Investimentos em edge computing vão alcançar os 232 mil milhões de dólares em 2024

Gastos combinados de empresas e fornecedores de serviços em hardware, software, serviços profissionais e serviços fornecidos para soluções de edge computing deverão assistir a um forte crescimento até 2027, com gastos de quase 350 mil milhões de dólares

Investimentos em edge computing vão alcançar os 232 mil milhões de dólares em 2024
 

Os gastos mundiais com edge computing deverão atingir os 232 mil milhões de dólares em 2024, um valor que representa um aumento de 15,4% em relação a 2023.

A previsão consta do guia de gastos da IDC, que aponta para um forte crescimento até 2027 ao nível dos gastos combinados de empresas e fornecedores de serviços em hardware, software, serviços profissionais e serviços fornecidos para soluções de edge computing. Os gastos deverão atingir quase 350 mil milhões de dólares.

O IDC Worldwide Edge Spending Guide quantifica o mercado da edge computing através da previsão dos gastos das empresas e dos fornecedores de serviços em 22 mercados tecnológicos, seis domínios tecnológicos, 19 setores empresariais e nove regiões geográficas. Esta versão do Edge SG também inclui mais de 500 use cases segmentados em vários setores e domínios.

Dave McCarthy, research vice president, Cloud and Edge Services da IDC, defende que o “edge computing desempenhará um papel crucial na implantação de aplicações de IA”.

Em 19 setores empresariais, os segmentos da IDC superam os gastos com TIC para mais de 500 use cases corporativos em seis domínios: No setor dos fornecedores de serviços, os investimentos para a prestação de serviços edge baseiam-se nas despesas com infraestruturas para edge computing de multiacesso, redes de fornecimento de conteúdos e funções de rede virtual. Combinados, estes três use cases serão responsáveis por quase 22% de todos os gastos com edge este ano.

Entre as empresas, incluindo o setor público, os use cases de utilização de edge com grandes investimentos até 2027 incluem a manutenção aumentada, a gestão de ativos de produção, o fornecimento e logística alavancados por IA, os sistemas de diagnóstico e tratamento, a resiliência de supply chain, a monitorização remota de pacientes a partir de casa e o marketing contextualizado na loja.

As áreas de produção mineira, de conceção e gestão de locais (construção), de inspeção de condutas (serviços públicos) e de consultoria de compras especializada (retalho) são alguns dos exemplos de use cases de edge que deverão registar um crescimento mais rápido das despesas durante o período compreendido entre 2022 e 2027. 

“Os investimentos das empresas continuaram a deslocar-se nos últimos 24 meses para a expansão das infraestruturas e implementações de raiz. As empresas estão a agir de acordo com os planos para criar capacidades de infraestrutura de computação local mais robustas. E, no meio de tudo isso, novos serviços e produtos voltados para o cliente e a habilitação de novos processos de negócios são os principais impulsionadores das empresas”, revelou Marcus Torchia, research vice president, Data & Analytics na IDC. 

Marcus Torchia destaca, no entretanto, que as empresas “estão a procurar racionalizar os gastos totais com fornecedores de serviços. Isto cria um mercado dinâmico de ofertas de edge, baseadas em CapEx e OpEx, competindo por dólares de investimento até 2027”.

No caso dos utilizadores finais, a maior parte dos investimentos em soluções edge serão ao nível da dimensão dos processos de fabrico, seguindo-se as indústrias de retalho e de serviços profissionais.

De acordo com a IDC, os 19 setores empresariais analisados deverão registar taxas de crescimento anual compostas de cinco anos durante o período de previsão. Só o segmento de fornecedores de serviços deverá registar a maior taxa de 19,1%.

A maior quota de investimento continuará a ter origem no hardware, com cerca de 40% das despesas totais, para desenvolver capacidades de edge, especialmente impulsionadas pela infraestrutura dos fornecedores de serviços. As despesas com hardware serão impulsionadas por investimentos em gateways de edge, servidores e equipamento de rede. 

Durante o período de previsão, a adoção de serviços fornecidos pelas empresas irá aumentar, ultrapassando pela primeira vez a quota de hardware em 2026. 

A conetividade e o IaaS representarão as categorias de maior quota e de crescimento mais rápido, respetivamente. O software on-premises será um componente crítico da infraestrutura edge, mas continuará a ser a categoria com menores gastos em termos de despesas globais.

A América do Norte será responsável por 40% da quota total mundial de despesas, seguindo-se a Europa Ocidental e a China.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.