As tendências de RH no retalho

O uso da tecnologia e as relações interpessoais são algumas das tendências de recursos humanos para o setor do retalho em 2024

As tendências de RH no retalho

Os últimos anos de trabalho têm sido desafiadores para os profissionais de Recursos Humanos (RH) e gestores da força de trabalho. Um estudo de mercado conduzido pela Culture Amp revelou que os principais obstáculos enfrentados por mais de 500 líderes de RH incluem a competição por talentos, retenção de colaboradores, equilíbrio de modelos de trabalho flexíveis, manutenção do compromisso dos funcionários, promoção do desenvolvimento dos mesmos e gestão de desempenho.

Estes desafios sempre foram prioridade para os profissionais de RH, mas olhando para o futuro, estamos a entrar numa nova fase de trabalho onde a tecnologia, liderança e comunicação estão focadas em facilitar e remodelar métricas de produtividade para ambientes de trabalho mais harmoniosos”, observa, em comunicado, José Pedro Fernandes, vice-presidente da Sisqual WFM. “Quando a empresa utiliza ferramentas para facilitar o trabalho da sua equipa, não só se sente valorizada e confiante, mas também se prepara para atuar com colaboradores e ambientes de trabalho orientados para o sucesso e crescimento”.

De acordo com José Pedro Fernandes, no setor do retalho, isso torna-se ainda mais evidente devido à rápida evolução desta indústria, que exige uma força de trabalho adaptável e qualificada. As empresas reconhecem a necessidade de funcionários com formação multidisciplinar que possam transitar facilmente entre funções na loja e plataformas digitais. “À medida que a tecnologia se integra cada vez mais no cenário do retalho, enfatiza-se a formação dos funcionários em áreas como Inteligência Artificial (IA), análise de dados e envolvimento digital do cliente. Além disso, as empresas estão agora a priorizar um ambiente laboral holístico que promova a inovação, colaboração e aprendizagem contínua, garantindo que permaneçam na vanguarda da transformação da indústria”, destaca.

Tendo em mente este cenário, a Sisqual WFM identificou cinco tendências que os retalhistas podem esperar em 2024 (e no futuro, em geral) no mercado laboral, especificamente no departamento de RH e na gestão da força de trabalho:

  1. Integração de tecnologia no local de trabalho – “Em 2024, iremos entrar numa era de tecnologia específica para RH e força de trabalho. Podemos esperar relações profissionais mais próximas entre as equipas de TI e RH, trabalhando em conjunto para capacitar e aprimorar a força de trabalho do futuro”, explica o vice-presidente da Sisqual WFM. A tecnologia no local de trabalho visa tornar a atividade mais rápida, inteligente e apurada. Para os líderes de RH, a tecnologia desbloqueará insights sobre os locais de trabalho e equipas, sendo um recurso-chave para sustentar a força de trabalho do futuro;
  2. A experiência de IA – A tecnologia de Aprendizagem Automática (Machine Learning), uma ferramenta crucial para muitos sistemas de IA, não substituirá seres humanos ou posições de trabalho, mas agregará habilidades e agilidade no quotidiano do profissional de RH e da liderança. A tecnologia surge para auxiliar em tarefas fundamentais como a alocação de turnos e cumprimento da legislação, ou seja, todos os funcionários serão impactados pelo uso da IA de alguma forma. “A IA ajuda a fazer mais com menos, melhorando o trabalho que já é realizado e reduzindo o tempo gasto em tarefas burocráticas, porém importantes”, diz José Pedro Fernandes;
  3. Adoção de turnos flexíveis – O termo está relacionado com uma nova forma de organizar os turnos para os funcionários. Numa plataforma digital, o empregador disponibiliza os horários disponíveis a uma seleção de profissionais previamente inscritos que, por sua vez, têm a liberdade de escolher as opções que lhes forem mais convenientes. Além de ser mais democrático, este processo de gestão de escalas torna os horários mais flexíveis e adequados a esta nova realidade do mercado, enquanto atende às necessidades da empresa de forma escalonável;
  4. O papel da mudança – À medida que o setor procura otimizar operações e melhorar a experiência do cliente, a gestão eficaz da força de trabalho torna-se crucial. O Workforce Management ganhará destaque, capacitando os retalhistas a aprimorar a alocação de recursos, programação de equipas e gestão de desempenho, resultando em operações mais eficientes e colaboradores mais satisfeitos. “A omnicanalidade continuará a moldar o cenário, com os consumidores a esperarem experiências fluidas entre canais online e físicos. A integração perfeita destes elementos permitirá aos retalhistas oferecer não apenas produtos, mas experiências holísticas, impulsionando a fidelização do cliente num ambiente cada vez mais dinâmico e interconectado”, destaca José Pedro Fernandes;
  5. Aprendizagem liderada pelos funcionários – Haverá uma transição do tradicional domínio do departamento de Recursos Humanos para uma abordagem mais democrática e responsável sobre a construção de escalas. “A implementação de ferramentas avançadas de WFM tem capacitado os líderes de equipa a assumirem um papel proeminente no planeamento e execução dos turnos, distribuindo a responsabilidade de forma mais equitativa. Esta abordagem descentralizada não só agiliza o processo de escalas, mas também promove uma tomada de decisão mais ágil e adaptativa, alinhando as necessidades operacionais com as expectativas dos colaboradores, resultando numa gestão de equipa mais eficiente e comprometida”, conclui José Pedro Fernandes.
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.