Apple, Google e Meta são alvo das primeiras investigações do Digital Markets Act da UE

A Apple, a Google e a Meta Platforms vão ser investigadas por alegadamente violar o Digital Markets Act da União Europeia, em vigor desde 7 de março

Apple, Google e Meta são alvo das primeiras investigações do Digital Markets Act da UE

A Apple, a Google da Alphabet e a Meta Platforms serão investigadas por alegadas violações do Digital Markets Act (DMA) – a Lei de Mercados Digitais da União Europeia (UE) –, podendo resultar em multas de até 10% da faturação anual global das empresas, revelaram reguladores antitrust europeus.

Em vigor desde 7 de março, o DMA tem como objetivo desafiar o poder das grandes empresas tecnológicas, com vista a facilitar a movimentação dos utilizadores entre serviços online concorrentes, como plataformas de redes sociais, navegadores de Internet e lojas de aplicações. Desta forma, a União Europeia visa abrir espaço para a concorrência das empresas mais pequenas.

Também os reguladores antitrust dos Estados Unidos estão a enfrentar as Big Tech por alegadas práticas anticompetitivas, podendo até levar à dissolução de empresas.

As empresas tecnológicas dizem que mobilizaram milhares de engenheiros para atender às exigências da lei, que prevê que os seis “gatekeepers” – Amazon, Apple, Google, Meta, Microsoft e ByteDance, proprietária do TikTok – devem oferecer mais opções aos utilizador e rivais. No entanto, a Comissão Europeia suspeita que as medidas tomadas estão aquém do cumprimento efetivo do DMA.

Como resposta a uma questão sobre se a Comissão está a apressar o processo após a recente entrada em vigor da lei, o chefe da indústria da UE, Thierry Breton, frisou que as investigações não deveriam ser uma surpresa. “A lei é a lei. Não podemos simplesmente ficar sentados e esperar”, disse.

Uma das questões em causa é se a Apple cumpre efetivamente as obrigações de possibilitar aos utilizadores uma fácil desinstalação de aplicações de software no seu sistema operacional iOS, bem como a alteração das configurações padrão no iOS e o acesso a ecrãs de escolha que lhes permitam mudar para um navegador ou mecanismo de busca rival em iPhones.

Os reguladores europeus estão também preocupados com se a empresa impõe limitações que impedem os developers de aplicações de informar os utilizadores sobre ofertas fora da sua App Store gratuitamente.

A Apple está confiante de que o seu plano está em compliance com o DMA e afirma que demonstrou recetividade à Comissão e aos developers durante todo o processo, sublinhando que incorporou o seu feedback nas suas alterações.

Além disto, a investigação recairá sobre a atividade da Alphabet, nomeadamente sobre se favorece os seus motores de busca verticais, como o Google Shopping, o Google Flights e o Google Hotels, em detrimento dos rivais. A empresa será ainda investigada sobre a alegada discriminação de serviços de terceiros nos resultados de pesquisa do Google.

A Comissão destacou ainda as estruturas de taxas da Apple e da Alphabet, considerando que estas vão contra a “gratuidade” imposta pelo DMA. Recentemente, ambas as empresas tecnológicas introduziram novas taxas para alguns serviços.

Segundo Thierry Breton, a Meta deveria oferecer opções alternativas gratuitas, sendo que, em novembro, a empresa introduziu um serviço de assinatura sem anúncios na Europa que gerou críticas de rivais e utilizadores.

Um porta-voz da Meta enfatizou que a empresa está a esforçar-se para cumprir as orientações da lei. “As assinaturas como alternativa à publicidade são um modelo de negócios bem estabelecido em muitos setores, e projetamos a Assinatura sem anúncios para atender a várias obrigações regulatórias sobrepostas, incluindo o DMA”, disse.

A Google, por sua vez, afirma que implementou mudanças significativas nos seus serviços e defenderá a sua abordagem nos próximos meses.

A Comissão está também a tomar medidas para investigar a nova estrutura de taxas da Apple para lojas de aplicações alternativas, assim como as práticas de classificação da Amazon no seu mercado.

A Amazon está em compliance com o Digital Markets Act e envolveu-se de forma construtiva com a Comissão Europeia nos nossos planos desde a designação de dois dos nossos serviços”, garante um porta-voz da Amazon. “Continuamos a trabalhar arduamente todos os dias para satisfazer todos os elevados padrões dos nossos clientes no contexto do ambiente regulamentar em constante mudança da Europa”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.