A estrada para a mobilidade inteligente em Portugal

A GMV, em conjunto com o IMT, partilhou recentemente um conjunto de projetos europeus presentes em Portugal nos quais está a desenvolver tecnologias para levar a cabo o roadmap europeu (e português) de mobilidade inteligente

A estrada para a mobilidade inteligente em Portugal

No passado mês de outubro, a A9/CREL foi palco do projeto-piloto AutoC-ITS, com o propósito de testar sistemas de C-ITS (Cooperative Intelligent Transport Systems), usados para estabelecer a comunicação entre veículos autónomos e a infraestrutura da estrada. Este é um de muitos projetos europeus focados no desenvolvimento e teste de tecnologias, soluções e sistemas para viabilização da condução autónoma. Estas iniciativas são indespensáveis, não só para a capacidade tecnológica da condução autónoma, mas também para prova da sua aplicabilidade a larga escala, indispensável para a sua aceitação por parte do mercado e dos legisladores.

Neste âmbito, A GMV, em conjunto com o IMT, partilhou recentemente um conjunto de projetos desta natureza a decorrer em Portugal e a forma como estes se integram e estão a contribuir para os roadmaps europeu e português para a transição para a condução autónoma, conetada e sustentável.

A SafeCOP é um projeto a nível europeu focado em desenvolver “sistemas de sistemas ciberfísicos” (CO-CPS) que colaborem de forma segura e sem latência através de comunicação wireless. Os veículos conetados, especialmente em modelo V2X (vehicle to everything) dependem da capacidade de comunicar com outros veículos e com as infraestruturas em tempo real, de forma a tomar decisões com base no ambiente à sua volta (tráfego, condições climatéricas, acidentes, etc).

A vertente de veículos autónomos ativa em Portugal está a testar, em ambiente de laboratório, um sistema colaborativo para garantir a segurança de um pelotão de veículos conetados na eventualidade de um deles perder o controlo. Outros use cases incluem adaptação a condições climatéricas e gestão de tráfego.

A Enable S3 tem como propósito desenvolver uma framework modular de verificação e validação dos sistemas autónomos e colaborativos para diversas aplicações, incluindo neste caso condução autónoma.

Em Portugal, isto consiste no desenvolvimento de um sistema ADAS (advanced driver-assistance system) de apoio à condução em situações de congestão de tráfego.

As capacidades deste sistema V2X são desenvolvidas por etapas: a longo termo, o sistema deverá evoluir para navegar condições gradualmente mais desafiantes até ser capaz de lidar de forma totalmente automatizada com condições de tráfego severo.

A C-Roads, um dos principais projetos do roadmap português de mobilidade, tem com o objetivo de desenvolver e instalar serviços C-ITS para transmitir aos veículos autónomos informações sobre trabalhos na estrada, acidentes, limites de velocidade, de trânsito, parques de estacionamento, etc. Tem atualmente dois pilotos em preparação em Portugal: em ambiente de autostrada na A25 e N6, e em tráfego urbano na 2ª Circular.

Por último, a GMV lidera o projeto Escape, para o desenvolvimento de um motor de posicionamento para aplicações críticas de condução totalmente autónoma. Para lá da direção técnica, a GMV está envolvida na conceção e desenvolvimento dos algoritmos que processarão as medições dos sensores do veículo, as câmaras e o recetor de navegação por satélite para prestar o serviço de posicionamento para as viaturas em teste, bem como do software que integrará as várias componentes de comunicação do veículo de forma síncrona.

A empresa tem também, fora do país, os GMV Cybersecurity Labs – para conduzir testes de penetração, anti-malware, monitorização da dark web para deteção de ameaças zero-day, etc – e a GMV-CERT (Computer Security Incident Response Team) para dar resposta a ataques reais e prestar serviços preventivos e pro-ativos.

“Os carros estão a deixar de ser uma utility para serem uma plataforma de serviços. E como tal têm de ser seguros e fiáveis – caso contrário nunca se vai conseguir a aceitação do mercado,” refere Bruno Gonçalves, Project Manager da GMV.

 

O que falta fazer

O próximo passo no caminho para a condução autónoma/conetada é sem dúvida o 5G, para salvaguardar a robustez e disponibilidade das comunicações, bem como para permitir que os veículos conetados possam receber informações em áreas sem cobertura C-ITS.

A legislação é naturalmente outra vertente a abordar. De momento a legislação portuguesa dita que é obrigatório haver um condutor dentro do veículo; a nível internacional, uma alteração recente à convenção de Viena aligeira esta condição para “uma pessoa a controlar o veículo”, não necessariamente dentro do mesmo.

“Quando se fala em condução autónoma, há que fazer a distinção entre os vários níveis. Neste momento estamos num híbrido entre o nível 3 e o nível 4, e aí é onde começam a surgir complicações,” explica Ricardo Tiago, representante do IMT. “Em caso de acidente, é muito difícil apurar as responsabilidades, porque é impossível determinar com certeza quem é que estava a conduzir nesse momento, o condutor ou o veículo.”

Isto, adianta, complica a construção de políticas tanto do lado dos legisladores como das seguradoras e fabricantes. Há portanto ainda muito trabalho a fazer, a nível tecnológico e legislativo, antes de a condução autónoma começar a ser implementada.

O IMT está a coordenar o roadmap português para a mobilidade inteligente, de momento com três projetos-piloto a decorrer (C-Roads, AutoC-ITS, e o corredor 5G Porto-Vigo) e que prevê a integração gradual da condução autónoma em ambiente real entre 2021 e 2045.

A nível de aplicações acessórias à condução conetada, GMV tem também uma solução de portagem, Satelise, integrada no dashboard do veículo, que permite eliminar a dependência do dístico e fazer o pagamento diretamente via smartphone. De momento, a legislação e infraestrutura portuguesas não permitem a sua implementação, mas a solução já está no ativo em Espanha. Outra aplicação nesta área, já a ser aplicada no Texas, permite a aplicação de descontos nas portagens para veículos com mais de dois passageiros, com o propósito de promover o carpooling para reduzir o número de veículos na estrada.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 17 Janeiro 2019

IT INSIGHT Nº 17 Janeiro 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.