade na sua política de viagens corporativas, apenas 36% dispõe, internamente, de um departamento que se dedique a encontrar soluções para tornar as deslocações mais amigas do ambiente. Os dados são de um estudo da SAP Concur realizado na EMEA, entre fevereiro e março, junto de 700 decisores.

As viagens de negócios voltaram a estar nas agendas das empresas, para registos pré-pandemia, com 83% das organizações a recuperar, nas viagens domésticas, e 63% nas viagens internacionais. Outra conclusão do estudo, é o facto da sustentabilidade, nos programas de viagens corporativas, ser uma prioridade para os decisores - apenas 1% dos entrevistados não tem intenção de considerar o tema. 

Contudo, e à medida que as organizações procuram alinhar-se com os objetivos da ONU 2030, a maioria assume ter dificuldades para se tornar “mais verde” – apenas 36% têm uma função dedicada, como seja um diretor de sustentabilidade ou similar. Esta realidade faz com que seja colocada a seguinte questão no seio empresarial (mas não só): “quem deverá ser o responsável para implementar iniciativas mais verdes no que às viagens corporativas diz respeito?”. Além disso, o estudo revelou que apenas 10% tem uma equipa dedicada à sustentabilidade, no seu todo, no seio da organização.

Os decisores estão cientes de que este tópico deve ser uma prioridade - 69% acredita que a sua política de viagens tem de ser melhorada, mas sabem que enfrentam desafios para a sua concretização. Mais de um terço (37%) refere a falta de orçamento como barreira para o desenvolvimento de um colaborador com uma postura mais sustentável no que às suas viagens de negócio diz respeito – referem sentir falta de envolvimento por parte dos mesmos.

João Carvalho, Head of SAP Concur Southern Europe and Africa, salienta que, “embora reduzir a pegada de carbono ou tornar-se neutro em carbono seja a principal preocupação de muitas empresas, ao dia de hoje, fica claro, e tendo por base as conclusões do estudo realizado, que muitas não sabem como incorporar a sustentabilidade nas suas viagens de negócios. À medida que aumenta a procura por índices mais altos de sustentabilidade, questões sobre a política de viagens corporativas em vigor são levantadas de forma mais premente, com mais frequência e por mais partes envolvidas, desde a administração e colaboradores, até a parceiros da cadeia de fornecedores entre outros. É por isso crucial que as organizações aloquem equipas dedicadas para desenvolvimento e implementação do tema da sustentabilidade de forma eficaz, mas, acima de tudo, que seja um programa contínuo com o objetivo de apoiar os colaboradores a fazerem escolhas mais ecológicas de viagens. Como? Entre outras iniciativas, apoiados pelas ferramentas certas para que tomem decisões conscientes”.

Uma vez que 44% dos entrevistados estão conscientes que devem apostar na mudança das suas políticas de sustentabilidade, mas não sabem como o executar, há sem dúvida uma clara necessidade de ferramentas tecnológicas que facilitem a medição e a implementação de programas de viagens corporativas mais sustentáveis. Enquanto, 46% já possui ferramentas de software para oferecer apoio nas viagens corporativas, uns impressionantes 86% ainda não as considera.
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 39 Setembro 2022

IT INSIGHT Nº 39 Setembro 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.