IDC Directions

IDC Directions 2020: “o digital é by default”

À medida que o mundo tem sido assolado pela pandemia COVID-19, a tecnologia tem sido a chave para garantir a continuidade dos negócios

IDC Directions 2020: “o digital é by default”

“Direções para o Futuro da sua Organização” é o tema principal da 24.ª edição do IDC Directions 2020, que este ano será realizado num misto de formato digital e presencial.

João Mira Santiago, CEO da Bizdirect, fez parte do quadro de mais de cem especialistas participantes e mostrou a sua visão de empresa do futuro. “É em momentos de incerteza como aquele que estamos a viver que nos é dada a oportunidade de explorar e trabalhar as formas como pudemos melhorar os nossos processos. Esse é o nosso maior desafio”, afirma. 

O CEO da Bizdirect apresenta quatro tópicos que considera fundamentais para estruturar aquela que é a empresa do futuro, onde, transversalmente vê um fator em comum: a aceleração. Tudo aquilo que foi pensado para fazer no futuro de uma forma estruturada, testada e conceptualizada foi agora transformado numa necessidade urgente para a grande maioria das empresas que tem como objetivo a adaptação a esta nova realidade. 

democratização digital, onde existem dois pilares fundamentais: pessoas e processos. A empresa do futuro tem de olhar para as pessoas como um ativo ultravalioso. É essencial que as empresas não definam apenas processos para serem aplicados, mas aplicar processos no seu dia-a-dia e capacitar as suas equipas para os desenvolver”, explica.

nova realidade de trabalho, é outro dos tópicos apresentados por João Mira Santiago que considera que “hoje o desafio é adaptar este novo modelo de trabalho remoto a uma realidade que não sabemos quando vai acabar”. Este modelo implica uma agilidade para ajustar os processos e validar qual o melhor caminho para trabalhar daqui para a frente. A continuidade do negócio tem de estar garantida, os modelos antigos de trabalho têm de ser convertidos em modelos de serviço e a necessidade de uma empresa adaptar a sua cultura interna têm que ser ágil e acelerada. Em resumo, este novo espaço de trabalho tem de ser suportado numa consciência e num processo que tem de ser cada vez mais as-a-Service do que outrora foi.

Por outro lado, a experiência do cliente, onde é necessário participar ativamente na jornada do cliente. “A forma como o cliente se comporta atualmente mudou radicalmente e temos de estar presentes naquela que é a gestão da informação, tendo em conta que esta é uma experiência única, cada vez mais desenhada à imagem do cliente”. 

E ainda, a governação dos novos modelos de negócio suportados na cloud, de forma a garantir a continuidade do negócio. “As empresas têm de estar aptas a escalar o seu negócio para uma nova dimensão, para flexibilizar os modelos e processos que tinham associados para responder à capacitação que o negócio exige no dia-a-dia”. 

À medida que o mundo tem sido assolado pela pandemia COVID-19, a tecnologia tem sido a chave para garantir a continuidade dos negócios.

Segundo Jorge Costa Reis, Associated Partner, IDC Consulting & Partner Zertive, o setor dos media foi provavelmente onde se sentiu um impacto mais disruptivo, devido à democratização no acesso aos conteúdos e pelo surgimento de plataformas 100% digitais que vieram alterar a cadeia de valor dos media.

O setor financeiro e a banca são tradicionalmente um setor mais conservador, mas também são um setor onde a inovação que pode ser alcançada a nível de serviços e contacto com os clientes pode ter um maior impacto porque está presente no quotidiano dos consumidores.

Francisco Barbeira, Executive Board Member do Banco BPI, afirma que “o digital é by default” e explica que “o digital está na agenda do setor financeiro há muitos anos, em multidimensões e em tudo aquilo que está relacionado com a experiência do cliente, sejam essas experiencias através de um canal mais self-service, como uma app, ou através da experiência de quando um cliente vai a um balcão”.

O Executive Board Member do Banco BPI, acredita ainda que esta transformação também se sente em áreas como as do marketing e as de risco, com toda a capacidade que atualmente existe de processar informação, e de backoffice com tudo aquilo que é a digitalização e robotização dos processos.

Para Francisco Barbeira, existem algumas marcas digitais importantes neste processo de transformação digital, e acredita que um banco digital, é um banco que elimina a maior parte dos atritos da relação da organização com o cliente, através de interações mais simples e transparentes. 

O colaborador passou a ser um colaborador biónico. As relações com as pessoas continuam a ser fundamentais, o digital apenas veio multiplicar as capacidades dos colaboradores”.

Outras das marcas digitais desta transformação devem-se ao facto do digital fomentar e obrigar a ecossistemas, e de atualmente, os dados serem um ativo muito valioso, visto que a banca é um dos setores que mais informação tem, por isso trabalhar os dados é importante no sentido de servir os clientes da forma que este querem ser servidos.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.