“Tal como o petróleo, também os dados têm de ser refinados”

O Lagoas Park Hotel recebeu a segunda edição do i-Data Meeting, onde se discutiu o poder dos dados. Miguel de Castro Neto, subdiretor da Nova Information Management School, realizou a sessão de abertura

“Tal como o petróleo, também os dados têm de ser refinados”

Miguel de Castro Neto, subdiretor da Nova Information Management School (Nova IMS), teve o papel de abrir a segunda edição do i-Data Meeting, que se realizou no dia 08 de outubro no Lagoas Park Hotel.

Durante a apresentação, intitulada “Transformar dados em negócio, o subdiretor da Nova IMS começou por relembrar que os decisores precisam da informação certa, no momento certo, no local certo, uma vez que as organizações são, cada vez mais, data-driven.

“Hoje em dia, já não vivemos no paradigma em que íamos ao IT pedir relatórios”, explica Miguel de Castro Neto, que acrescenta que, atualmente, com o self-service BI, qualquer pessoa quer e pode criar os seus relatórios. Assim, há uma necessidade crescente de gerir dados, de criar insights e de democratizar o acesso a esta informação.

Desafios

Se é verdade que os dados são o petróleo do século XXI, também é verdade que, tal como o petróleo, também os dados têm de ser refinados. “A maior parte das vezes, temos muitos dados, mas muito pouca informação e muitos menos insights porque não somos capazes de fazer esse processo de criação de valor sobre os dados”, refere Miguel de Castro Neto. É preciso perceber, no entanto, que a informação depende do contexto, alterando-se de pessoa para pessoa dentro da mesma organização.

O Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGPD), segundo o subdiretor da Nova IMS, foi criado inicialmente para dar a oportunidade de nivelarmos o que se fazia com os dados fora da Europa com o que se fazia dentro do continente com esses mesmos dados, mas acabou por ser um travão à inovação. Segundo a experiência do docente, há empresas que se resguardam no RGPD para não partilharem dados com alunos de mestrado ou doutoramento que estão a tentar desenvolver um determinado modelo.

Um outro desafio, transversal a grande parte das áreas de sistemas de informação, é a retenção de talento. “Nós não precisamos só dos data scientists; também precisamos dos data engineers, que mantêm a infraestrutura a funcionar, mas depois existem os data analysts”, alerta Miguel de Castro Neto. A grande oportunidade do mercado está nas pessoas que conseguem perceber o negócio, as capacidades analíticas e quais são os melhores modelos que vão utilizar.

Futuro

Um dos principais temas da atualidade é a transformação digital. Por norma, o primeiro resultado que as empresas alcançam quando olham para este tema, é a transformação de processos para tirarem partido da tecnologia e dos dados com o objetivo de otimizarem esses processos.

“Na realidade, o que as organizações fazem é evoluir e tirar partido da transformação digital e vão otimizando processos com tecnologia cada vez mais sofisticada”, diz Miguel de Castro Neto.

De acordo com o subdiretor, o grande desafio futuro é “o quê”. “É nós pensarmos como é que, com a transformação digital e com as novas capacidades tecnológicas e analíticas que temos ao nosso dispor, podemos mudar completamente os nossos negócios, como é que podemos criar novos produtos e serviços que, muitas vezes, não antecipamos”, afirma.

 

A IT Insight é Media Partner do i-Data Meeting 2019.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 21 outubro 2019

IT INSIGHT Nº 21 outubro 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.