O que esperar da inteligência artificial em 2017 — 5 grandes previsões

O ano passado foi de grandes avanços em inteligência artificial e machine learning. Mas 2017 poderá trazer ainda mais. Eis cinco elementos-chave a ter em conta

O que esperar da inteligência artificial em 2017 — 5 grandes previsões

Reforço positivo

A vitória histórica da AlphaGo, o software de inteligência artificial desenvolvido pela Google, contra um dos maiores jogadores de sempre do jogo de tabuleiro Go [inventado na China há mais de 2500 anos], Lee Sedol, foi um marco no campo da inteligência artificial (IA), em particular para a técnica conhecida como aprendizagem por reforço profundo. A aprendizagem por reforço profundo colhe inspiração na forma como os animais aprendem sobre o modo como determinados comportamentos tendem a ter um resultado positivo ou negativo.

Recorrendo a esta abordagem, um computador pode, por assim dizer, perceber como navegar num labirinto por tentativa e erro e, posteriormente, associar o resultado positivo – sair do labirinto – às ações que o levaram a tal. Isto permite que uma máquina aprenda sem instruções ou sequer exemplos explícitos. A ideia tem sido falada há décadas, mas a combinação com grandes e profundas redes neurais entrega o poder necessário para que funcionem em problemas realmente complexos (como o jogo Go). Através de experimentação contínua, bem como análise de jogos anteriores, o AlphaGo conseguiu aprender a jogar sozinho e com um elevado nível de perícia. Espera-se que o reforço de aprendizagem continue, agora, a provar ser útil em muitas situações reais.

As recentes simulações em diversos ambientes devem estimular o progresso dos algoritmos necessários a ampliar as capacidades que os computadores podem adquirir por esta via. Em 2017, devem registar-se tentativas de aplicar o reforço de aprendizagem a condução autónoma e robótica industrial. A Google já enalteceu ter recorrido a capacidades profundas de reforço de aprendizagem para tornar os seus data centers mais eficientes. A abordagem, porém, mantém-se experimental e ainda exige simulações morosas, pelo que será interessante observar como podem ser implementadas.

Redes neurais Em duelo

Numa recente reunião académica realizada em Barcelona, a conferência “Neural Information Processing Systems”, muita da agitação gerada deveu-se a uma nova técnica de machine learning, conhecida como “redes adversárias generativas”. Desenvolvidas por por Ian Goodfellow, as Generative Adversarial Networks (GANs) são sistemas que consistem em duas redes: uma que gera novos dados depois de aprender a partir de um training set e outra que tenta discriminar entre dados verdadeiros e falsos.

Ao trabalharem em conjunto, estas redes conseguem produzir dados sintéticos muito realistas. A abordagem pode ser utilizada para gerar cenários de videojogos, para eliminar o desfoque numa gravação de vídeo ou para aplicar mudanças estilísticas a designs gerados por computador. Yoshua Bengio, um dos principais especialistas mundiais em machine learning, apontou na referida conferência que a abordagem é particularmente entusiasmante para unlabeled data – algo que muitos acreditam que pode ser a chave para tornar os computadores muito mais inteligentes nos próximos anos.

O Boom da IA na China

Este também pode ser o ano em que a China começa a tornar-se num grande ator no campo da IA. A indústria tecnológica do país está a deixar de copiar as empresas ocidentais e já identificou a IA e o machine learning como as próximas grandes áreas de inovação. A principal empresa de motor de busca, a Baidu, tem um laboratório dedicado a IA há já algum tempo, e está a colher os benefícios em termos de melhorias tecnológicas, como o reconhecimento de voz e processamento de linguagem natural. Outros intervenientes estão agora a tentar acompanhar esta evolução. A Tencent, que disponibiliza uma aplicação móvel de mensagens e networking, a WeChat, inaugurou um laboratório de IA o ano passado e a empresa tem estado empenhada no recrutamento de talento. Didi, o gigante das viagens partilhadas que comprou as operações da Uber na China no início deste ano, também está a construir um laboratório e a trabalhar nos seus próprios carros autónomos. Os investidores chineses estão agora a apostar em startups de IA e o governo chinês assinalou o desejo de ver a indústria de IA do país a florescer, comprometendo-se a investir 15 mil milhões de dólares até 2018.

Aprender a linguagem

Basta perguntar a investigadores de AI qual a sua próxima grande meta e, muito provavelmente, a resposta será “a linguagem”. A esperança é a de que as técnicas que produziram evoluções espetaculares em reconhecimento de imagem e de voz, entre outras áreas, possam vir a ajudar os computadores a analisar e gerar linguagem mais eficazmente. Este é, desde há muito, um objetivo em inteligência artificial – a possibilidade dos computadores comunicarem e interagirem connosco pela linguagem. Uma melhor compreensão da mesma tornaria as máquinas bastante mais úteis. O desafio, porém, é tremendo, dada a complexidade, subtileza e poder da linguagem. Não espere, no entanto, manter uma conversa profunda com o seu smartphone nos próximos tempos. Certo é que há incursões impressionantes a acontecer e esperam-se avanços adicionais nesta área em 2017.

Reação ao hype

Em 2016, além de avanços genuínos e de novas e entusiasmantes aplicações, o hype em torno da AI elevou-se particularmente. Apesar de muitos acreditarem no valor subjacente às tecnologias que estão atualmente a ser desenvolvidas, é difícil escapar à sensação de que toda a agitação em torno da AI está a ficar um pouco fora de controlo, o que está a irritar ligeiramente os investigadores desta área. Um dos principais problemas é o facto de todo o hype conduzir inevitavelmente a uma sensação de desilusão se se verificar a não concretização dos grandes avanços, levando a que as startups falhem e a que os investimentos arrefeçam. Talvez 2017 inclua algum tipo de contra-resposta ao hype em torno da IA – e talvez isso não seja assim tão mau.
 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 12 Março 2018

IT INSIGHT Nº 12 Março 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!