Portugal aproxima Europa e América Latina através de cabo submarino

Foi dada 'luz verde' para a construção de um novo cabo submarino em fibra ótica entre a Europa e a América Latina. A estação terrestre de Sines vai, assim, estar ligado ao Brasil

Portugal aproxima Europa e América Latina através de cabo submarino

O cabo intercontinental com o nome de EllaLink vai ser construído e ligar de forma direta a Europa e a América Latina. Este cabo irá ligar as estações terrestre de Sines e de Fortaleza, no Brasil. Com o acordo final entre a EllaLink e a Alcatel Submarine Networks (ASN), a construção deverá ter início nos primeiros meses de 2019.

O anúncio foi feito pela GÉANT e a RedCLARA, que em nome do Consórcio BELLA – que significa “Building the Europe Link to Latin America” - do qual faz parte a FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, comunicou a formalização do acordo entre a EllaLink e a Alcatel Submarine Networks (ASN) para a construção do cabo submarino que ligará a Europa e a América Latina. Através do projeto BELLA foi adquirida capacidade de transmissão no novo cabo submarino, o que possibilitará elevadas capacidades de troca de tráfego de internet para investigação e educação entre os dois continentes.

A primeira fase dos trabalhos passa por analisar o fundo do oceano para definir a rota do cabo submarino e fabrico dos materiais necessários. A identificação da localização exata e preparação das estações terrestres deverá acontecer em simultâneo. A primeira transmissão de dados através do novo cabo está prevista para o final de 2020.

O EllaLink será implementado no âmbito do projeto BELLA por um consórcio do qual faz parte a FCT, através da sua Unidade de Computação Científica Nacional – a Rede Nacional de Ensino e Investigação portuguesa. O cabo, com quase 10.000 km de extensão, permitirá atingir uma velocidade de transmissão de dados de 100Gbs/segundo (muito superiores aos atuais 10Gbs/segundo), respondendo às necessidades de partilha e colaboração transatlânticas das comunidades de investigação e ensino da Europa e da América Latina nos próximos 25 anos.

Erik Huizer, CEO da GÉANT, considera que esta data “é muito importante para o programa BELLA”, e que este passo vai permitir garantir “a capacidade [de comunicação] entre as comunidades de investigação e educação europeias e latino-americanas” e também “suportar a ciência aberta e a partilha do conhecimento com um forte impacto em serviços de observação terrestre, como é o caso do Copernicus”. Acredita também que esta nova infraestrutura “não irá apenas beneficiar as comunidades de investigação e ensino, mas a sociedade em geral”.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.