Responsabilidade social e sustentabilidade: o exemplo poderá vir do setor público?

Na responsabilidade social empresarial, o caráter de autorregulação foi a chave do sucesso – ou pelo menos a vantagem competitiva junto dos stakeholders – de muitas empresas em todo o mundo. Mas a pressão por resultados de curto prazo, as ondas de choque da crise financeira, e as rápidas alterações no panorama concorrencial levaram muitos a relegar metas que já tinham sido estabelecidas no passado, incluindo as relacionadas com sustentabilidade e recursos.

Responsabilidade social e sustentabilidade: o exemplo poderá vir do setor público?

Por esta razão, não é de estranhar que sejam agora os legisladores a substituir a autorregulação, ou impondo métricas ao setor privado, ou dando os próprios poderes públicos exemplo através dos critérios pelos quais decidem, por exemplo, a aquisição de tecnologia informática. 

Na Europa, temos um recente exemplo aqui ao lado, em Espanha, onde a contratação pública passará a ser sujeita a critérios de sustentabilidade. 

Foi publicado dia 4 de fevereiro o Plano de Contratação Pública Ecológica dos Ministérios das Finanças e da Transição Ecológica de Espanha, aprovado em dezembro do ano passado. 

O plano prevê a inclusão de critérios de sustentabilidade – incluindo especificações técnicas, critérios de adjudicação e fatores de valorização – na aquisição de bens e serviços por parte de entidades do setor público espanhol. 

Segundo o Ministério para a Transição Ecológica, o plano tem como objetivo “permitir que as administrações, no decorrer da sua atividade, fomentem e contribuam para os objetivos de sustentabilidade económica e ambiental” ao “promover a aquisição por parte da administração pública de bens, atividades e serviços com o menor impacto ecológico possível”. 

O plano abrange todas as entidades públicas – a administração geral do Estado, agências governamentais e entidades gestoras da segurança social – e indica um conjunto de critérios gerais de sustentabilidade ambiental, de caráter voluntário, a serem incorporados nos cadernos de encargos como critérios de seleção e adjudicação, especificações técnicas e condições especiais de execução. 

Como acordado na aprovação do plano em dezembro de 2018, as entidades competentes deverão estabelecer, no prazo de um ano após a sua publicação, “um quadro estratégico no qual estabeleçam objetivos mínimos para a incorporação de critérios ecológicos nos contratos formais durante o período de atuação do plano”. O plano terá uma vigência de sete anos, ao longo dos quais estará sujeito a revisões e alterações. 

No boletim oficial publicado em fevereiro, ficaram estabelecidos os critérios ecológicos aplicáveis em cada uma das 20 categorias de bens, atividades e serviços priorizadas nas guidelines de contratação pública ecológica da Comissão Europeia. Nestes estão incluídos, entre outros, equipamentos de impressão, computadores e monitores, fornecimento energético, produtos e serviços de limpeza, sistemas de climatização, transportes, construção e gestão de edifícios. 

Tomando como exemplo a categoria dos computadores e monitores, a seleção de uma oferta poderá passar a estar sujeita a especificações técnicas sobre o consumo energético (por exemplo, a obrigatoriedade da certificação Energy Star ou equivalente) e relativas a substâncias perigosas e gestão de resíduos. 

Critérios de adjudicação aplicáveis incluem a certificação ambiental do fabricante por parte de uma entidade legítima e o consumo energético em diferentes estados, bem como a longevidade permitida pela duração da garantia, opções de arranjo do equipamento e disponibilidade contínua da troca de peças. 

 

Precedente europeu 

Este plano surge no contexto das guidelines de Contratação Pública Ecológica (Green Public Procurement – GPP) publicadas pela Comissão Europeia com o propósito de orientar a implementação, em regime voluntário, de boas práticas de aquisição de bens e serviços com um impacto ambiental reduzido por parte das entidades públicas dos estados-membro. 

Em Portugal, isto veio a materializar-se na Estratégia Nacional para as Compras Públicas Ecológicas (ENCPE) 2020, aprovada em junho de 2016. Por derivar do mesmo quadro de referência, a ENCPE assemelha- se em muito ao novo plano espanhol, e é aplicável a todas as aquisições efetuadas por entidades do setor público, à exceção das feitas em regime de ajustes diretos simplificados. 

Desde a publicação desta estratégia, a Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública tem vindo a aplicar critérios ambientais em determinados acordos-quadro nas mencionadas áreas prioritárias. 

Atualmente, estão em vigor oito acordos- -quadro com critérios definidos na ENCPE – nas áreas do papel para usos gráficos, transportes, produtos alimentares e catering, equipamentos de IT, eletricidade, mobiliário e produtos e serviços de limpeza – e três com critérios ambientais não previstos pela ENCPE, nas áreas do licenciamento de software, manutenção de sistemas de climatização e manutenção de sistemas de elevação.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.