Estudo revela que 82% dos colaboradores devem voltar ao escritório entre 12 e 18 meses

O estudo “Future of Work”, realizado pela Xerox, revela quais as prioridades no pós-COVID-19 para garantir um ambiente de trabalho flexível

Estudo revela que 82% dos colaboradores devem voltar ao escritório entre 12 e 18 meses

A Xerox Corporation publicou os resultados de uma pesquisa de mercado onde revela que 82% da força de trabalho prevê, em média, regressar ao local de trabalho entre 12 a 18 meses. Outro dado muito relevante é que 34% dos decisores de IT estão a desenhar projetos para acelerar a transformação digital das organizações, reforçando a convicção de que é geralmente nos momentos de maiores desafios que as empresas operam as maiores transformações. O que não estava previsto era que a força impulsionadora dessa mudança fosse a maior pandemia da era moderna.  

Ainda e segundo este estudo recente, não é de todo surpreendente que na preparação para o regresso ao local de trabalho tradicional, as empresas estejam a investir em novos recursos e ferramentas para suportar uma força de trabalho que passará a ser híbrida e que estará num misto de trabalho remoto e no escritório. Os dados recolhidos apontam para que exista um aumento de 56% nos orçamentos de tecnologia como resultado da situação causada pela Pandemia do COVID-19. 

"Future of Work", estudo da Xerox, foi realizado pela empresa de pesquisa independente Vanson Bourne, e entrevistou 600 decisores de IT nos EUA, Canadá, Reino Unido, Alemanha e França, em organizações com pelo menos 500 funcionários. Os entrevistados relataram desafios causados pela súbita transição para o trabalho remoto, com 72% a confirmar que não estavam totalmente preparados do ponto de vista da tecnologia. Além da tecnologia (29%), os pontos mais negativos durante o período de teletrabalho, foram a quebra da comunicação entre equipas/colaboradores (26%) e a dificuldade em manter o foco (25%). 

"Embora não haja dúvida de que a pandemia da COVID-19 mudou a forma como trabalhamos, a nossa pesquisa descobriu que, com o tempo, muitas empresas pretendem ter a maioria dos colaboradores de volta ao ambiente de escritório. Isto porque consideram que existem vários benefícios, incluindo a melhoria da comunicação e maior velocidade na tomada de decisões", afirma José Esfola, Diretor Geral da Xerox Portugal. "Ao mesmo tempo, a saída repentina do local de trabalho físico e a passagem para o teletrabalho expuseram lacunas tecnológicas que exigem investimentos novos ou adicionais nos próximos meses".

 "Future of Work" 

As empresas planeiam voltar a ter a maioria dos colaboradores no escritório, embora as políticas de teletrabalho tenham vindo para ficar 

33% dos entrevistados afirmaram que antes da imposição do trabalho em casa, a segurança e a privacidade da rede/dados eram a maior preocupação com uma força de trabalho remota e 24% indicaram ser a produtividade dos colaboradores que os preocupava. Para 16% o maior desafio era a infraestrutura tecnológica. 

Essas preocupações, juntamente com a crença de 95% dos entrevistados de que a comunicação pessoal é importante para o desenvolvimento pessoal e para o desenvolvimento de talentos, a generalidade dos entrevistados acredita que o trabalho remoto generalizado não substituirá o trabalho realizado no local de trabalho mais tradicional. 

No entanto, agora que as empresas estão mais à vontade com o trabalho remoto, as atitudes e políticas dos decisores de TI estão a mudar, com 58% a planear mudar as políticas de teletrabalho e programando desde já a necessidade de apoiarem uma força de trabalho híbrida (num misto de teletrabalho e de trabalho no escritório). 

A rápida transição para teletrabalho foi difícil para a maioria das empresas, com apenas 28% a confirmarem que estavam totalmente preparadas e 29% a indicar que a tecnologia foi ou ainda é o seu maior desafio. 

Mas existiram mais dificuldades. 35% dos entrevistados afirmaram que os seus principais desafios foram o suporte remoto de TI, 26% indicaram que a dificuldade maior foi ter as soluções inadequadas de fluxo de trabalho, 22% apontaram não ter as ferramentas de comunicação e colaboração necessárias e 10% concluíram que não ter soluções baseadas na cloud impossibilitaram o acesso à informação e o trabalho colaborativo.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.