Arrefecimento líquido dos data centers potencia tecnologias emergentes

A Equinix identifica as duas principais abordagens ao arrefecimento líquido dos data centers: Air to Liquid e Liquid to Liquid

Arrefecimento líquido dos data centers potencia tecnologias emergentes

O arrefecimento líquido dos data centers está a revolucionar a dissipação da temperatura do hardware de alta performance e elevada densidade, que serve de suporte a tecnologias emergentes. Em particular, a Equinix destaca as principais abordagens a esta tecnologia – Air to Liquid e Liquid to Liquid.

Atualmente, as empresas têm a seu dispor um grande volume de dados, que se tornaram “a força vital e a moeda da economia digital”, segundo a Equinix. A isto acresce-se o advento de tecnologias poderosas como a Inteligência Artificial (IA) e o Machine Learning (ML), que permitem processar todos estes dados e produzir insights de relevância comercial.

Por esta razão, as organizações estão cada vez mais a implementar ferramentas de IA e ML nas suas estratégias empresariais, tendo como objetivo obter uma vantagem competitiva, visando a redução de custos, o crescimento dos negócios e a melhoria da eficiência, destaca a Equinix.

Com a sua capacidade de permutar calor de forma eficiente, o arrefecimento líquido suporta o desenvolvimento de data centers de alta densidade, em contraste com o arrefecimento a ar. A Gartner afirma que “o arrefecimento líquido permite conduzir cerca de 3.000 vezes mais calor do que o ar e requer o uso de menos energia, possibilitando aumentar a densidade dos data center”.

Neste sentido, a Equinix indica as duas abordagens principais no que diz respeito à tecnologia de arrefecimento líquido.

  • Air to Liquid: remete para uma combinação de arrefecimento através de um líquido e de ar. O permutador de calor, instalado na traseira dos bastidores, retira o ar quente dos servidores e fá-lo arrefecer através do contacto com um meio líquido, fazendo-o retornar, mais frio, aos bastidores, de acordo com a Equinix.
  • Liquid to Liquid: um fluído específico (água ou químico) é bombeado diretamente para uma placa de arrefecimento, que absorve o calor do chip e, em seguida, transporta-o para um permutador, onde é arrefecido, retornando ao circuito do chip. Segundo a Equinix, esta solução pode ser de dois tipos diferentes: de “Direct to Chip”, em que o líquido circula próximo dos componentes, dissipando o respetivo calor; ou de “Imersão”, onde os componentes estão submersos num líquido de arrefecimento, que remove rapidamente o calor gerado.
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.