Mega Leak: Centenas de documentos confidenciais da sua organização encontrados na Deep & Dark Web

Este pode ser o título dos principais jornais quando acordar, num dia qualquer

Mega Leak: Centenas de documentos confidenciais da sua organização encontrados na Deep & Dark Web

Anos de investimento e construção da sua marca destruídos de um momento para o outro. Exposição das marcas dos seus parceiros que, serão certamente afetados. Chamadas telefónicas constantes dos seus clientes para perceber detalhes da violação de dados (data breach) e de que forma foram expostos. Os media a tentarem contactar porque pretendem fazer uma investigação mais a fundo. Começa a contagem decrescente para fazer a comunicação ao regulador. Investigadores de segurança começam a detetar as falhas e vulnerabilidades que existem no perímetro da organização: portas abertas, vulnerabilidades nos websites, certificados expirados, eventos, infeções com malware. O escândalo começa a tornar proporções incontroláveis.

E agora? O que fazer? Por onde começar? Vamos dar prioridade a fortalecer os sistemas no meio de uma catástrofe? Será que destruímos evidências se o fizermos? Como havemos de comunicar para minimizar os danos? A quem havemos de comunicar? Clientes, parceiros, colaboradores, autoridades? O impacto de uma comunicação não planeada pode agravar substancialmente a crise.

Podia ser ficção científica, mas não é. Está a acontecer todos os dias. Em organizações internacionais, mas também portuguesas. Como terão ido parar estes documentos confidenciais a domínios públicos? Terá sido um colaborador saído em litígio da organização e, mal-intencionado, a levar estes documentos e publicá-los? Terá sido malware (software malicioso) a roubar informação confidencial? Será que uma falha de segurança pode ter levado a uma intrusão de hackers fornecendo-lhes acesso aos sistemas da organização? Que mais informação terão levado? Que operações terão feito? Documentos repletos de informação confidencial encontrados em domínios públicos ou obscuros, listas de endereços de correio eletrónico (emails) profissionais ou os seus conteúdos prontos a ser abusados, credenciais expostas por quebras de segurança em sites de terceiros dando indícios de passwords corporativas, abusos e roubos de marca configurando verdadeiros ataques à organização para roubo de informação, perfis falsos de executivos criados em redes sociais para perpretação de fraudes, entre tantos outros.

Existe, de facto, uma panóplia de ciberameaças, encontradas fora do perímetro das organizações, com o potencial de poder afetar seriamente a reputação da marca, o negócio, os sistemas e a informação de qualquer organização. É neste ambiente altamente dinâmico, que opera a uma velocidade ímpar na história, que as organizações precisam de se preparar para os novos ciber-riscos.
Num mundo crescentemente digital, qualquer evento relevante dentro ou fora do perímetro de uma organização, é passível de - cada vez mais - provocar disrupção no seu negócio e marcas.

Uma estratégia de ciberdefesa para fazer face a estes novos desafios deve incluir todo o ecossistema de parceiros, assentando num equilíbrio entre tecnologias, pessoas e processos. É vital proteger os ativos - onde quer que estes estejam - com tecnologias de prevenção, mas cada vez mais de deteção de eventos passíveis de representar um risco, seja internamente como externamente (web, redes sociais e deep & dark Web). E é necessário fazê-lo de forma contínua. Há que educar os colaboradores para identificar os constantes ciberataques a que estão sujeitos diariamente, de modo a que sejam mais vigilantes e resilientes. São obrigatórios processos muito ágeis, que suportem todas as atividades de prevenção, deteção e mitigação.

Em caso de um data breach, porque é altamente provável que venha a acontecer, as organizações devem ter um plano de comunicação com os seus stakeholders: regulador, clientes, parceiros, colaboradores, entre outros. O que comunicar, quando comunicar, como comunicar e como priorizar? Em linha com a atual regulamentação europeia, mais concretamente o Regulamento Geral de Proteção de dados (RGPD), a entrar em vigor já em Maio, torna-se vital conhecer qualquer violação de dados que venha a existir, com a maior celeridade. Desta forma é possível não só a sua contenção, mas também a articulação com a autoridade de controlo, tal como previsto na legislação. Olhar para dentro, olhar para fora. Detetar, mitigar e aprender. Estar preparado para um data breach. Sempre em direção a uma organização mais resiliente e preparada para os novos desafios.

 

 

Branded Content

Artigo produzido por MediaNext para Claranet

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.