IDC Directions 2021

IDC Directions 2021: do “lago” ao “pântano”, os dados estão em todo o lado

No segundo dia do evento da IDC, o painel Digital Leaders focou-se em alguns dos principais aspetos determinantes dos negócios da era digital: “os dados, a tecnologia e as pessoas”

IDC Directions 2021: do “lago” ao “pântano”, os dados estão em todo o lado

Findou mais um dia de IDC Directions e os dados estiveram em jogo. Ainda pela manhã, o painel Digital Leaders falou de Future of Intelligence, com a presença de Nuno Pedras, Head of IT & Digital na Galp, Pedro António, Executive Board Member do Grupo Ageas Portugal e, do setor público, Rosália Rodrigues, Vogal do Conselho Diretivo do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ).

Seja num lago ou num pântano, “dados não nos faltam, o next step é o que fazer com eles”, afirmou Rosália no início da discussão, centrada na capacidade de distinguir o ruído do relevante. Dando o exemplo do setor da justiça, Rodrigues nota que o PRR “vai ajudar muito nesta área”, potenciado a utilização de tecnologias sofisticadas, como a IA e machine learning, para automatizar e agilizar as operações judiciais, apesar de, segundo dados da IDC, menos de 1% dos dados das organizações serem introduzidos à IA.

A mesa-redonda concordou que, fruto do admirável novo mundo e das mutações na era digital, o futuro das empresas é marcado por como recolhem, utilizam e tratam os dados, nos diferentes setores. Nuno Pedras, responsável de IT e digital na Galp, introduziu as gargalhadas na sala ao mencionar que “existe uma grande discussão de que os dados são o novo “oil”, uma questão muito interessante na minha indústria”, reforçando que se os dados são de tamanha importância, o intriga a escassez de data offices e estratégias de dados horizontais nas empresas. “Acho que existe um certo histerismo” e se pensa menos no “que se deve fazer”, comenta.

Pedras ressalva a importância de pensar em plataformas, na literacia e nas várias dimensões que o uso dos dados levanta, um “processo muito complexo”, em que “a tecnologia é o enabler, não a solução”. Rosália continua dizendo que a tecnologia deve estar presente e auxiliar a tomada de decisões e os processos do negócio, mas “a tecnologia já existe e não precisamos de inventar a roda”. Pedro António, do ramo segurador, acrescenta que “temos de olhar de uma forma holística para este tema” e pensar na governação, no legacy, nas skills e formação e na qualidade dos dados, mais do que na quantidade.

Nesse sentido, ser consistente, dinâmico, criativo e delinear prioridades é fundamental para as organizações, que devem pensar em procurar soluções internamente através de estratégias bem definidas. “As organizações ou vão ao mercado e compram as soluções ou elas próprias são os motores da tecnologia”, reitera. Pedras concorda e completa: “devíamos ser os donos dos dados importantes e garantir que estão na nossa própria plataforma”, fazendo dos dados um asset central nas operações. “Não é ser independente de Parceiros e do ecossistema, é ter ownership de partes importantes do negócio”, conclui.

 

A IT Insight é Media Partner do IDC Directions 2021

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.