O edge vai engolir a cloud

O cloud computing está a engolir os data centers empresariais, à medida que cada vez mais workloads nascem na cloud

O edge vai engolir a cloud

Alguns workloads estão até a mover-se para a cloud. Porém, existe outra tendência que deverá alterar as cargas de trabalho, dados e processamento e o valor do negócio de forma significativa e a transportá-las para longe da cloud. O edge vai engolir a cloud. E isto é, provavelmente, tão importante quanto o cloud computing alguma vez foi.

Existem diversas tendências sobrepostas que estão agora a colidir: (1) o cloud computing, a centralização do IT para economias de escala massivas e aprovisionamento, volatilidade e crescimento ágeis; (2) a Internet of Things (IoT), onde as coisas se estão a conetar entre si e a enviar grandes volumes de dados; (3) machine learning, que está a melhorar o processamento de todo os dados e as previsões; (4) realidade aumentada e mista (juntamente com a realidade virtual), pela qual as pessoas podem interagir com outras pessoas e objetos tanto em mundos físicos como virtuais; e (5) Digital Business e Digital World, onde as conexões entre coisas e pessoas nos impulsionam para interações e decisões cada vez mais em tempo real.

A agilidade do cloud computing é ótima – mas não é suficiente. Centralização massiva, economias de escala, self-service e automação completa cumprem quase todos os requisitos, mas não ultrapassam a barreira física – o peso dos dados. À medida que as pessoas necessitam de interagir com as suas realidades digitais em tempo real, esperar pela resposta de um data center que está a quilómetros e quilómetros de distância não será viável.

A latência importa. Neste momento estou aqui e, em segundos, desapareço. Exibam o anúncio certo antes de eu desviar o olhar, destaquem uma loja que eu estava à procura enquanto conduzo, informem-me que um colega está a dirigir-se na minha direção, ajudem o meu carro autónomo a evitar outros carros em interceções confusas. E façam-no agora. Uma coisa é ter um processamento local, junto a um conjunto de dispositivos fixos. O cenário é diferente quando essas ‘coisas’ estão em constante movimento, e talvez até a aparecer – digitalmente – num local.

Claro que o os agentes de software poderiam ser enviados para qualquer local no edge para lidar com determinado evento, facultar informação ou interagir com pessoas e coisas localmente. Tudo isto requer poder de processamento e armazenamento, e muito, além de ferramentas de análise de dados e de ferramentas para “empurrar” o software e os dados para o edge.

 

O Edge necessitará de uma força extra

Os providers de cloud computing são muito bons a gerir os seus data centers escaláveis, padronizados e centralizados, e a controlar software. Mas as tecnologias para o edge serão completamente diferentes, muito mais dinâmicas, muito mais evolucionárias e competitivas.

Os providers de cloud estão a tentar aproximar-se e ganhar controlo sobre o edge antes deste arrancar. Os providers de cloud gostariam que o edge fosse, essencialmente, parte da cloud. E até poderá ser. Mas creio que é mais provável que o edge se suporte a si mesmo, conduzido mais pelos consumidores e pelas experiências dos consumidores do que pelas empresas. Será um workload completamente diferente.

O edge criará vencedores e perdedores, tanto no que diz respeito a vendors como a empresas. O edge não pode ser ignorado, pois poderá ser uma verdadeira vantagem competitiva. E no mundo físico, pelo menos, haverá terreno de que o edge se apropriará. A altura para delinear uma estratégia para o edge está para muito breve. Preste atenção, à medida que os óculos de realidade virtual começam a proliferar, que as apps de realidade mista para smartphones ganham tração (farão mais do que o Pokémon Go) e que aparece (talvez) o Google Glass II. Estas tecnologias impulsionarão a explosão do edge, brevemente.

Nos últimos anos, as empresas focaram-se no cloud computing, e desenvolveram estratégias para se “moverem para a cloud”, ou pelo menos para se “expandirem para a cloud”. Tem sido uma autoestrada com apenas um sentido. Aproxima-se uma curva apertada à esquerda, para onde necessitamos expandir a nossa forma de pensar – além da centralização e da cloud, e em direção ao processamento distribuído e à localização, à baixa latência e ao processamento em tempo real. A experiência do cliente não será simplesmente definida por uma experiência num website. A cloud terá o seu papel, mas o edge está a chegar, e chegará em grande.

 

Por Thomas J. Bittman, VP Distinguished Analyst, Gartner.

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 10 Novembro 2017

IT INSIGHT Nº 10 Novembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!