Media Partner

Democratizar o acesso aos dados, o novo petróleo difícil de analisar

O mundo está a caminhar para uma convergência de soluções e conceitos e a Noesis reuniu os seus clientes e parceiros para debater em que ponto está o Business Intelligence e para onde esta tecnologia a evoluir

Democratizar o acesso aos dados, o novo petróleo difícil de analisar

“Na era digital, estamos a levar o Data Analytics e a inteligência artificial ao próximo nível”. Foi com este mote que a Noesis realizou no final de novembro a segunda edição do Lisbon BI Forum em Lisboa.

Nuno Pacheco, diretor de Business Intelligence (BI) na Noesis, explicou aos presentes que um dos objetivos deste evento era o de ter um fórum onde fosse possível discutir ideias e conceitos novos, como inteligência artificial e robótica, assim como perceber para que direção os sistemas estão a caminhar.

A crescente importância dos dados para a tomada de decisão e o rápido desenvolvimento tecnológico neste ramo levou a uma adaptação da área de Business Intelligence da Noesis na direção de Data Analytics e Artificial Inteligence (AI). A identidade da consultora internacional passa pela constante adaptação da oferta e das competências às necessidades dos clientes e à evolução do mercado. Em Data Analytics & AI, conta já com uma equipa especializada e um portfólio de projetos de grande impacto para o dia-a-dia dos clientes.

No Lisbon BI Forum, a Noesis convidou os seus parceiros Qlik e Cloudera a aprofundar estes avanços tecnológicos na recolha, transformação e criação de dados, com o apoio de reputadas entidades como a IDC e a DSPA.

Nuno Pacheco deu ainda a conhecer os diferentes estágios da data journey que sustentam a visão Noesis para a área de Data Analytics & AI: desde a construção de uma arquitetura à criação e visualização de novos dados.

Ricardo Ramos, Principal Competitive Analyst na Qlik, apresentou a “terceira geração de BI”. Na visão da Qlik, todos os negócios estão a competir e a ganhar inteligência, seja sobre os seus consumidores, os seus fornecedores, os seus produtos ou os seus mercados. Ainda que a procura por essa inteligência tenha tido vários nomes, o desafio permaneceu sempre o mesmo: perceber como um negócio pode analisar dados, fazer descobertas e ter uma vantagem competitiva.

BI prepara-se para entrar na terceira geração. A primeira dessas gerações definia-se como centralizada; as primeiras abordagens a BI envolviam stacks complexos de tecnologias que analisavam vários sets de dados, geralmente geridos por uma equipa central dentro do departamento de TI.

O problema passava pelo tempo que demorava a ter essa análise: era necessário colocar a pergunta, esperar algumas semanas, e depois conseguia-se ter acesso a um relatório estático.

Na segunda geração de BI chegou-se ao descentralizado, onde o stack técnico foi eliminado, foram acrescentados métodos mais user-friendly e desenvolvido de uma maneira mais intuitiva.

Esta abordagem diferente difundiu os benefícios do BI de apenas alguns especialistas em TI para muitos utilizadores em toda a empresa. Com o tempo, evoluiu para um modelo cada vez mais intuitivo que permitia fazer descobertas em dados e visualizar esses mesmos dados de uma forma que todos pudessem entender e usar.

Num workshop conduzido pela equipa Noesis, os participantes do Lisbon BI Forum puderam experienciar em primeira mão esta descentralização e visualização em tempo real, através da ferramenta QlikSense.

 

Democratizar o acesso aos dados

A terceira geração explicada por Ricardo Ramos é a democratização. De acordo com a Qlik, é necessário preencher a lacuna entre o uso dispersivo de análises de hoje e o aumento maciço de valor que ocorrerá quando cada pessoa numa empresa tiver autonomia para fazer descobertas nos dados.

Renato Vieira, Solution Architect na Qlik, apresentou em termos práticos o que as soluções da Qlik podem fazer pelas empresas, como o Qlik Associative Big Data Index, ou QABDI.

Esta solução permite que a empresa reúna todos os seus dados e descubra uma infindável associação de dados nas mais variadas fontes de dados dentro da organização.

 

Os dados ainda são difíceis de analisar

É um facto que os dados são o novo petróleo. Isto quer dizer que a informação que se esconde nos dados gerados por uma empresa é tão grande que o conhecimento que se pode extrair daí pode enriquecer – e muito(!) – as organizações. Mas apesar disso, os dados ainda são difíceis de analisar e de utilizar.

Quem o diz é Zsuzsa Herczku, Partner Sales Manager da Cloudera, que explica que 91% das organizações têm dificuldade em atingir uma maturidade de dados e que extrair valor dos dados ainda é uma oportunidade pouco explorada pelas empresas.

De acordo com a Partner Sales Manager da Cloudera, menos de 50% dos dados estruturados são utilizados na tomada de decisão e menos de 1% dos dados não estruturados são analisados ou usados de alguma maneira.

O objetivo da Cloudera passa por ajudar as organizações a utilizarem os seus dados e daí extraírem o máximo de informações possíveis. Através de Machine Learning, as empresas podem fazer o reconhecimento de padrões, detetar anomalias ou fazer a previsão de eventos que podem acontecer. Simultaneamente, através de analítica é possível fazer relatórios seguros, baseado nos dados.

Filippo Lambiente, também da Cloudera, explicou a importância de um bom data warehouse. O data warehouse tradicional é, geralmente, inadequado para atender à procura e análise que as empresas precisam.

Na opinião de Lambiente, o data warehouse ideal deve contar com as funções de reporte e modelação de BI de um data warehouse tradicional, mas contar, também, com data analytics para dados estruturados, machine logs, texto e dados de IoT, suportado para diversos grupos de utilizadores com diferentes níveis de habilidades analíticas, interoperabilidade com mecanismos de machine learning e algoritmos para facilitar a experimentação, assim como a segurança, o controlo e a governança para diversos dados e análises.

 

Futuro “Star Wars” ou futuro “Terminator”?

Uma das perguntas lançadas por Nuno Pacheco foi se o futuro seria mais parecido com o filme “Star Wars”, com droids que ajudam as pessoas a trabalhar melhor, ou mais parecido com o filme “Terminator”, que muitos temem ao ver o exponencial progresso tecnológico na robótica (por parte de organizações como a Boston Dynamics).

Na opinião do diretor de BI da Noesis, o futuro deveria ser mais semelhante a “Star Wars”, onde homem e máquina trabalham lado a lado para atingir um determinado fim. Segundo Nuno Pacheco, é com esse objetivo que a Noesis e os seus parceiros trabalham diariamente.

 

A IT Insight é Media Partner do Lisbon BI Forum 2018

 

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.