Para a Oracle, o futuro do IT está na automação

A automatização do IT é um caminho sem retorno, na visão do gigante tecnológico, que anunciou aquela que diz ser a primeira base de dados autónoma do mundo, com níveis acrescidos de desempenho e a promessa de redução de custos.

Para a Oracle, o futuro do IT está na automação

Durante a apresentação da Oracle Autonomous Database aos media, Hugo Abreu, country manager da Oracle Portugal, realçou que “estamos na era das empresas inteligentes”, e que não se trata de uma mudança tecnológica, mas de "automatizar algo que o IT já faz manualmente". A nova base de dados já está disponível, e introduz funcionalidades de gestão, segurança e reparação autónomas para processos essenciais, como o patching, o tuning e as atualizações.                                    

Hugo Abreu, country manager da Oracle.

 

João Borrego, sales consulting senior manager na Oracle Portugal.

Os clientes da Oracle estão a demonstrar “grande interesse nos serviços cloud da Autonomous Database”, disse-nos João Borrego, sales consulting senior manager, pela possibilidade de “otimizar a execução das cargas de trabalho de base de dados de forma automatizada, quer do ponto de vista de performance e manutenção quer do ponto de vista de segurança”. A automação dos serviços cloud disponibilizados pela nova base de dados da Oracle tem o suporte de inteligência artificial “embebida”, frisou, dizendo que “as organizações conseguem executar as suas bases de dados com mais performance na cloud da Oracle, comparativamente com outra cloud ou on-premises”.

Tudo isto de forma mais segura, dado que as atualizações acontecem automaticamente. “Existe menos esforço de gestão porque o serviço é autónomo, ou seja, os nossos clientes conseguem ter uma eficiência em termos de custo que antes não conseguiam obter”.
Com a nova base de dados, a Oracle anunciou também novos serviços, nomeadamente a Oracle Autonomous Data Warehouse Cloud, que recorre a machine learning para uma utilização mais rápida, simples e elástica dos data warehouses. Como os ajustes e as otimizações não dependem de intervenção humana, o serviço não fica offline, o que significa que utilizadores empresariais não têm de enfrentar longas esperas para poder analisar os dados.

 

Nova oferta de serviços PaaS Autónomos

Tendo em vista o objetivo de dotar toda a sua oferta de Platform-as-a-Service (PaaS) de funcionalidades autónomas, a Oracle lançou ainda três novos serviços: Oracle Autonomous Analytics Cloud, Oracle Autonomous Integration Cloud e Oracle Autonomous Visual Builder Cloud. Dotados de tecnologia IA e algoritmos de machine learning, estes serviços PaaS automatizam e eliminam tarefas inerentes a análises preditivas, acelerando-as. A utilização de serviços PaaS de analítica, em Portugal, “ainda é relativamente recente”, diz João Borrego.  “Numa primeira fase, as funcionalidades de analytics afirmaram-se dentro de aplicações de negócio SaaS – ERP, CRM, RH. Mais recentemente, já vamos assistindo à adoção de plataformas analíticas autónomas, suportadas sob a forma de serviços PaaS”.


O sales manager realça que esta adoção tem, por norma, duas motivações: "Por necessidade de integração e consolidação de informação de múltiplas plataformas SaaS ou para criar laboratórios que permitam suportar exercícios de inovação e transformar dados em valor, numa lógica Big Data, onde a elasticidade e provisionamento da cloud são uma mais-valia.


Alguns clientes da Oracle estão também "a equacionar e a testar a adoção de serviços de plataforma analítica para evoluir os tradicionais sistemas de BI e analytics on-premises". Neste contexto, são muitas as empresas que consideram uma abordagem híbrida, “em que os repositórios de dados residem on-premises e a plataforma de analytics está alojada na cloud, com uma ligação segura entre dois ambientes”.


A tecnológica americana tem também a intenção de adicionar funcionalidades autónomas de gestão, de segurança e de recuperação/manutenção a todos os seus serviços PaaS, além de recursos autónomos específicos para cada área funcional. Neste mesmo contexto, e até ao final de 2018, a Oracle tem previsto disponibilizar mais serviços autónomos com especial foco nas soluções móveis e chatbots, na integração de dados, no blockchain, na segurança e gestão, bem como nas cargas de trabalho adicionais de bases de dados, incluindo OLTP.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 13 Maio 2018

IT INSIGHT Nº 13 Maio 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!