Sector

A promessa de uma administração pública mais digital

Finalmente, o orçamento de Estado foi aprovado e com ele a execução de PRR tem agora condições para avançar. É importante entender o atual estado da digitalização do setor público em Portugal e para onde caminhamos

A promessa de uma administração pública mais digital

Fruto do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido nos últimos anos, Portugal ocupa posições dianteiras no que se refere à digitalização dos serviços públicos, figurado no Top 10 do European eGovernment Benchmark 2021 e publicado anualmente pela Comissão Europeia.

Segundo a Vogal do Conselho Diretivo da AMA (Agência para a Modernização Administrativa, I.P), Sara Carrasqueiro, “a disponibilização de serviços públicos através do canal web é, hoje, uma realidade para a maior parte dos serviços dirigidos a cidadãos e empresas”.

Alguns exemplos de serviços digitais bandeira são a abertura de empresa online, o licenciamento online de atividades económicas, a entrega de declarações de IRS com preenchimento automático, o simulador de pensões ou a receita médica sem papel. Apesar disso, em relação à penetração dos serviços públicos digitais, o mesmo estudo coloca-nos abaixo da média europeia, demonstrando a preferência de alguns cidadãos e empresas pela utilização de canais presenciais ou o insuficiente conhecimento ou capacidade para aderir aos canais digitais.

Como se fazem os investimentos

A Estratégia de Transformação Digital da Administração Pública 2016- 2020 aplicou um investimento total de cerca de 300 milhões de euros, concluindo mais de 700 projetos com um impacto estimado de cerca de 720 milhões de euros de benefícios e poupanças. A maior parte deste investimento foi alocado a novos serviços eletrónicos e inovação setorial. Por outro lado, foram concretizados projetos transversais de capacitação para a transformação digital. Entre estes projetos destacam-se:

  • Chave Móvel Digital A evolução e massificação do ecossistema de identidade digital , que disponibiliza autenticação a serviços públicos e privados assim como assinatura remota qualificada, e no Sistema de Certificação de Atributos Profissionais e Empresariais que permite ao cidadão autenticar-se e assinar documentos digitais na qualidade e com os poderes que desempenha no contexto da empresa;
  • Facilitadores de interoperabilidade, nomeadamente a evolução da iAP, plataforma de interoperabilidade da Administração Pública que suporta milhões de mensagens de dados no contexto de serviços públicos e a troca de documentos entre sistemas da Administração Pública e que viu o seu sistema de gestão de segurança reconhecido em conformidade com a norma ISO 27001;
  • Portal de serviços públicos para cidadão e empresas, eportugal.gov.pt, que permitiu criar um único ponto central com informação relativa a mais de dois mil serviços públicos, organizada em guias práticos, eventos de vida e fichas de enquadramento, disponibilizando também um assistente virtual de atendimento.
 

“Podemos esperar uma Administração Pública mais coesa e integrada, apostada em explorar os benefícios das tecnologias digitais para valorizar os dados, simplificar os seus serviços e reduzir os custos de contexto”


Sara Carrasqueiro, Vogal do Conselho Diretivo da AMA

A atual Estratégia 2021-2026 orienta-se para uma visão de “Administração Pública mais digital: melhores serviços, maior valor” procurando contribuir para a transformação da Administração Pública para que esta responda às expectativas dos cidadãos e empresas, preste serviços mais simples, integrados e inclusivos, funcione de forma mais eficiente, inteligente e transparente através da exploração do potencial de transformação das tecnologias digitais e da utilização inteligente dos dados, tendo a preocupação de garantir a confiança, segurança, sustentabilidade e o respeito pelos valores éticos da nossa sociedade.

“O respetivo Plano de Ação para o triénio 21-23, tem um investimento estimado de 643 milhões de euros, do qual cerca de 80 % proveniente do Plano de Recuperação e Resiliência, permitindo continuar e acelerar a transformação digital da administração pública e contribuir para os desafios da Resiliência; Transição Climática; Transição Digital”, explica Sara Carrasqueiro.

