IDC Directions 2021

IDC Directions 2021: “vejo Portugal como um futuro hub digital de grande significância a nível global”

O terceiro dia do evento da IDC terminou com uma discussão em torno do “sonho” de hub digital português, e apesar de o sonho não ter sido alcançado, “há potencial”

IDC Directions 2021: “vejo Portugal como um futuro hub digital de grande significância a nível global”

A fechar o terceiro dia do IDC Directions, Afonso Salema, Managing Director na Start Campus, Augusto Fragoso, Diretor-Geral de Informação e Inovação na Anacom, Carlos Paulino, Managing Director na Equinix, João Dias, Administrador da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), e Pablo Ruiz-Escribano, Vice President Secure Power & Field Services Iberia na Schneider Electric uniram-se para falar de Portugal como o próximo Hub Digital, nomeadamente das oportunidades e desafios gerados para a economia portuguesa. 

O painel concordou que em Portugal, o potencial prevalece. “Portugal ainda não é um hub digital, apesar de ter a promessa de poder ser”, disse Afonso Salema, “é um país apetecível”. Contudo, com os avultados investimentos no digital, a nível de centros de inovação e de desenvolvimento de tecnologia, a serem postos em funcionamento, fazem com que o país esteja bem posicionado na corrida. 

Segundo João Dias, “estamos a ser escolhidos por muitas grandes empresas”, que “vêm para Portugal não só para fabricar, mas para desenvolver tecnologia e inovar”. Entre boas infraestruturas de comunicação, de dados, conetividade, centros de dados, banda larga, inúmeros centros de investigação “críticos para tudo isto”, talento “muito bem formado” e um ambiente multicultural, Portugal tem se vindo a destacar, notam, como um destino promissor. 

Salema está na crista da onda da instalação do data center Sines 4.0. Afirma que embora Portugal esteja no centro do mapa de tráfego global, o fluxo de dados passa à volta. “Quando começamos a olhar para Portugal, tivemos um grande backlash de consultores e investidores a nível mundial a dizer que Portugal não tinha infraestruturas digitais suficientes para acomodar o projeto, mas como é que é possível estarmos a atrair grandes empresas para Portugal se não temos o backbone necessário para suportar as infraestruturas?”, reitera o gestor da Start Campus.

Continua: “o que notamos é que há infraestruturas, mas não são aproveitadas pelos players porque há falta de estratégia comum”. A discussão deixou claro que há um trabalho que já foi iniciado, mas está longe de ser concluído. “Os operadores de comunicações estão mais abertos a trilhar esse caminho e penso que o projeto Sines 4.0 vai ser essencial neste sentido. Mas um hub não pode sobreviver à custa de um só projeto. Um hub digital significa ter este e muitos mais projetos – é importante a interconectividade.

Atualmente, conta Carlos Paulino, estão mapeados 41 novos cabos submarinos para nascer no atlântico, “se captarmos parte desta conetividade, temos muito potencial”, enquanto corredor ou “gateway digital” com a capacidade de servir vários continentes.  “Portugal tem a capacidade de passar de um micro hub para mega hub. Vejo Portugal como um futuro hub digital de grande significância a nível global”, acredita o gestor da Equinix. 

Alinhado com a estratégia europeia de dados, Augusto Fragoso nota que “se conseguirmos criar date centers de capacidade suficiente para atrair grandes projetos, mais virão”, criando uma dinâmica positiva para a economia portuguesa. “Temos de aproveitar os fundos para aproveitar esta economia dos dados”, conclui. 

Contudo, não basta o alinhamento com a estratégia europeia. O painel assevera que tem de haver um alinhamento de agentes públicos e privados, numa estratégia clara, transparente e permanente, de forma holística, de forma a criar uma indústria sustentável, disse Ruiz-Escribano, e “estes fóruns são muito bons para essa coordenação”, completa João Dias: “acho que não há um handycap enorme, se calhar algumas coisas começamos tarde, mas podemos fazer um catching up se trabalharmos bem”, assevera. 

Afonso nota dois aspetos que podem “estragar o sonho de hub digital” – a fiscalidade e a burocracia. “Nós sermos promessa de hub digital não é algo de novo. Muitos se foram embora e desistiram por três razões" – a complexidade de fazer e licenciar negócios em Portugal e mantê-los; o custo da eletricidade e a conetividade – sendo que os dois últimos pontos estão a ser ultrapassados. “Temos de ter muito cuidado e ser muito vigilantes para não perder a oportunidade outra vez”, conclui. 

Carlos explica ainda que o Presidente da Associação Irlandesa de Data Centers, lhe falou recentemente em cinco condições essenciais que fizeram da Irlanda um hub – os cinco P’s: Power, “ser green, estável e a preço competitivo”; Pipes, “interligação e comunicação entre o país e o mundo”; People, “e já falámos da capacidade do nosso talento em Portugal”; Pedigree, “como um dos pontos de passagem da informação mundial”; e Politics, “porque existirem políticas pro-business com uma carga fiscal competitiva é mandatário, e desta lista o mais crítico, no qual temos de trabalhar”. 

Augusto Fragoso afiança: “temos uma posição geoestratégica fenomenal se a soubermos explorar, mas gostava que não fosse só o Sines 4.0, mas Braga 4.0, Portalegre 6.0, etc, para combater a assimetria, que é um grande problema português”. Pablo Ruiz-Escribano conclui com uma mensagem de um plano ibérico: “eu gostaria de um plano ibérico porque acho que Portugal e Espanha em conjunto serão muito mais fortes para fazer frente aos restantes concorrentes”. 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.