CEO da Huawei desenha futuro promissor

A lutar contra as sanções dos EUA e com as receitas a descerem, Ren Zhengfei acredita que o futuro da empresa está na inovação e na contratação de mais talento

CEO da Huawei desenha futuro promissor

A Huawei tem vindo a ganhar força e nos últimos anos tem estado a resistir às sanções dos EUA, à procura de talento para liderar a corrida nas tecnologias de telecomunicações de próxima geração depois do 5G. Numa conversa interna o mês passado, o fundador e diretor executivo Ren Zhengfei rejeitou a ideia de que a lista negra dos EUA derrotou a gigante chinesa das telecomunicações. 

Segundo uma transcrição da conversa, citada pela Bloomberg, Zhengfei disse que “não houve nenhum caos dentro da empresa" e que “em vez disso, a empresa está agora mais unida do que nunca, e até atraiu mais talento”. Contudo, os resultados financeiros da gigante chinesa indicam um decréscimo de cerca de 13,8% nas receitas anuais no primeiro semestre.

É de notar que a Huawei alcançou um acordo com uma das principais operadoras de telecomunicações chinesas para a aquisição de equipamentos 5G, mantendo o negócio em funcionamento. Mas entre falhas de componentes e a volatilidade do mercado, a gigante chinesa tem tentado encontrar novas fontes de rendimento e está à procura de criar novos negócios em diferentes setores. Adicionalmente, começou a solicitar direitos de patentes a outros fabricantes e vendeu uma marca de smartphones – Honor – a um consórcio chinês no final do ano passado, por uma quantia não especificada.

A Huawei é uma das cinco empresas chineses da lista negra dos Estados Unidos, excluídas de realizar negócios com empresas norte-americanos por alegadamente constituírem uma ameaça à segurança nacional. Ren Zhengfei está a contar com a sua equipa de investigação para ajudar a Huawei a recuperar daquela que pode ser uma das sanções mais fortes que a empresa já sofreu.

Zhengfei está a traçar o futuro da empresa atentado na próxima geração de tecnologia wireless. A tecnologia 6G, como disse aos colaboradores, "pode ser capaz de detetar e sentir" além das maiores capacidades de transmissão de dados nas tecnologias atuais. "Não devemos esperar que o 6G se torne viável, pois a espera impor-nos-ia constrangimentos por falta de patentes", completou.

Além disso, o CEO comprometeu-se a contratar os melhores talentos do mundo com salários mais altos do que os oferecidos pelos concorrentes, assim, disse,  “não só vamos liderar o mundo no 5G, como mais importante, vamos procurar liderar o mundo em domínios mais amplos", disse.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.