Multas relacionadas com o RGPD atingem 1,1 mil milhões de euros

O Luxemburgo, a Irlanda e a França lideram a tabela das coimas individuais mais elevadas aplicadas

Multas relacionadas com o RGPD atingem 1,1 mil milhões de euros

No último ano e no âmbito do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) foram aplicados cerca de 1,1 mil milhões de euros em coimas por uma ampla gama de violações de dados - um aumento anual de 594% em relação às coimas aplicadas desde 28 de janeiro de 2021, em comparação com 158,5 milhões de euros durante o mesmo período no ano passado. Os dados são da Sociedade de Advogados internacional DLA Piper, tendo por base o seu último estudo anual a respeito de coimas e violação de dados no âmbito do RGPD nos 27 Estados-membros da União Europeia, mais o Reino Unido, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

O Luxemburgo, a Irlanda e a França lideram o ranking de coimas individuais mais elevadas – 746 milhões de euros, 225 milhões de euros e 50 milhões de euros, respetivamente. O Luxemburgo e a Irlanda impuseram coimas recorde, elevando-os do fundo para o topo das tabelas de classificação. Pesados os resultados em relação às populações dos países, a Holanda fica em primeiro lugar este ano, à frente do Liechtenstein e da Dinamarca, com 151, 136 e 131 notificações por violação por cem mil pessoas, respetivamente. A Croácia, a República Checa e a Grécia relataram o menor número de notificações por violação per capita desde 28 de janeiro de 2021.

Também o crescimento das notificações por violação aumentou 8% em relação à média do ano passado, de 331 notificações por dia, para 356 este ano e mais de 130 mil violações de dados pessoais notificadas em conjunto desde 28 de janeiro de 2021.Embora o aumento das coimas possa ser significativo, o acórdão do tribunal superior europeu no Data Protection Commissioner v Facebook Ireland Limited, Maximillian Schrems, em julho de 2020, conhecido como Schrems II, continua a ser o principal desafio de compliance com a proteção de dados para muitas organizações apanhadas pelo RGPD, explica a DLA Piper.

O acórdão impõe que as organizações que exportam dados pessoais da Europa e do Reino Unido para países terceiros façam um mapeamento abrangente dessas transferências, bem como avaliações pormenorizadas dos riscos legais e práticos de intercetação por autoridades públicas nos países onde os importadores estão localizados, aumentando consideravelmente o fardo de compliance sobre exportadores e importadores de dados.

“O aumento em quase sete vezes das coimas pode fazer manchetes, mas o acórdão Schrems II e suas profundas implicações para as transferências de dados constituíram-se como o principal desafio de compliance de proteção de dados para muitas organizações apanhadas pelo RGPD”, refere Ross McKean, presidente do Grupo de Proteção e Segurança de Dados do Reino Unido, em comentário aos resultados do estudo. “A ameaça de suspensão das transferências de dados é potencialmente muito mais danosa e custosa do que a ameaça de coimas e pedidos de indemnização. O foco nas transferências e o trabalho significativo necessário para alcançar a compliance significa, inevitavelmente, que as organizações têm menos tempo, dinheiro e recursos para se concentrarem noutros riscos de privacidade”, continuou Ross McKean.

“Portugal não tem acompanhado o ritmo da maioria dos outros países; não obstante, a Comissão Nacional de Proteção de Dados aplicou agora (depois da publicação do relatório) uma coima de 1,250 milhões de euros ao Município de Lisboa, o que pode significar uma alteração de rumo”, refere Daniel Reis, Sócio e Coordenador do setor de Tecnologia na DLA Piper em Portugal

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 37 maio 2022

IT INSIGHT Nº 37 maio 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.