30% das multinacionais serão afetadas pelo risco soberano digital não gerido até 2025

A Gartner destaca as três áreas principais afetadas pelo risco soberano digital e o que fazer para evitar perdas de receitas, danos à marca ou ações legais

30% das multinacionais serão afetadas pelo risco soberano digital não gerido até 2025

A Gartner apresentou as suas previsões sobre o impacto da soberania digital, revelando que 30% das multinacionais serão fortemente afetadas pelo risco soberano digital não gerido até 2025.

O vice-presidente analista da Gartner, Brian Prentice, afirma que, “nos últimos 30 anos, as multinacionais têm gerido operações de negócios tendo como pano de fundo a avaliação de riscos dos ambientes económicos e políticos dos países. Eles agora precisam de expandir o risco soberano para incluir o digital, a fim de evitar quaisquer consequências potenciais, à medida que ele se fragmenta cada vez mais ao longo das linhas nacionais e regionais”.

De acordo com a Gartner, o conceito de soberania digital remete para a capacidade de um governo realizar políticas sem a imposição de impedimentos pelas regulamentações digitais de países estrangeiros diretamente aos seus cidadãos e às empresas domiciliadas, incluindo aquelas que são exercidas através de gigantes digitais sob controlo regulatório.

Com a adoção de estratégias digitais soberanas por cada vez mais países, tem-se verificado o surgimento de “um conjunto complexo de obrigações regulamentares transjurisdicionais, restrições tarifárias, proibições de importação/exportação, protocolos tecnológicos específicos de cada país e requisitos de conteúdo local”, explica Prentice. “Dado o papel crítico do digital nas operações comerciais, os executivos devem compreender o risco soberano digital e o seu impacto nas condições empresariais”.

Neste contexto, a Gartner indica as três áreas principais que são afetadas pelo risco soberano digital e que deverão ser geridas para evitar potenciais perdas de receitas, danos à marca ou ações legais.

Em primeiro lugar, o número crescente de estratégias digitais soberanas poderá levar a fluxos de risco soberano digital para clientes multinacionais de fornecedores de tecnologia, explica a Gartner. Os setores e fornecedores de tecnologia estão a sofrer um aumento da concorrência entre as grandes potências, o que pode ter sido motivado pela pressão regulamentar crescente, pelas mudanças na política nacional e pelas respostas a acontecimentos geopolíticos súbitos. Um exemplo disto são as restrições a fornecedores de 5G como a Huawei ou a Nokia. 

Os fornecedores de tecnologia devem avaliar e mitigar de forma proativa o seu risco soberano digital, uma vez que poderá afetar significativamente as operações dos clientes multinacionais, de acordo com a Gartner.

Para além disto, também as iniciativas de produção digital serão prejudicadas sem uma localização eficaz. Desta forma, a Gartner recomenda às empresas digitais a implementação de medidas para a gestão do risco soberano digital associado a cada produto digital, fazendo a localização contínua dos produtos e adaptando-os às regulamentações e às preferências locais, incluindo o idioma e a cultura dos clientes num mercado específico. As diferenças em padrões tecnológicos nacionais, bem como protocolos e estruturas governamentais afetam igualmente as decisões que são tomadas no âmbito da produção de produtos digitais para múltiplos mercados.

A Gartner, por fim, indica que as empresas digitais serão apanhadas no meio da competição geopolítica digital. Para se destacarem no mercado digital e gerirem riscos geopolíticos, as empresas devem ter diretores de risco (CROs) que compreendam a tecnologia digital e as implicações dos fatores de risco soberanos digitais na sua organização, dada à crescente complexidade sobre esta matéria.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.