Google obrigada a apagar resultados de pesquisa “imprecisos” na União Europeia

Uma queixa apresentada na Alemanha despoletou a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia, que dá o direito aos cidadãos de controlar o que aparece quando são procurados online

Google obrigada a apagar resultados de pesquisa “imprecisos” na União Europeia

O Tribunal de Justiça da União Europeia anunciou uma medida que obrigada a Google a apagar os resultados de pesquisa sobre cidadãos europeus, se estes conseguirem provar que as informações são “manifestamente imprecisas”. As medidas de proteção de dados que visam os 27 Estados-membros dão às pessoas o direito de controlar o que aparece quando o seu nome é procurado online. 

Sob o princípio do “direito a ser esquecido”, aqueles no espaço europeu têm o direito de pedir à Google e a outros browsers que apaguem links para informações desatualizadas sobre de si mesmos, mesmo que sejam verdade. Sobre a decisão, a Google disse que, “desde 2014, temos trabalhado arduamente para implementar o direito de ser esquecido na Europa e para encontrar um equilíbrio sensato entre os direitos das pessoas de acesso à informação e à privacidade”.

Na origem da medida está uma queixa no tribunal alemão por dois gestores não identificados de um grupo de empresas de investimento que pediram à Google para remover os resultados de pesquisa com base nos seus nomes ligados a artigos que criticavam o modelo de investimento do Grupo, dizendo que os artigos faziam falsas alegações. Da mesma forma, solicitaram que eliminassem as fotografias de ‘thumbnail’ que aparecem sem contexto na pesquisa de imagens.

A Google recusou, dizendo que não conhecia a exatidão dos artigos. O tribunal discordou, afirmando que se alguém submete provas relevantes e suficientes que comprovem a imprecisão da informação, o browser deve conceder o pedido.Os conteúdos em causa foram removidos.

Para facilitar o processo de remoção, a medida diz que não é necessária uma decisão judicial, pelo que podem ser as próprias pessoas a fornecer as provas. É de notar que o direito a ser esquecido não se aplica aos países fora dos 27 Estados-membros da UE. 

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.