Negócios que levantam voo

Os drones serão uma das maiores vantagens competitivas a curto prazo, com o potencial de revolucionar a recolha de dados e os processos de negócio

Negócios que levantam voo

Num dos palcos paralelos da Web Summit, John Chambers, chairman da Cisco, e Jonathan Downey, CEO da Airware, startup norte-americana que desenvolveu um sistema operativo para drones comerciais, anteviram o papel que estes terão na transformação digital das empresas e no aumento da sua competitividade. Chambers foi peremptório: “Os drones são o melhor exemplo do que significa a digitalização: são cloud, robótica, segurança”. São também, segundo o líder da Cisco, “o aspeto físico da digitalização”, com inúmeras aplicações possíveis.

O ano de 2017 será o “turning point” para a utilização dos drones por parte das empresas, alertou. As organizações devem começar a adotar esta tecnologia, dado que a sua implementação pode levar mais de um ano e a própria indústria dos drones está a consolidar-se. “Nos próximos cinco anos vamos olhar para trás e pensar como trabalhávamos sem drones”, assegurou Downey.

 

Democratização do acesso aos dados

O mercado dos drones deverá valer 20 mil milhões de dólares em 2020, à medida que os custos dos seus componentes diminuem, que os processos regulatórios são definidos e que as suas capacidades se integram com a recolha e análise de dados em tempo real. É por esta via que os drones prometem revolucionar (e digitalizar) os processos de negócio. Os seus sensores conseguem captar com uma precisão inigualável quantidades consideráveis de dados, a um custo inferior ao dos meios atuais (como os helicópteros e os satélites, por exemplo).

 

Um novo nível de analítica

Esta democratização implicará mudanças nas estratégias empresariais de recolha de informação, o que conduzirá a poupanças consideráveis e a uma analítica melhorada. Assim, a adoção de drones como fonte de informação – principal ou complementar – exigirá das organizações o desenvolvimento de novas competências internas ao nível de analítica e Big Data, de modo a extraírem real proveito da informação a que irão aceder, pelo que contratar data scientists será mais prioritário do que nunca.

 

Setores que já estão a utilizar drones

 

Petrolífero

Esta indústria está a recorrer a informação recolhida por drones, através de imagens térmicas e sensores farejadores, para inspecionar gasodutos e poços de petróleo em poucos dias, ao invés de semanas.

 

Transportes e logística

A DHL tornou-se este ano no primeiro operador de logística do mundo a incluir drones na cadeia de distribuição (Parcelcopter), para proporcionar entregas totalmente automatizadas aos seus clientes, por agora apenas em algumas regiões da Alemanha. Também a Amazon está, como não podia deixar de ser, a implementar a utilização de drones para um serviço de entregas expresso, o Prime Air Service. A empresa pretende, nos EUA, entregar encomendas com menos de 2 Kg em apenas 90 minutos. Companhias aéreas como a Easyjet e a Lufthansa estão a adotar drones para inspecionar as suas aeronaves, por exemplo, e poupar em tempo e custos. Em França, a SNFC, operador de caminhos ferroviários, tem um programa interno de drones para aumentar a segurança e a manutenção das ferrovias através de uma rede de vigilância.

 

Retalho

A maior cadeia de retalho do mundo, a Walmart, está a testar drones que ajudam a gerir os inventários dos seus armazéns. Já em 2017 o retalhista pretende recorrer a esta tecnologia para captar em 30 frames por segundo os produtos presentes nas prateleiras dos seus armazéns. A informação pode ser utilizada para determinar que itens estão nos sítios errados ou em falta. Este é um processo que, manualmente, demora um mês a ser concluído e que, com os drones, poderá ser reduzido a apenas um dia.

 

Agricultura

A oportunidade é tremenda, porque permite identificar desde cedo as plantações deficitárias e manter um inventário das colheitas. Os drones podem ainda ser utilizados para mapear e estudar os terrenos e os sistemas de irrigação. Estes dispositivos também podem pulverizar os pesticidas, fertilizantes e água sobre as colheitas, com menores custos. Na pecuária, também permitem monitorizar os animais e reunir rapidamente informação, seja do ponto de vista reprodutivo/populacional como do seu estado de saúde. A portuguesa Sugal, produtora de concentrado de tomate com operação no Ribatejo, iniciou recentemente a última fase do seu projeto de implementação de um sistema de drones, com a SkyEye, para acompanhar todo o processo de produção e manter um maior controlo de qualidade através de vídeos e fotografias de alta resolução - desde a plantação até à transformação em pasta de tomate.

 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!