Por outro lado, o Orçamento de Estado, levou a um aumento do número de concursos e adjudicações. “No passado mês de maio registou-se um número de concursos públicos bastante superior aos meses anteriores de 2022, e a tendência vai ser sempre para aumentar até ao final do ano, tirando a parte dos meses referentes ao verão”, refere Fábio Silva, Business Development Manager Portugal da TendersTool.

As principais tendências na transformação digital do setor público português

  • Simplificação e redesenho dos serviços em torno de eventos de vida, recorrendo à cocriação com o cidadão e consequente transformação profunda dos processos de backoffice, interoperabilidade entre várias entidades públicas e clarificação de linguagem;
  • Reutilização de dados para evitar a necessidade de carregamento de informação ou envio de documentos e prestação de serviços inteligentes, personalizados, pró-ativos ou automáticos, respeitando os direitos de privacidade;
  • Primazia à experiência de utilização (UX), à inclusividade e à capacidade omnicanal, com o reforço ou criação de novos canais, nomeadamente aplicações, centros de contacto, atendimento por videoconferência, livechat ou assistentes virtuais, garantindo a coerência entre si e com os canais presenciais, incluindo o alargamento de soluções phygital, de que é exemplo a digital wallet nacional ID.gov;
  • Robotização dos processos de backoffice e reutilização de dados para apoio à gestão, nomeadamente através da utilização de inteligência artificial, e abertura dos dados para transparência e geração de valor;
  • Reforço da resiliência de infraestruturas, migração para a cloud e evolução tecnológica dos sistemas legados;
  • Reforço das competências digitais e das capacidades de cibersegurança, nomeadamente através de sensibilização, formação, colaboração e certificação das entidades.

Assim, é possível encontrar exemplos de iniciativas que visam concretizar estas tendências nos diversos investimentos do PRR, nomeadamente os relativos à Transição da Digital da Saúde, da Segurança Social, das Finanças, da Justiça, da Administração Pública, entre outros.

Para Fábio Silva, no que diz respeito a áreas especificas, a administração pública tem feito um maior número de investimentos nas áreas de cibersegurança, na cloud – com um crescimento que já vinha a ser notado nos últimos dois anos – e, desde março, na área das Smart Cities.

O fator cibersegurança

Segundo dados da TendersTool, é possível observar que a administração pública está a investir bastante na área da cibersegurança, sendo percetível que existe um antes e um depois da aprovação do orçamento. Existe um maior número de concursos no plano de investimento da União Europeia, principalmente no que diz respeito à área da cibersegurança, nos últimos 12 meses.

Valor dos projetos adjudicados em cibersegurança e inteligência artificial

Desde dezembro, o número de concursos registou um crescimento notável; no final de 2021, existiram 44 concursos adjudicados na área da cibersegurança, sendo que em maio passado foram registados 282 concursos.

Janeiro e fevereiro foram meses um pouco mais fracos, muito provavelmente devido à falta do orçamento de Estado. Já entre março e abril, houve um aumento exponencial a nível de concursos. Maio, continuou com o tom de crescimento.

“[Em maio] registou-se um número de concursos públicos bastante superior aos meses anteriores de 2022 e a tendência vai ser sempre para aumentar até ao final do ano””


Fábio Silva, Business Development Manager Portugal da TendersTool

 

O que esperar da transformação do setor público português

Para o futuro, “podemos esperar uma Administração Pública mais coesa e integrada, apostada em explorar os benefícios das tecnologias digitais para valorizar os dados, simplificar os seus serviços e reduzir os custos de contexto”, afirma Sara Carraqueiro.

Por outro lado, através do recurso a um modelo comum de desenho e desenvolvimento de serviços digitais, é de esperar uma atuação coordenada no processo de transformação digital, tendo em vista a qualidade, uniformidade e consistência dos serviços públicos, assim como a agilidade e eficiência dos processos de desenvolvimento e operações.

Este modelo, em desenvolvimento, consiste no conjunto de princípios, normas, guias, arquiteturas de referência e tecnologias comuns para o desenho e desenvolvimento de serviços públicos digitais e tem como público-alvo todas as entidades da Administração Pública, fornecedores de software e de serviços ou outros parceiros envolvidos na construção dos serviços digitais.

