O RGPD e os desafios da transformação digital

O RGPD e os desafios da transformação digital

A transformação digital está entre os conceitos que mais têm marcado a agenda das organizações ao longo dos últimos anos. Abre-se à nossa frente um universo de oportunidades, baseado em ecossistemas que, articulados de forma segura, proporcionam soluções simples, rápidas e eficazes para problemas práticos, reservando o melhor da energia e do tempo das pessoas para as atividades especificamente humanas

Os especialistas nesta matéria consideram que os próximos 30 anos serão decisivos no aperfeiçoamento e na simplificação da tecnologia quando integrada em organizações, não só no sentido de agilizarem as suas operações, mas também para proporcionarem uma melhor experiência aos seus clientes, fidelizando-os num contexto de uma uniformização e de uma omnicanalidade cada vez maior das ofertas.

Contudo, este processo de contínua evolução tecnológica abarca um conjunto de premissas a ser assegurado. Entre as que devem ser destacas está a literacia das pessoas para a correta utilização da tecnologia, a certificação de que o tratamento dos dados pessoais é assegurado nos processos, respeitando a privacidade dos seus titulares e os seus direitos, e o compromisso da comunidade global, entre países, organizações e empresas, no que toca à aceitação de instrumentos regulamentares que assegurem a identidade de critérios no tratamento de dados pessoais e nos sistemas de segurança da informação.

O RGPD veio regular, quer de forma explícita quer implícita, o tratamento de dados pessoais e a segurança dos sistemas de informação no âmbito da União Europeia. Apesar de ter disposições antecedentes e uma evolução que foi acompanhando o desenvolvimento tecnológico e o seu impacto na vida das pessoas, o RGPD representa a mais significativa mudança da regulação da privacidade alguma vez registada, afetando, no que respeita ao tratamento de dados de cidadãos europeus, todas as organizações - mesmo as que operam em contexto global.

Quando corretamente implementado e assegurado, o RGPD representa um contributo fundamental para a reputação das organizações, ao conferir confiança na proteção dos dados pessoais e na certeza de que as mesmas respeitam os mais elevados padrões de segurança. Se isto não se verificar, o fator vulnerabilidade surge.

Não descurando os avanços na Regulação dos Sistemas de Segurança, os riscos registados nesta área continuam a ser significativos, a desenvolverem-se e a complexificarem-se a par e passo com os processos de transformação digital das organizações e da sociedade. “Data breaches”, “fake news”, “cyberattacks” e outras práticas abusivas e fraudulentas, continuam a ser uma realidade com a qual é preciso contar e, sobretudo, controlar.

O caminho a percorrer neste campo ainda é longo e só a ser feito tendo a literacia tecnológica e a segurança como direção, seguiremos no rumo certo. Sensibilizar os cidadãos para os seus direitos e para os cuidados que devem ter online é, ainda, parte da solução para cerca de 50% dos casos atualmente registados. Conhecer o cibercrime e desenvolver programas de proteção para impedir intrusões, uma base cada vez mais essencial na atividade das organizações e nas estratégias de transformação digital. Que a tecnologia continue a ser o motor que permite a velocidade de tantos avanços, mas que a segurança seja sempre a bússola que guia este percurso.

 

por Raul Bessa Monteiro, Head of Strategy and Corporate Development, DPO Consulting

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.