Fábio Silva, acredita ainda que, no futuro, a inteligência artificial vai crescer bastante no que diz respeito ao número de investimentos feitos pela administração pública, apesar do número de concursos ainda não percetível em Portugal. “Esta é também uma das tendências para os próximos anos, tal como o Software de Infraestrutura”, conclui.

Exemplos práticos

CLIC - Programa de Transformação Digital da Segurança Social

O CLIC – Programa de Transformação Digital da Segurança Social vem alterar o paradigma do modelo de relacionamento da Segurança Social com os cidadãos e empresas e está enquadrado na Componente 17 do Plano de Recuperação e Resiliência.

Até 2026, 85 medidas transformarão a Segurança Social que têm como objetivo garantir um relacionamento fácil, simples, direto e digital e uma gestão integrada da relação com empresas e cidadãos.

Esta ação encontra-se estruturada em três eixos:

  • Uma Segurança Social mais humana e próxima através de prestações automatizadas, contribuições simplificadas e ação social personalizada;
  • Uma Segurança Social mais digital e inovadora com uma Segurança Social Nova Geração, relacionamento inteligente e inclusivo e ainda partilha de dados;
  • Uma Segurança Social mais eficiente e robusta através de uma infraestrutura e serviços mais resilientes e uma prevenção inteligente de fraude.

Alguns dos exemplos práticos desta iniciativa são:

  • Intervenção integrada em respostas sociais: criação de um sistema integrado de gestão e controlo de acordos de cooperação, permitindo de forma desmaterializada a apresentação de candidaturas, a gestão do processo de aprovação, a gestão dos acordos e gestão de vagas. O sistema integrado permite maior eficiência no acompanhamento dos acordos e resposta aos cidadãos;
  • e-clic: Canal Único: disponibilização de um canal único, na Segurança Social Direta, para o relacionamento com os cidadãos e empresas de forma centralizada. Com um canal único, os cidadãos e empresas poderão interagir de forma mais simples com a Segurança Social e obter uma resposta mais eficiente e harmonizada. Pretende-se que no final do projeto se atinjam níveis de resposta até 48 horas;
  • Criação de modelo com base em IA e analytics para prevenção de risco: criação de um modelo integrado de prevenção do risco e fiscalização com vista ao combate à fraude e evasão contributiva e prestacional, tirando partido de soluções de IA.

eFundos – Solução Ready to use para a gestão do PRR baseada num modelo de subscrição

 

“O PRR e o PT2030 serão uma alavanca de transformação nos próximos anos””


Pedro Valente, Business Unit Manager de Funds & Investment da Axians

Segundo Pedro Valente, Business Unit Manager de Funds & Investment da Axians, a ambição das políticas públicas, centrais num país, com a ambição de Portugal e de matriz europeia, exige uma Administração Pública ágil e eficaz. Há um escrutínio crescente, mas virtuoso relativamente aos serviços públicos, em que a referência é a experiência oferecida por uma compra na Amazon ou a procura de qualquer informação no Google.

A Administração Pública pode e deve, em parceria com os agentes económicos e os cidadãos, liderar a transformação digital de serviços críticos para a sociedade.

Este é, no entanto, um desígnio com fortes implicações. Se por parte dos gestores públicos é óbvio o caminho da “transição digital”, esta é uma jornada feita de desafios estruturais, nomeadamente:

  • Escassez de recursos técnicos, internos ou mesmo externos;
  • Especial complexidade e multidisciplinaridade dos projetos de transformação digital;
  • Prevalência de soluções criadas in house, desconexas, muito customizadas e pouco evolutivas;
  • Complexidade dos processos de Contratação Pública.

Neste contexto, há claramente espaço para que soluções “ready to use” possam ser experimentadas e os seus benefícios provados.

A Gartner identifica a evolução para a contratação de “tudo como um serviço” (Anything-asa- Service) como uma das principais tendências para tornar a AP mais ágil e eficiente e nivelar os serviços com o estado da arte. Num estudo de 2021, estima mesmo que, em 2025, 95% dos investimentos da administração pública em IT serão realizados em modelos de subscrição.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.